Cálculos geoestratégicos iranianos

Andrew Korybko

Uma nova guerra na fronteira norte do Irão
Os intensos combates entre a Arménia e o Azerbaijão sobre o território azerbaijano universalmente reconhecido do Nagorno-Karabakh e seus arredores, que foram ocupados pelo Exército Arménio por quase três décadas, não mostram sinais de desaceleração, com o conflito ameaçando estender-se perigosamente para território iraniano se não for resolvido em breve. A República Islâmica confirmou anteriormente que as suas forças de defesa aérea abateram um drone estrangeiro que cruzou a sua fronteira enquanto relatos surgiam na quinta-feira de que um helicóptero azerbaijano caiu no país após ser abatido por forças separatistas arménias, embora Baku negue que algo desse tipo tenha acontecido. Em qualquer caso, o Irão tem interesses muito claros neste conflito que se agrava, considerando a sua proximidade com as duas nações beligerantes, tanto a nível de Estado a Estado quanto de pessoas a pessoas, por isso vale a pena examinar quais são seus cálculos geoestratégicos na crise actual.

O principal desafio
Simplificando, o principal interesse do Irão é ver a paz prevalecer o mais rápido possível pelas razões mencionadas anteriormente, e poderia realmente desempenhar um papel directo nessa tarefa, desde que haja vontade política de todos os lados. Na verdade, o Irão tem uma oportunidade extremamente rara de melhorar muito a sua reputação regional, oferecendo-se para sediar negociações de paz entre a Arménia e o Azerbaijão para substituir o processo fracassado de Minsk da OSCE, embora possa enfrentar intensa resistência russa se optar por este curso de acção, a menos que Teerão convença Moscovo de que este é basicamente um remix do processo de paz de Astana para o Cáucaso Sul, no qual os dois países e a Turquia já estão cooperando estreitamente. Ainda assim, Moscovo está preocupada por estar perdendo o controle da crise, apesar de ter uma base militar na Arménia e ser seu parceiro de defesa mútua da CSTO (embora permaneça impressionantemente neutro até agora). Portanto, pode-se sentir que concordar com a possível proposta do Irão apenas aceleraria a perda da sua influência.

Preocupações russas
Como o autor escreveu no seu artigo anterior sobre “Cálculos geoestratégicos russos na crise de Nagorno-Karabakh“, a grande potência da Eurásia tem todos os motivos para cooperar tão intimamente quanto possível com o aliado turco do Azerbaijão a fim de encorajar um novo cessar-fogo e a retomada do negociações de paz o mais rápido possível. No entanto, apesar de várias interacções entre seus ministros dos negócios estrangeiros, nenhum progresso foi feito até agora. Na verdade, pode-se até dizer que a Rússia e a Turquia estão se distanciando mais a cada dia, desde que Moscovo emitiu uma declaração conjunta com os co-presidentes franceses e americanos do Grupo de Minsk da OSCE na quinta-feira, exigindo o fim imediato da violência, descrita pelo presidente Erdogan como inaceitável. O presidente do Azerbaijão, Aliyev, disse no dia anterior que a contra-ofensiva do seu país não vai parar até que a Arménia retire as suas forças militares do Nagorno-Karabakh e das regiões vizinhas sob sua ocupação.

França desqualifica-se de uma só assentada na mesa da paz
A França, por sua vez, assumiu uma posição extremamente partidária no conflito ao apoiar totalmente a Arménia, o que se deve provavelmente à combinação da rivalidade geopolítica de Paris com Ancara em todo o Levante, Mediterrâneo Oriental e Norte da África (Líbano, Chipre, Grécia e Líbia), bem como a influência do poderoso lobby arménio do país. Esta postura deveria, por si só, desqualificar a França de participar de qualquer possível retomada do Processo de Minsk da OSCE, o que, por sua vez, neutralizaria esse formato. Uma vez que a Turquia é um jogador muito mais activo em eventos considerando o seu total apoio ao Azerbaijão (o que poderia ter consequências significativas no terreno se Baku solicitar a assistência militar de Ancara como tem o direito legal de fazer), segue-se naturalmente que – não a França – merece um papel em qualquer processo de paz especulativo que possa substituir o processo fracassado de Minsk da OSCE.

Diferenças russo-turcas
Ainda assim, como foi observado anteriormente, a Rússia e a Turquia estão distanciando-se a cada dia que passa. A sua crescente disputa sobre a suposta presença de mercenários estrangeiros no conflito, sejam eles islâmicos da Síria e da Líbia aliados de Ancara (e, portanto, por extensão, de Baku) ou membros da diáspora arménia étnica aliada às forças separatistas do Nagorno-Karabakh, ameaça levar outra clivagem entre Moscovo e Ancara, embora Baku e Yerevan neguem os relatórios. Para resumir as suas diferenças até o momento, a Rússia juntou-se aos co-presidentes do Grupo de Minsk da OSCE para pedir o fim imediato da violência e do medo de que a Turquia recrute mercenários islâmicos em nome do Azerbaijão, enquanto Ancara é contra os apelos de paz da OSCE e apoia totalmente a continuação do contra-ofensiva de Baku, acusando Yerevan de recrutar mercenários arménios do Médio Oriente.

Ambições ambíguas da América
O papel americano é menos claro, embora o autor especule que poderia ter encorajado a Arménia a provocar a última rodada de hostilidades a fim de avançar os seus objectivos comuns de forçar a Rússia a escolher um lado (prejudicando assim o seu delicado acto de “equilíbrio” entre Yerevan e Baku ) e, possivelmente, afastando-o da Turquia. Da forma que está, a Rússia está tão neutra no momento que a Arménia parece um pouco agravada por esse facto, apesar de não dizer isso abertamente, embora as diferenças de Moscovo com Ancara estejam aumentando a cada dia, à medida que o conflito ganha vida própria (alimentado por relatórios não verificados sobre mercenários e talvez em breve outros tópicos também). Washington está perto de ambos os estados beligerantes do Sul do Cáucaso, embora nem de longe no mesmo nível que Moscovo está com Yerevan ou Ancara com Baku. Embora a Rússia possa ter esperança de reviver os seus sonhos de um “Novo Desanuviamento” com os EUA pelo meio de esforços conjuntos de paz no Nagorno-Karabakh, Washington simplesmente não é confiável.

Razões para substituir o processo Minsk da OSCE
Contra este cenário complexo, a possibilidade de um processo de paz de que substitua o processo de Minsk da OSCE começa a parecer mais atraente, embora, é claro, apenas no caso de Baku decidir por qualquer motivo interromper a sua contra-ofensiva e ambos os lados em conflito concordarem em retomar as negociações de paz. A França está desacreditada como um apoiante hiper-partidário da causa arménia, a América não é confiável por razões óbvias e a Turquia ameaça se tornar um jogador activo no conflito, caso o Azerbaijão o solicite ao activar os seus direitos legais como um estado soberano na linha com o Artigo 51 da Carta das Nações Unidas sobre legítima defesa (que permite esforços colectivos neste sentido). Embora Minsk possa hospedar uma nova estrutura para tais negociações que substitua a França pela Turquia por razões pragmáticas, a sua agitação política pode tornar isso difícil. A capital do Cazaquistão, Nur-Sultan, é outro local atraente devido à sua experiência no processo de paz na Síria, mas o Irão pode ser a melhor opção.

Interesses iranianos
Ao contrário da Bielorrússia ou do Cazaquistão, o Irão tem um interesse urgente em fazer o possível para garantir a paz entre os seus dois vizinhos, com os quais mantém excelentes relações. Não está do lado do Azerbaijão como a Turquia, nem tem qualquer compromisso de defesa mútua com uma das partes, como a Rússia faz em relação à Arménia. A guerra já está atingindo as suas fronteiras e pode criar uma crise ainda maior se não for contida o mais rápido possível. Além disso, o Irão tem um interesse óbvio em se apresentar como um pacificador regional para neutralizar as afirmações ridículas dos seus inimigos de que é supostamente um desestabilizador bélico regional. Um avanço diplomático resultando no Irão hospedar uma substituição para o Processo de Minsk da OSCE (talvez descrito como o Processo de Tabriz ou Processo de Teerão, dependendo da cidade em que for) iria percorrer um longo caminho para mostrar ao mundo que é realmente uma força de paz, mesmo se apenas sugerir tanto e não tiver sucesso com isso.◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol