A importância das resoluções tomadas no Comité Central do PCC

Eduardo Jorge Vior

O resultado das eleições norte-americanas decidirá sem dúvida a forma e o momento do declínio da maior superpotência e merece uma análise detalhada. Contudo, como as notícias das demissões de Donald Trump-Joe Biden fizeram as primeiras páginas de todos os meios de comunicação social, a opinião pública internacional perdeu de vista as importantes resoluções tomadas pelo Comité Central (CC) do Partido Comunista da China (PCC) que se reuniu em Pequim de 26 de a 29 de outubro. As suas decisões reflectem a gravidade da situação mundial e têm implicações mesmo para cenários geograficamente distantes da Ásia Oriental.

Na conclusão da Quinta Sessão Plenária do 19º Comité Central (eleito no Congresso do PCC em outubro de 2018), foi emitido um comunicado estabelecendo os objectivos do 14º Plano Quinquenal 2021-25 e a visão a médio prazo, para levar a cabo a “modernização socialista” até 2035. Ambos os planos baseiam-se claramente na luta contra a pandemia do coronavírus e na resistência às sanções impostas pelos Estados Unidos. A China respondeu com sucesso a ambos os desafios. Não só conseguiu superar rapidamente a pandemia com um mínimo de infecções e mortes, mas a partir do terceiro trimestre retomou o crescimento económico e estima-se que termine o ano com uma taxa de crescimento do PIB de 1,9%. É lógico, portanto, que a liderança do país deve celebrar ambas as realizações como prova da adaptabilidade do modelo chinês.

Os 198 membros permanentes e 126 suplentes do Comité Central que se reuniram em Pequim aprovaram o Plano Quinquenal e a perspectiva de desenvolvimento a médio prazo que será apresentada em Março na reunião da Primavera do Congresso Nacional Popular, o mais alto órgão legislativo do país. Porquê uma perspectiva de quinze anos? Porque em 2035 a potência oriental terá chegado a meio caminho de 2049, quando a República Popular terá atingido os 100 anos de existência e terá alcançado o estatuto de “nação socialista desenvolvida”.

Este ano termina o 13º Plano Quinquenal e espera-se que o PIB exceda 15 mil milhões de dólares (aproximadamente 35 vezes o PIB argentino). Tendo retirado quase 56 milhões de habitantes rurais da pobreza extrema nos últimos cinco anos, o país cumpriu a meta estabelecida para 2030 na Agenda das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável uma década antes do tempo. Se o 13º Plano fez a transição de “crescimento de alta velocidade” para “crescimento de alta qualidade”, o 14º Plano deve assegurar, nas palavras de Xi Jinping, “dupla circulação”, para que as relações económicas externas e a economia interna se alimentem mutuamente.

O corte das cadeias de abastecimento no início da pandemia e as sanções americanas mostraram aos líderes chineses que devem assegurar dentro do país a conclusão do ciclo produtivo dos principais sectores económicos. Por esta razão, o 14º Plano visa fechar o ciclo das biotecnologias, assegurar localmente a produção de semicondutores, o desenvolvimento de grandes bancos de dados, robótica e telecomunicações, bem como a transição das energias fósseis para as renováveis, e reduzir a diferença de rendimentos entre os sectores urbano e rural.

Como forma de sublinhar a transição do crescimento quantitativo para o qualitativo, o comunicado publicado após a sessão plenária do CC não menciona objectivos numéricos para o 14º Plano Quinquenal. Pelo contrário, juntamente com os objectivos materiais, o texto enfatiza a “felicidade do povo”, o que para a maioria da população significa reduzir as desigualdades e alcançar um desenvolvimento inclusivo, especialmente através da difusão do acesso a serviços públicos de qualidade.

A maioria da sociedade chinesa está convencida de que a presidência de Donald Trump paralisou as relações China-EUA a longo prazo. Nas redes chinesas Trump tem a alcunha “Chuan Jianguo”, que significa literalmente “Trump constrói a China”. Embora a ironia tenha o fundo desesperado da China já não poder contar com a cooperação dos EUA no futuro, tem um fundo de verdade: as sanções dos EUA forçaram a potência asiática a fechar os circuitos de produção, distribuição e consumo dentro do próprio país ou, pelo menos, dentro do próprio espaço económico eurasiático.

A certeza de que os Estados Unidos nunca irão admitir a independência e o desenvolvimento da China não só a obriga a sustentar-se nos seus próprios esforços, mas também a aumentar drasticamente o seu esforço de defesa nacional. Assim, juntamente com o Plano Quinquenal, foi anunciado que até 2027, quando se comemorar o 100º aniversário da fundação do Exército de Libertação Popular, a China irá modernizar radicalmente as suas forças armadas, mecanizando, automatizando, aplicando inteligência artificial e preparando-se para se defender ao mesmo tempo nos Himalaias, no Mar do Sul e no Mar Amarelo, protegendo ao mesmo tempo a Nova Rota da Seda e a Faixa e as suas rotas mundiais de abastecimento. Evidentemente, a realização deste objectivo significará a duplicação das despesas actuais de defesa (1,3% do PIB) para a média mundial de 2,6%.

As relações internacionais estão a entrar num período perigoso. Os Estados Unidos não vão admitir o seu declínio ou desistir sem lutar pela posição cimeira do mundo. A única diferença entre os futuros governos de Trump ou Biden pode residir nos alvos que atacam ou nos tempos da sua agressão. A decisão da China de confiar quase exclusivamente nas suas próprias forças provém de uma forte apreciação da realidade e levará a um encerramento exterior do espaço euro-asiático que Pequim e Moscovo têm vindo a construir. Os parceiros mais importantes da China noutros continentes também estarão sob pressão para escolher entre os dois blocos.

Sabemos que o mundo está a entrar num período de tensão máxima que nos envolve a todos. Confiar na própria força não é um slogan exclusivamente chinês.◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol