Tony Blair: “A Ucrânia mostra o domínio ocidental a chegar ao fim com a ascensão da China”

Alfredo Jalife-Rahme

Analista geopolítico, autor e docente


O antigo primeiro-ministro britânico Tony Blair, viciado no governo global liderado pela “Global Britain (GB) (bit.ly/3cr0YUK)”, proferiu uma palestra derrotista – Depois da Ucrânia, que lições para a liderança ocidental agora? – na Fundação Ditchley que apoia a aliança infalível da UE e da Europa (bit.ly/3aMrMPa).

O altamente controverso Blair, um triunfalista habitual, emitiu o seu canto do cisne enquanto o G-7 está em plena ingovernabilidade, principalmente na Anglosfera: defenestração do globalista Boris Johnson; queda livre de Biden e Kamala Harris (bit.ly/3PmLvDQ); impasse do presidente francês Macron, apanhado entre a chamada extrema-esquerda e a extrema-direita; demissão do primeiro-ministro monetarista italiano Mario Draghi; assassinato do muito influente antigo primeiro-ministro japonês Shinzo Abe; grave crise energética da coligação acrobática da Alemanha, à beira da recessão…

De acordo com a geralmente propagandística Reuters (reut.rs/3zjHJp6), Blair afirmou que a guerra da Ucrânia mostra que o domínio ocidental está a terminar à medida que a China se eleva ao estatuto de superpotência em parceria com a Rússia como um dos pontos de viragem mais significativos em séculos (sic). A confissão derrotista de Blair, parceiro de Baby Bush em múltiplas guerras, foi flagrantemente escamoteada pelos multimedia do Ocidente (whatever that means), aplicada mais à sua guerra de propaganda e censura niilista.

Blair disse que o mundo estava num ponto de viragem histórico comparável ao fim da Segunda Guerra Mundial ou ao colapso da URSS: mas nesta altura o Ocidente não está claramente (sic) em plena expansão. O muito loquaz globalista neoliberal Blair não ousou emitir o verdadeiro diagnóstico terminal: “O fim do século americano (bit.ly/3PHLwCj)” e a derrota adiada da Grã-Bretanha desde a Primeira Guerra Mundial, quanto mais a Segunda, quando os EUA vieram em seu socorro para implementar a chamada relação especial. Blair previu que o mundo será pelo menos bipolar (sic) e possivelmente multipolar (sic). É óbvio que Blair, agora doente, anseia por uma bipolaridade traiçoeira das duas superpotências, os EUA e a China, enquanto, devido à sua russofobia congénita, se esquiva a Moscovo. Blair supõe que “a maior mudança geopolítica deste século virá da China, não da Rússia”.

Blair engana-se, a meu ver, no verdadeiro esquema do século XXI: uma bipolaridade geoestratégica regional (sic), o bloco UE/NATO/União Europeia, em declínio, versus a parceria estratégica da Rússia e da China, em ascensão, e uma multipolaridade de vários países que se ajustará em conformidade com a Realpolitik do século XXI: Índia, Irão, Turquia, Paquistão, Arábia Saudita, Brasil, Argentina, e assim por diante. Blair destila toda a sua amargura globalista: a guerra na Ucrânia esclareceu que o Ocidente não pode contar com a China para se comportar da forma que nós consideraríamos racional. Em vez de perorar a racionalidade, Blair deveria ter formulado melhor: os seus interesses, como o seu predecessor Visconde Henry John Temple Palmerston (1784-1865) o condenou a fazer. Em meio da sua confusão mental, reflectindo a decadência globalista da Anglosfera, Blair emite alguns fractais de lucidez quando reconhece que o lugar da China como superpotência é natural e justificado, quando a sua economia ultrapassará os EUA, enquanto lidera algumas tecnologias do século XXI, tais como inteligência artificial, medicina regenerativa e semicondutores. Ele prevê os seus prováveis aliados como a Rússia e o Irão (mega sic!). Finalmente, afirmou que o Ocidente não deve abdicar da superioridade militar da China, pelo que terá de aumentar as despesas militares e manter a sua superioridade militar.

Aqui Blair está novamente errado quando é a superioridade militar da Rússia – com a sua panóplia de mísseis hipersónicos equipados com bombas nucleares (bit.ly/2CbHXjy) – que fornece o guarda-chuva indispensável para a ascensão geoeconómica global da China.

Imagem de capa por Center for American Progress sob licença CC BY-ND 2.0


Peça traduzida do espanhol para GeoPol desde La Jornada


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Alfredo Jalife-Rahme
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply