Blitz russo na Síria adverte a Turquia a recuar no Cáucaso

Numa demonstração de força sem precedentes, os aviões de guerra russos lançaram esta semana ataques devastadores contra uma fortaleza militante apoiada pela Turquia no norte da Síria, matando até 100 combatentes. Foi um golpe espantoso para os meios militares substitutos de Ancara no país árabe.

Os ataques aéreos marcaram o fim de um cessar-fogo de sete meses que a Rússia tinha negociado com a Turquia para manter uma zona de desescalada na província de Idlib, no noroeste da Síria. A trégua russa foi vista como um travão a uma ofensiva do exército sírio para afastar os militantes na região fronteiriça com a Turquia que Ancara patrocinou durante a guerra de quase uma década na Síria.

Nos ataques desta semana, foi alegadamente uma operação conjunta entre as forças armadas sírias e o seu aliado russo. Isto sugere que Moscovo está a dar luz verde a Damasco para retomar a sua ofensiva para recuperar todo o seu território dos rebeldes apoiados pela Turquia. As luvas estão novamente a sair, ao que parece.

O alvo foi alegadamente o principal campo de treino do grupo islâmico Faylaq al Sham, que também é conhecido como a Legião Sham. Os meios de comunicação ocidentais referem-se ao grupo como “rebeldes moderados”, mas está em ligação com afiliados terroristas conhecidos, tais como Ahrar al Sham e Jaysh al Islam. Está também associado ao grupo de propaganda jihadista, os chamados Capacetes Brancos.

A Legião Sham é alegadamente o grupo islamista da Turquia em Idlib, através do qual se liga a outros militantes. É, portanto, um elemento fundamental nas operações ilegais encobertas da Turquia na Síria.

Para a Rússia e a Síria, o lançamento de uma tal ofensiva pulverizadora contra um importante activo turco só pode ser visto como um aviso enfático a Ancara.

Uma advertência sobre o quê? Não parece ter sido desencadeado por nada que tenha acontecido na Síria ultimamente. Pelo contrário, o ataque de choque e terror parece ter sido a forma de Moscovo dizer a Ancara para parar de empurrar a agressão na guerra entre o Azerbaijão e a Arménia na região do Cáucaso do Sul da Rússia.

A erupção da guerra no Azerbeijão a 27 de Setembro sobre o disputado território do Nagorno-Karabakh tem sido uma preocupação de segurança alarmante para a Rússia. Centenas, se não milhares, foram mortos nas últimas quatro semanas naquele que é o pior episódio de violência desde que os dois lados puseram fim a uma guerra de seis anos em 1994, que causou cerca de 30.000 mortos.

Há poucas dúvidas de que o apoio da Turquia ao Azerbaijão está a alimentar o conflito. A retórica beligerante de Ancara sobre a libertação do Nagorno-Karabakh dos arménios incitou o Azerbaijão a procurar uma solução militar.

A Turquia armou o seu histórico aliado Azerbaijão com armamento avançado, como mísseis e drones, bem como com o fornecimento de caças F-16. Há relatos credíveis de que a Turquia transferiu milhares dos seus activos mercenários do norte da Síria para lutar ao lado das forças azeris.

Há também relatos de que a Turquia destacou mais de 1.200 das suas próprias forças especiais para a região montanhosa do Karabakh.

A subida de Ankara no conflito poderia explicar por que razão três tentativas de mediação de um cessar-fogo por parte da Rússia durante o último mês (e envolvendo mais tarde os Estados Unidos como mediador) fracassaram apesar dos votos dos lados azeri e arménio de se comprometerem a honrar os tréguas.

Há uma sugestão de que o líder turco Recep Tayyip Erdogan está à procura de vingança pela derrota auxiliada da Rússia nos planos de Ancara para a mudança de regime na Síria, causando problemas a Moscovo na sua vizinhança imediata do sul. Se a guerra no Azerbeijão se intensificar, a Rússia poderá ser arrastada para o conflito devido a um pacto de defesa que tem com a Arménia. Isso é algo que a Rússia seria relutante em fazer, uma vez que também tem relações históricas amigáveis com o Azerbaijão.

Moscovo tem apelado repetidamente a uma solução diplomática para o conflito sobre o Nagorno-Karabakh e a que os actores externos recuem, ou seja, a Turquia.

Ancara não parece ter ouvido a mensagem severa da Rússia – até ao momento. Está a empurrar o Azerbaijão para uma missão de recuperação de Nagorno-Karabakh pela força e com retórica maximalista que destitui os direitos arménios.

Em vez de confrontar a Turquia de frente no Cáucaso do Sul, parece que Moscovo decidiu atingir Ancara com um golpe de misericórdia sobre os seus bens na Síria. Ancara pode estar agora prestes a tomar em consideração.

Notavelmente, no dia seguinte ao ataque aéreo russo na Síria, o Erdogan da Turquia fez um telefonema a 27 de Outubro a Putin “para discutir o Nagorno-Karabakh e a Síria”.

De acordo com o serviço de imprensa do Kremlin: “O lado russo manifestou profunda preocupação com a acção militar em curso [no Nagorno-Karabakh], e com o crescente envolvimento de terroristas do Médio Oriente”, relatou a agência Tass.

Parece que Erdogan recebeu o memorando.◼

Fonte: Strategic Culture

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube