As boas-vindas a um Herói: o regresso de Evo Morales

Oliver Vargas viajou com Evo Morales enquanto fazia o seu regresso triunfante à Bolívia após o seu exílio após o golpe de Estado apoiado pelos EUA em Novembro passado.

Oliver Vargas
MintPressNews

O regresso de Evo Morales à Bolívia na segunda-feira, 9 de novembro, um dia após a tomada de posse do presidente Luis Arce, marcou o fim formal do golpe de Estado apoiado pelos EUA no ano passado. O que significa o seu regresso para a Bolívia, e para o mundo? Será ele apenas um ex-presidente a quem os meios de comunicação social recorrerão periodicamente para comentar? Será ele a notícia de ontem para o seu partido? As respostas a estas perguntas permanecem pouco claras, mas o que é claro é que a sua viagem de regresso de três dias foi uma declaração de que pretende proporcionar uma forte liderança aos movimentos sociais na Bolívia e no estrangeiro.

Os meios de comunicação social corporativos, tanto nacionais como internacionais, têm vindo a promover uma narrativa de que Morales está de alguma forma em conflito com o novo governo de Luis Arce. Uma peça recente no New York Times declarou: “O regresso do Sr. Morales agora arrisca minar os esforços do Sr. Arce para unir a nação para ultrapassar a crise”, e a Reuters classificou Arce como estando “na Sombra de Evo”.

É claro que o governo golpista da Bolívia sabia que Evo Morales iria fortalecer, e não enfraquecer, qualquer futuro governo do MAS. Eles compreenderam que ele era e é, o líder dos poderosos movimentos sociais da Bolívia. Sabiam que tinham de o manter fora do país, pelo que acumularam mais de 20 acusações criminais e um mandado de captura imediata se ele alguma vez pusesse os pés em solo boliviano. As acusações incluíam terrorismo, sedição, genocídio, e muito mais.

Morales foi forçado a fugir para o México após o golpe, tendo depois mudado para a Argentina, onde também lhe foi concedido asilo. O absurdo das acusações foi provado quando o regime golpista, através da sua própria arrogância, as levou à Interpol, num esforço para forçar o país adoptivo de Morales a entregá-lo. Evidentemente, a Interpol rejeitou as duas tentativas de colocar um “alerta vermelho” sobre Morales, pois consideravam que as acusações contra ele eram políticas e sem qualquer base jurídica.

Rejeitada pelos organismos internacionais, a perseguição legal contra Morales também desabou em casa. Logo após os resultados eleitorais de 18 de outubro que deram a vitória ao MAS, o poder do regime para pressionar os tribunais da Bolívia evaporou-se imediatamente, e o seu mandado de captura foi levantado poucos dias após as eleições.

O palco estava agora preparado para o seu regresso à Bolívia. O dia 9 de novembro foi um carnaval digno de um rei. Atravessou a fronteira a pé, desde a cidade argentina de La Quiaca até à cidade boliviana de Villazon, com dezenas de milhares de apoiantes prontos a recebê-lo. Como um dos muitos jornalistas ali presentes, fui ingénuo o suficiente para acreditar que as multidões seriam mantidas à distância pelos activistas sindicais da região do Chapare, que eram a segurança designada, mas rapidamente perdi a minha boa posição, uma vez que as massas de apoiantes reunidas imediatamente esmagaram os homens corpulentos que deveriam formar um anel protector em torno de Evo.

Olhando para o futuro

As nossas máquinas fotográficas saltaram de um lado para o outro quando fomos perigosamente esmagados pelo enorme peso daqueles que tentavam tocar-lhe ou pelo menos tirar-lhe uma fotografia. O seu desfile da vitória passou da fronteira para a praça central da cidade, a cerca de cinco quarteirões da ponte pela qual ele entrou.

Ao perguntar aos presentes no comício o que Morales significava para eles, as respostas não estavam a descrever uma figura querida, mas sim uma figura já conhecida, a maioria falou no tempo futuro. Juan, um mineiro de Potosi, disse: “Temos de o receber e garantir que ele chegue bem, porque é o nosso líder, tanto a nível nacional como internacional. Quero saudar [o presidente] Arce e [o vice-presidente] Choquehuanca, mas o nosso verdadeiro líder indiscutível é Evo Morales Ayma e sempre o será”.

Um activista sindical da Argentina atravessou a fronteira para o comício de Villazon e disse-me que “Evo é um líder latino-americano e será a chave para a construção de um continente unificado que seja forte, soberano e para o povo, para os trabalhadores”. É por isso que estamos aqui, isto também nos preocupa a nós”.

O primeiro discurso de Morales na Bolívia, proferido na praça de Villazon, atingiu um tom semelhante, discutindo o futuro em vez de relembrar a glória passada. “Temos de continuar a trabalhar, a nossa tarefa agora é proteger o presidente Arce e o nosso processo de mudança, porque o direito não dorme e o império está sempre a olhar para os nossos recursos naturais, mas nós usamos a nossa experiência para avançarmos ainda mais fortes”.

Ficámos a conhecer o horário cansativo que há muito tem sido a norma para Evo. Ao longo do seu tempo como presidente e antes, tem sido famoso por trabalhar das 4 da manhã à meia-noite, sem tirar fins-de-semana de folga. Nessa noite, deitámo-nos todos às 3 da manhã e tivemos de estar acordados e prontos antes das 7 da manhã para a sua conferência de imprensa da manhã, durante a qual ele abordou a questão das reservas de lítio do país, referindo-se à explosão do Twitter de Elon Musk a respeito da sua participação no golpe. Morales afirmou claramente:

“O golpe foi para o lítio, o imperialismo não quer que desenvolvamos produtos de valor acrescentado na Bolívia, quer que as corporações transnacionais tomem tudo”.

Explicou então que ainda na semana passada teve reuniões com o ministro da Ciência da Argentina para elaborar um plano binacional para processar o recurso natural. Claro que não é um funcionário do governo, pelo que não pode assinar qualquer acordo, mas a sua participação em tais reuniões é prova da sua relação com o novo governo do MAS, ajudando sempre que possível, mas com o recém-eleito executivo firmemente no controlo. Esta abordagem está de acordo com o que Luis Arce expôs numa entrevista com a BBC quando afirmou que “Evo Morales é muito bem-vindo para nos ajudar, mas isso não significa que ele vá estar no governo”.

Aqueles que nos meios de comunicação social procuram desesperadamente um exemplo de Morales a ensombrar o novo governo, ou de Morales a ficar de fora ao frio, continuam a procurar provas disso. Entretanto, Evo continua o seu trabalho no que sempre foi o seu objectivo declarado, de ajudar Luis Arce e de reforçar o MAS a partir da sua posição como líder do movimento social e presidente do partido.

O resto da caravana era igualmente exigente, conduzindo o dia inteiro através de Potosi até à aldeia natal de Evo em Orinoca, no Oruro, onde visitou a sua casa de infância construída com lama seca e um telhado de palha. Orinoca, no entanto, não é a sua única casa.

Quando criança, a sua família deixou a aldeia, expulsa pela extrema pobreza que a maioria dos bolivianos rurais enfrentou durante o século XX. Finalmente instalaram-se na região de Chapare, onde Morales se tornou o líder do sindicato dos produtores de coca durante a luta contra a presença da USAID e da DEA na região.

Após um breve comício na cidade vizinha de Oruro, conduzimos de um dia para o outro sem parar até à casa política de Evo, o Chapare, também conhecido como o Trópico de Cochabamba. Chegando às 5 da manhã do dia seguinte, Morales descansou durante apenas duas horas antes de sair às 7 da manhã para reuniões com senadores e presidentes de câmara locais.

O que veio depois foi o gigantesco comício de encerramento no Aeroporto de Chimore, a base aérea na região de Chapare onde Morales partiu para o México no ano passado. Mais de meio milhão de pessoas encheram a pista de aterragem onde ele proferiu um discurso de despedida, expondo a sua política:

“Nós somos anti-imperialistas, isso não está em debate. Mas irmãs e irmãos, ouçam-me com atenção, não se trata de ser ‘populista’ ou ‘progressista’ ou ‘solidário’. Se não somos anti-imperialistas, então não somos revolucionários. Metam isso na vossa cabeça irmãos e irmãs’.

O que é que o futuro de Evo nos reserva?

A poeira assentou agora, sem mais comícios enormes nem viagens de carro. Evo instalou uma base na cidade de Lauca Ñ nos escritórios das 6 Federações do Trópico e casa do meio de comunicação do seu sindicato, a Rádio Kawsachun Coca.

As grandes multidões já não estão a se reunir, mas o verdadeiro trabalho político já começou. Cada hora tem sido preenchida com reuniões privadas com todos os líderes locais do MAS de cada região do país. Embora, igualmente importante, tem sido o trabalho internacional.

Morales tem recebido delegações do movimento indígena no Equador, bem como dos principais sindicatos de trabalhadores da Argentina, onde lançaram o apelo para um congresso de movimentos sociais em toda a América Latina, com o objectivo de criar uma nova organização indígena internacional e lançar projectos de integração regional com base no “plurinacionalismo” e no anti-capitalismo. Após lançar o apelo para o congresso internacional, Leonidas Iza, líder da organização indígena equatoriana CONAIE, disse de Evo: “Sentimo-nos representados por ele, ele não é apenas reconhecido na Bolívia, mas em todo o continente”.

É evidente que Morales tem um futuro como líder político na América Latina. Liberto das armadilhas burocráticas do poder, ele pode guiar os movimentos sociais a nível nacional e internacional, utilizando as experiências que acumulou, liderando com sucesso as lutas sociais até ao poder, e ajudando a derrotar um golpe após apenas um ano. Só estas realizações fazem dele uma figura de proa evidente para um projecto de unificação da esquerda latino-americana em particular. Aqueles em todo o mundo que procuram replicar tal êxito poderiam fazer pior do que recorrer a ele como uma figura que pode orientar e proporcionar liderança àqueles que dela necessitem.◼