A aliança dos EUA com a Índia é uma questão bipartidária

A aliança dos EUA com a Índia continuará a ser um dos pilares da sua grande estratégia, independentemente de quem ganhar as eleições da próxima semana, uma vez que é uma questão bipartidária da maior importância para as suas permanentes burocracias militares, de inteligência e diplomáticas (“Estado profundo”).

A aliança EUA-Índia

Os analistas estão a lutar para especular sobre as possíveis mudanças de política externa que uma presidência Biden poderá trazer se ganhar as eleições da próxima semana, mas um aspecto da grande estratégia americana que não é susceptível de mudar é a aliança dos EUA com a Índia. As duas grandes potências formalizaram a sua parceria militar no início desta semana com a assinatura do “Basic Exchange and Cooperation Agreement” (BECA), o terceiro chamado “pacto fundacional” após o “Logistics Exchange Memorandum Of Agreement” (LEMOA) e o “Communication Compatibility and Security Agreement” (COMCASA), que colectivamente melhoram a inter-operacionalidade militar destes países. Nenhum dos lados esconde as suas intenções anti-chinesas comuns, como o autor explicou longamente na sua análise de setembro sobre como “Era Inevitável que a Índia procurasse activamente ‘conter’ a China”, que é uma tendência que ele tem seguido de perto desde meados de 2016, quando ainda era “tabu” para a Comunidade alt-media discuti-la. Esta trajectória continuará no bom caminho por várias razões fundamentais, independentemente de quem ganhar a Presidência.

Passo a passo, presidente por presidente

A primeira é que a máquina burocrática americana já deu o pontapé de saída e está a concentrar intensamente os seus esforços militares, de inteligência, e diplomáticos (“deep state“) na concretização desta aliança. Por conseguinte, será extremamente difícil inverter esta tendência, mesmo que Biden o desejasse sinceramente, mas não há razão para suspeitar que o faça, uma vez que foi um dos supervisores da era Obama “Pivot to Asia” que lançou a base para a formalização da aliança de Trump com a Índia. De facto, pode argumentar-se que Obama – que construiu sobre o progresso pioneiro de Bush Jr., como o pacto de cooperação nuclear durante esse tempo – é um dos antepassados desta aliança, uma vez que não teria acontecido se não fosse a sua decisão de continuar as políticas do seu antecessor a este respeito. Como tal, não há dúvida de que a aliança da América com a Índia é uma questão bipartidária para o establishment norte-americano.

“Movendo-se” do Ocidente para o Leste Asiático através do Sul

Outro ponto a salientar é que o “Pivot to Asia” transita naturalmente o foco estratégico dos EUA da Ásia Ocidental para a Ásia Oriental, enquanto atravessa o espaço do sul da Ásia entre ambos. No entanto, a Índia não é apenas um país comum no planeamento da política externa dos EUA, uma vez que as suas capacidades demográficas e económicas se combinam perfeitamente com a sua localização geoestratégica no topo do oceano afro-asiático (“Índico”) para o tornar atraente como um “contrapeso” para a China. Isto explica a sua importância fulcral na rede militar emergente Quad de estados anti-chineses, bem como o facto de a sua localização ser quase um “golpe certeiro” no centro do Hemisfério Oriental, o que o torna assim mais importante do que qualquer outro membro desse bloco. Nem Trump nem Biden poderiam dar-se ao luxo de ignorar esta oportunidade geoestratégica sem precedentes, daí que se preveja que, na realidade, a sua localização seja duplicada, independentemente de quem ganhar, uma vez que serve melhor os interesses da sua nação.

O papel da Índia nas estratégias de Trump e Biden para a China

Embora Trump e Biden tenham atitudes diferentes em relação à China, isso ainda não mudará a importância da Índia para as suas visões de política externa. O titular empregará provavelmente uma estratégia mais agressiva de explorar abertamente a Índia como folha de alumínio da China na “Grande Ásia do Sul” (Ásia Central/Oceano Afro-Asiático/Sudeste Asiático) enquanto que Biden poderá ser “mais gentil” com a sua abordagem por desejo de alcançar uma “Nova Détente” com a China (seja por razões pragmáticas ou corruptas). O candidato democrata continuaria a tendência crescente dos EUA de venda de armas a esse Estado, mas poderia preocupar-se mais com a cooperação política e económica com a Índia do que com qualquer abordagem de “contenção” da China por motivos militares. Se a previsão sobre o desejo de Biden de uma “Nova Détente” com a República Popular se concretizar, então o papel da Índia seria simplesmente o de manter a China “sob controlo”, em vez de a contrariar activamente como Trump prevê. Seja como for, a Índia continua a servir um objectivo muito estratégico para ambos os candidatos presidenciais.

A Rússia tem de recalibrar urgentemente a sua Lei de “Equilíbrio”

Este facto deve ser tomado em consideração por todos os intervenientes relevantes, especialmente a Rússia, que já está a competir intensamente com os EUA simplesmente para manter a sua posição dominante de décadas no mercado de armamento indiano. Isto não quer dizer que a Rússia deva “despejar” a Índia, mas apenas propor que comece seriamente a considerar planos de contingência no caso de perder mais influência no estado do Sul da Ásia, caso contrário, está prestes a tornar-se o “parceiro júnior” de Nova Deli e arriscar-se a provocar um “dilema de segurança” involuntário com a China. O autor alertou para esse cenário na sua análise de Setembro perguntando “Estará a Rússia a ‘Abandonar’ ou ‘Recalibrar’ a sua Lei de ‘Equilíbrio’ entre a China e a Índia?” e recomendou que os decisores considerassem a dupla resposta de chegar à Índia para formar um novo Movimento Não-Alinhado (“Neo-NAM”), reforçando ao mesmo tempo as relações estratégicas com o Paquistão, a fim de restabelecer o “equilíbrio” da lei russa de “equilíbrio”. Não o fazer poderia desestabilizar o princípio central da grande estratégia russa, que se tornou a força suprema de “equilíbrio” da Eurásia.

Pensamentos finais

Nenhum observador deve duvidar por um momento que a aliança da América com a Índia permanecerá entre as suas principais prioridades estratégicas, independentemente do resultado das eleições da próxima semana. As engrenagens do governo estão a trabalhar em uníssono para promover este objectivo, que representa o culminar dos esforços de Trump, Obama, e Bush Jr. numa demonstração verdadeiramente notável de acordo bipartidário sobre uma questão premente de significado em termos de política externa. Embora Trump e Biden tenham visões diferentes sobre a melhor forma de utilizar a aliança do seu país com a Índia, o facto é que, no entanto, irão empregar esta parceria com uma frequência crescente para avançar com os seus respectivos objectivos, quer “contendo” activamente a China como o titular prevê, quer mantendo-a “suavemente” “sob controlo” para manter a “Nova Détente” que o seu oponente quer apertar durante o seu (ou, ainda mais provavelmente, o seu vice presidente escolhido) mandato potencial. medida que esta tendência de mudança de jogo se acelera e se torna cada vez mais um dos principais determinantes geoestratégicos dos assuntos do Hemisfério Oriental, a Rússia será forçada a recalibrar o seu acto de “equilíbrio” com a Índia.◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube