Cálculos estratégicos russos na actual crise

Andrew Korybko

A última crise do Nagorno-Karabakh chamou muita atenção para os cálculos estratégicos russos no sul do Cáucaso. Sendo o aliado de defesa mútua da Arménia através da CSTO, os observadores temem que a escalada incontrolável do conflito em curso possa levar ao pior cenário de um confronto entre este bloco e a NATO no caso de a Turquia intervir militarmente em apoio do Azerbaijão. Portanto, vale a pena examinar os interesses russos a fim de obter uma melhor compreensão do que ele pode fazer.

A Arménia e o Azerbaijão acusam-se mutuamente de provocar a violência mais recente. O primeiro afirma que o Azerbaijão lançou um ataque não provocado contra as forças arménias no Nagorno-Karabakh Ocupado (NKO), enquanto o último afirma que está envolvido numa contra-ofensiva em toda a frente. Independentemente de qual lado o tenha iniciado, o facto indiscutível é que a Arménia ocupa militarmente território azerbaijano reconhecido internacionalmente, em violação às resoluções 822, 853, 874 e 884 do Conselho de Segurança da ONU.

A Rússia, como membro do Conselho de Segurança da ONU, votou a favor das resoluções que exigem que a Arménia se retire do território do Azerbaijão. Até a própria Arménia reconhece oficialmente que o Nagorno-Karabakh e as regiões vizinhas que ocupa como território pertencente ao Azerbaijão, já que ainda não reconheceu o antigo oblast (região autónoma) como “independente”, embora o primeiro-ministro Pashinyan recentemente tenha sugerido que poderia vir a fazê-lo. Tal movimento, no entanto, seria uma provocação clara que cruza a linha vermelha do Azerbaijão e aumentaria a crise de forma incontrolável.

É exactamente com isso que Moscovo está mais preocupada. É legalmente obrigada a defender a Arménia de agressões estrangeiras, então surge o cenário em que pode intervir no caso de o Azerbaijão e/ou o seu aliado turco atacar alvos em território arménio internacionalmente reconhecido. Esses países podem impedi-lo com base na prevenção de uma agressão arménia contra eles, o que criaria um dilema jurídico para a Rússia. Por um lado, ela precisaria manter os seus compromissos com a CSTO, mas, por outro, não desejaria escalar.

A Arménia disse anteriormente que não solicitou a assistência da CSTO da Rússia, nem solicitou mais carregamentos de armas ao seu aliado, embora neste segundo ponto permaneça possível de acordo com o Embaixador da Arménia na Rússia. Essa é realmente uma decisão sábia da parte da Arménia, porque há uma chance credível de que a Rússia não interviria em seu apoio, mesmo no cenário descrito anteriormente, a fim de evitar um confronto CSTO-OTAN, desde que o Azerbaijão e/ou a Turquia agissem preventivamente contra a Arménia em seu território para impedir uma agressão.

Outro ponto pertinente é que solicitar remessas de armas russas de emergência faria a Arménia parecer fraca, desesperada e à beira da derrota. Para propósitos de soft power, ele não deve deixar as suas fraquezas objectivas aparentes para o resto do mundo, e é por isso que ele tenta, de forma não convincente, apresentar um verniz de força para encobri-los. Um exemplo disso é o Ministério da Defesa do Azerbaijão alegando que sírios de origem arménia estão lutando no NKO, o que permite que Yerevan “esconda as suas perdas do público”.

A Rússia sabe muito bem que a Arménia é o agressor, como sempre foi. É por isso que não está considerando activar a cláusula de defesa mútua do CSTO. A Rússia, como o resto dos seus homólogos do Conselho de Segurança, considera Nagorno-Karabakh como território azerbaijano ocupado pela Arménia, de acordo com o direito internacional. Não quer ser arrastado para uma guerra em apoio à política expansionista do seu aliado. A Rússia não teria nada a ganhar com isso e tudo a perder, incluindo suas relações estratégicas com o Azerbaijão e possivelmente até mesmo com a Turquia.

A melhor estratégia possível neste momento é a Rússia colocar uma pressão imensa sobre a Arménia para concordar com outro cessar-fogo o mais rápido possível, desde que o lado azerbaijano esteja disposto a concordar com isso também por quaisquer motivos. Lamentavelmente, no entanto, a influência russa sobre a Arménia diminuiu desde a ascensão de Pashinyan ao poder como resultado da chamada “revolução de veludo”, que foi na verdade uma revolução colorida contra o governo legítimo do país. Desde então, a Arménia caiu sob a influência dos EUA.

Falando cinicamente, alguns estrategas americanos podem acreditar (seja por conta própria ou devido à influência do poderoso lobby americano nos EUA) que o seu país tem interesse em encorajar a Arménia a continuar a sua agressão regional, não importa o que seus diplomatas digam oficialmente. Provocar um conflito maior poderia prender a Rússia num atoleiro que pode até levar ao fim de sua parceria estratégica com a Turquia, que proverbialmente “mataria dois de uma cajadada”, na perspectiva dos Estados Unidos.

Por mais atraente que esse esquema possa parecer, ele poderia revelar-se contraproducente para os interesses a longo prazo da América, ao desencadear um caos incontrolável que poderia, em última instância, reduzir a sua influência na região. É impossível prever como tal cenário se desenrolaria na prática, uma vez que ninguém exerceria o controle total sobre os eventos, por isso é melhor para os EUA pressionar a Arménia em paralelo com a Rússia para cessar imediatamente o fogo e retomar as negociações de paz com o Azerbaijão.

O sucesso desta proposta poderia fornecer um terreno comum muito necessário no qual as relações russo-americanas poderiam melhorar potencialmente ao longo das linhas de um “Novo Desanuviamento”. Mesmo assim, no entanto, há a chance de que a Arménia se tenha tornado completamente “desonesta” no sentido de não estar mais sob a influência dominante de nenhum país. O seu chamado “acto de equilíbrio” entre a Rússia e os Estados Unidos pode tê-la colocado numa distância equidistante um do outro, permitindo-lhe jogá-los um contra o outro em busca de sua política expansionista regional.

Talvez seja por essa razão que o presidente turco Erdogan descreveu a Arménia como a “maior ameaça à paz regional”. Por ser geograficamente pequeno e escassamente povoado, o país exerce uma influência desproporcional na medida em que sua capacidade de desencadear uma guerra regional que pode escalar incontrolavelmente ao nível de um confronto CSTO-OTAN. Levando tudo isso em consideração, os interesses estratégicos da Rússia são mais bem atendidos trabalhando em conjunto com os EUA e todas as outras partes interessadas para pressionar a Arménia a cessar fogo, retomar as negociações de paz e se retirar do NKO.◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube

1 Comment

Os comentários estão fechados.