Washington procura dividir a Síria através da utilização de terroristas

por Vladimir Platov
via New Eastern Outlook

Os acontecimentos recentes mostram claramente os verdadeiros objectivos da política de Washington na Síria, visando não encontrar uma solução pacífica para o conflito e o regresso dos refugiados à sua pátria, mas sim continuar a pilhar. Os Estados Unidos recusaram-se a participar na Conferência Internacional em Damasco, realizada por Moscovo a 11-12 de novembro para facilitar os refugiados sírios e as pessoas deslocadas internamente e tentaram interferir no evento.

Simultaneamente, os militares americanos, de todas as formas possíveis, protegem e encorajam os militantes curdos. Os EUA bombeiam petróleo no nordeste roubando os recursos naturais e propriedade nacional da Síria e consideram a República Árabe da Síria (RAS) um recurso barato. Assim, segundo a agência noticiosa árabe síria SANA, as forças armadas americanas, com a ajuda de militantes curdos das Forças Democráticas Sírias (SDF), no dia 28 de outubro, levaram mais um carregamento de petróleo da Síria em 37 petroleiros do colonato de As Suwayda para o norte do Iraque através da passagem da fronteira de Al Waleed. Foram acompanhados por um comboio de carros e porta-aviões blindados dos combatentes curdos da SDF. As tropas norte-americanas, juntamente com caças SDF, controlam a maioria dos campos petrolíferos no leste da Síria, onde um grande número de camiões com armas foi transferido nos últimos meses.

Anteriormente, os Estados Unidos tentaram “legalizar” unilateralmente o fluxo de petróleo da RAS, criando uma empresa fictícia chamada Delta Crescent Energy LLC. O facto de as acções dos militares americanos na Síria serem uma “extorsão de Estado internacional” e não poderem ser justificadas pela sua luta contra o grupo terrorista Daesh já foi repetidamente declarado pelos governos da Síria, Turquia, Irão e Rússia, inclusive perante a ONU, a partir das tribunas oficiais.

Não só o roubo total caracteriza a política dos EUA na Síria. De acordo com um relatório publicado pela Rede Síria para os Direitos Humanos (SNHR) com sede no Qatar, os ataques da “coligação anti-terrorista” liderada pelos EUA já mataram mais de 3.000 civis sírios desde 2014. O destino de 8.000 é desconhecido. Ao longo de seis anos de intervenção, os chamados “combatentes contra o terrorismo” terão cometido assassinatos em massa pelo menos 172 vezes, bombardearam escolas e mercados, e colocaram os seus aliados, cujo núcleo local são militantes curdos, à frente das regiões “libertadas”.

É necessário prestar especial atenção ao facto de que, durante o ano passado, a administração americana, para implementar o seu plano de fragmentação da Síria, tem trabalhado especialmente activamente para reconciliar as facções políticas curdas da Síria. Em particular, Washington actuou como intermediário entre os partidos curdos de unidade nacional, o maior dos quais é o Partido da União Democrática (PYD), que é o braço político das Forças de Auto-Defesa Popular (YPG), que são a espinha dorsal da SDF e do Conselho Nacional Curdo na Síria (KNC). O principal objectivo de Washington é criar “autonomia” curda, criando ao mesmo tempo condições prévias para uma presença militar americana no país. Especialmente na região produtora de petróleo da Síria, à qual, sem dúvida, os Estados Unidos darão particular importância em qualquer acordo pós-guerra.

Para desestabilizar ainda mais a situação da Síria e implementar planos para dividir este país, os militantes curdos das SDF, sob instruções de Washington, libertaram das prisões mais de 500 terroristas no leste da Síria no início de novembro. Como resultado, a actividade das células terroristas tem aumentado visivelmente em toda a Síria. Por exemplo, a organização não governamental baseada em Londres, Observatório Sírio dos Direitos Humanos (SOHR), citando fontes sírias, relatou graves perdas de tropas governamentais devido a um ataque em grande escala por parte dos militantes do grupo terrorista Daesh no leste da província de Hama. Vinte e um soldados sírios foram mortos no ataque perto da barragem de Abu Fayyad, a leste da cidade de Salamiyah, na zona rural do Hama, e os próprios terroristas perderam mais de 40 pessoas. Após o ataque falhado, os militantes fugiram para sul em direcção à zona desértica de Badiya al-Sham.

A 12 de novembro, uma escolta das Forças Armadas turcas que partia de Kafr Shil foi explodida na província de Aleppo, no norte da Síria, nos arredores de Afrin.

Quase simultaneamente, ocorreu um incidente no sul do país – na região de Daraa. Um comboio das Forças Armadas russas acompanhado pelas forças de segurança sírias dirigia-se de Izraa para Sahwat al-Qamh quando um dispositivo explosivo improvisado foi detonado perto da povoação de Musseifra.

A 13 de novembro, militantes do grupo terrorista Daesh atacaram uma unidade do exército árabe sírio perto da cidade de Al Sukhnah, na província de Homs, matando onze soldados e capturando e subsequentemente executando um soldado. Segundo estimativas dos observadores, os três eventos podem ter raízes comuns associadas à consolidação dos militantes curdos e aos esforços do Daesh após a libertação de 500 militantes das prisões da administração de ocupação americana. Segundo relatórios publicados do Al-Monitor, muitas “células adormecidas” do Daesh foram implantadas em aldeias nas margens do rio Eufrates, tais como Al-Shuhayl, Hajin, Al-Susa, e Al-Baguz, e a recente libertação de 500 terroristas pela SDF ajudou no recrutamento.

A situação torna-se mais complicada porque os militantes curdos não querem combater os terroristas no submundo do território ocupado da Síria. As SDF querem que a região se mantenha volátil para continuar a receber apoio dos Estados Unidos, sublinha Al-Monitor. Além disso, a julgar por relatórios anteriores de fontes, os grupos curdos continuam a obter uma parte no roubo e contrabando de petróleo sírio – e precisam a todo o custo de manter a sua presença na região rica em petróleo, simulando a luta contra a Daesh, o que, a propósito, satisfaz plenamente os planos de Washington.◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube