Soros e o regime de Kiev… Jantando com o Diabo

Finian Cunningham

Finian Cunningham

Jornalista, escritor e antigo editor de política internacional


Um bilionário nascido judeu que financia um regime nazi na Ucrânia para fazer a sua licitação não está para além de um cálculo cínico. É disso que se trata o capitalismo


O regime de Kiev apoiado pela NATO está a promulgar novas leis draconianas que irão banir toda a liberdade de expressão dissidente. Quaisquer opiniões não alinhadas com o regime devem ser consideradas traição e ilegais, mesmo sujeitas a perseguição e repressão violenta.

Os novos poderes legais consagram uma campanha viciosa contra os meios de comunicação independentes na Ucrânia, que tem estado em fúria durante os últimos quatro anos sob o presidente Volodymyr Zelensky. Os partidos políticos da oposição e as organizações noticiosas foram encerrados, e os jornalistas dissidentes foram alvo de violência ou forçados ao exílio. A tendência tóxica contra a liberdade de expressão pode ser rastreada até ao golpe de Estado de Maidan patrocinado pela CIA que derrubou o governo eleito na Ucrânia em fevereiro de 2014.

Esse golpe trouxe ao poder um regime de extrema-direita em Kiev que se glorifica a colaboração passada com a Alemanha nazi. Mais de um milhão de judeus foram exterminados por fascistas ucranianos em nome do Terceiro Reich.

As contradições do regime de Kiev são de facto um gira-cabeças. O presidente em exercício, Zelensky, é alegadamente de origem judaica. No entanto, o seu regime é apoiado por paramilitares nazis, como os batalhões Azov e Aidar, que formam a espinha dorsal das forças armadas ucranianas. O patrono financeiro de Zelensky é o oligarca ucraniano Ihor Kolomoisky, que também é judeu, no entanto, Kolomoisky banca os paramilitares neonazis.

Os governos ocidentais que afirmam ser guardiães da “democracia” e da “liberdade” têm bombeado milhares de milhões de dólares de armamento para o regime fascista de Kiev chefiado por um presidente judeu. Os governos ocidentais e os meios de comunicação social tentam resolver essa contradição, afirmando que o regime de Zelensky é uma “democracia” e encobrindo os factos da sua conduta nazi. O armamento da Ucrânia desde 2014 pelos Estados Unidos e outros membros da NATO está a empurrar imprudentemente uma guerra mundial com a Rússia. As chamadas democracias ocidentais estão alinhadas com o fascismo numa guerra incipiente contra a Rússia, que poderia terminar numa catástrofe nuclear. Para aqueles que prestam atenção histórica às verdadeiras causas e geopolíticas da Segunda Guerra Mundial – a interacção entre as potências ocidentais e a Alemanha nazi – e a subsequente Guerra Fria, o presente confronto pode não ser uma surpresa.

As relações de uma figura pública ocidental com a Ucrânia são particularmente impressionantes na sua incongruência. George Soros, o bilionário filantropo americano, foi um dos primeiros apoiantes da mudança política na Ucrânia após a sua independência da União Soviética em 1991.

Através da sua Open Society Foundation, Soros canalizou milhões de dólares para promover a aquisição da “revolução” de Maidan em Kiev. Soros trabalhou em conjunto com o governo dos EUA e as suas agências de mudança de regime da CIA, tais como a National Endowment for Democracy e a USAID, para criar “grupos da sociedade civil” e uma ladainha de organizações de meios de comunicação social que impulsionaram os pontos de vista anti-Rússia.

A Open Society Foundation de Soros, até hoje, proclama “estar de pé com a Ucrânia” e acusa a Rússia de “agressão à democracia”. A OSF tem um objectivo de angariação de fundos de 45 milhões de dólares que diz que serão utilizados para “proteger a sociedade civil ucraniana”.

A realidade por detrás da retórica virtuosa de Soros é que o regime de Kiev é dominado por forças nazis que têm a intenção de esmagar qualquer dissidência e liberdade de expressão, como demonstram as novas leis repressivas dos meios de comunicação social.

Mesmo as organizações não governamentais ocidentais financiadas por Soros, como os Repórteres Sem Fronteiras e o Comité para a Protecção dos Jornalistas baseado nos EUA, condenaram o chocante ataque à liberdade de expressão do regime de Zelensky.

Esta não é apenas uma infeliz questão de manter más companhias. Soros e o Departamento de Estado dos EUA, juntamente com o então vice-presidente Joe Biden, foram fundamentais para levar o regime de Kiev ao poder em 2014. Foram instrumentais na sua construção como uma raivosa ponta de lança anti-Rússia que repudiou os acordos de Paz de Minsk de 2014-2015 e fomentou a actual guerra com a Rússia.

Soros, que durante muitos anos expressou publicamente uma profunda antipatia pessoal para com o presidente russo Vladimir Putin, parece ter usado habilmente a Ucrânia como um pátio de recreio geopolítico para promover os seus interesses pessoais e comerciais. O capitalista bilionário tem os olhos postos na privatização das indústrias ucranianas de energia e agricultura. Claro que os interesses imperialistas de Washington e da NATO se articulam perfeitamente com a aparente filantropia.

Soros há muito que é acusado de promover “revoluções coloridas” em nome de Washington para desestabilizar os adversários geopolíticos, em particular a Rússia e a China.

O caso da Ucrânia é especialmente persuasivo. O envolvimento precoce de Soros na promoção do violento golpe de Kiev levou directamente à criação de um regime extremista e reaccionário que serviu devidamente os interesses imperialistas de Washington contra a Rússia, ao mesmo tempo que causou miséria à maioria dos ucranianos. A cabala governante de Kiev está repleta de corrupção, anarquia fascista e asfixia uma sociedade cívica descarnada sob um presidente judeu autocrático amado por Hollywood e pelos serviços secretos do estado ocidental.

As grandiosas pretensões de Soros de apoiar o “jornalismo independente” e a “sociedade civil” são comprovadamente falsidades de patente contra a actual repressão na Ucrânia contra a liberdade de expressão.

Isto leva-nos à derradeira, talvez a mais perturbadora contradição: George Soros (92), nascido em 1930 numa família judaica, cresceu na Hungria durante a ocupação nazi, na adolescência, tentando evitar ser enviado para uma câmara de gás. Ele admitiu ter ocultado a sua identidade judaica como cristão. Há uma implicação da sua colaboração enquanto adolescente com o regime nazi em Budapeste, denunciando bens judaicos para confiscação. Ele nega ter participado em qualquer delito e diz ter sido apenas um jovem infeliz que acompanhava um agente imobiliário pró-nazi.

É certo que alguns entre a direita anti-semita americana procuraram fazer de Soros um “globalista nazi” de uma forma que é ridícula.

Anos após a guerra, Soros imigrou para o Ocidente e mais tarde fez a sua vasta riqueza como um capitalista abutre apostando contra os perdedores. É conhecido como o “homem que quebrou a libra britânica” e teve um lucro de mil milhões de dólares num único dia durante um colapso do mercado em 1992.

Digamos que George Soros tem um sentido preternaturalmente apurado de oportunismo predatório. Um bilionário judeu que financia um regime nazi na Ucrânia para fazer a sua licitação não está para além de um cálculo cínico. É disso que se trata o capitalismo.

Imagem de capa por World Bank Photo Collection sob licença CC BY-NC-ND 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde Strategic Culture


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Finian Cunningham
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply