Sinais esperançosos de mudanças ocorrem no equilíbrio mundial de poderes

Por James ONeill

Seria ingénuo esperar quaisquer mudanças substanciais na conduta ou nas atitudes dos Estados Unidos, embora haja sinais crescentes de que são arrendamentos e menos capazes de impor a sua opinião à maioria das nações do mundo


A recente visita a Taiwan da política norte-americana Nancy Pelosi foi uma das acções mais mal julgadas e provocativas por parte de um político norte-americano durante algum tempo considerável. O facto do presidente dos Estados Unidos Joe Biden ter recusado a oportunidade de proibir a visita também fala muito da atitude dos EUA em relação a Taiwan e, mais particularmente, das sensibilidades chinesas em relação a esta questão.

Vale a pena recordar aqui a história relevante. Quando os nacionalistas foram expulsos do continente chinês pela vitória do Partido Comunista em 1949, não abdicaram do seu lugar no Conselho de Segurança das Nações Unidas. Isso continuou até 1972, quando as Nações Unidas finalmente votaram para dar o lugar da China no Conselho de Segurança à República Popular da China e expulsar os taiwaneses da sua pretensão de representar a “China”.

É importante notar que os taiwaneses não se consideravam a si próprios como um país independente e separado, mas estavam felizes por manter a ficção de que representavam a “China”. Desde então, a expulsão do governo de Taiwan das Nações Unidas, os Estados Unidos têm mantido uma atitude ambivalente em relação ao verdadeiro estatuto de Taiwan. Por um lado, mantêm a posição oficial de que existe uma única China. Por outro lado, tratam Taiwan como um país separado, mantendo a representação diplomática na ilha, embora com um título diferente.

O presidente dos Estados Unidos Joe Biden fez recentemente comentários sugestivos do facto de que no caso de a RPC atacar Taiwan como parte da política de reunificação, então a ilha seria defendida pelos Estados Unidos. Foi um comentário que causou alguma consternação nos círculos oficiais dos Estados Unidos que durante muito tempo procuraram manter uma ambivalência estratégica em relação à actual posição dos Estados Unidos.

Essa pretensão já não pode ser mantida. A visita a Taiwan por Nancy Pelosi, a oradora da Câmara, teve uma série de consequências. Primeiro, removeu grande parte da ambiguidade dos Estados Unidos em relação ao estatuto de Taiwan, ou seja, a atitude dos Estados Unidos em relação à China. A pretensão de um país, dois sistemas, já não pode ser mantida de forma realista.

A reacção do governo chinês foi inteiramente previsível, embora isso não tenha impedido que grandes sectores dos meios de comunicação social dos Estados Unidos se vissem hiperventilados acerca da possível reacção chinesa à visita. Isto incluiu declarações alarmistas sobre o avião de Pelosi ser abatido ou forçado a aterrar na China, fazendo dela um refém da ira chinesa.

A reacção exagerada dos meios de comunicação social dos Estados Unidos à visita foi típica de grande parte da sua atitude em relação à China reflectida quase diariamente nos seus principais meios de comunicação social. Essa atitude é uma mistura de ignorância e hostilidade. A ignorância sobre a motivação e as acções chinesas numa vasta gama de áreas é abundante. Isto é frequentemente mais evidente no tratamento do domínio económico da China na economia mundial.

Os meios de comunicação social dos Estados Unidos persistem em referir-se à China como a segunda maior economia do mundo, embora a verdade seja que a China passou os Estados Unidos em termos de poder económico real há alguns anos atrás e tem vindo a aumentar constantemente essa vantagem desde então.

A outra área onde a afluência económica da China é mais obviamente dominante está na sua liderança numa série de grandes desenvolvimentos económicos. Estes incluem a Iniciativa Belt and Road (BRI) que conta actualmente com a participação de mais de 145 países. Não há nada remotamente comparável na aliança ocidental de países que representam agora uma proporção decrescente da economia mundial.

Outro agrupamento que está a crescer em dimensão e influência é o agrupamento BRICS, originalmente constituído pelos cinco países que compõem a sigla do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, mas que demonstrou recentemente um aumento acentuado no número de países que expressam o desejo de se tornarem parte do acordo BRICS+ mais amplo. Estes incluem países da América do Sul, da África e do Médio Oriente.

Dois destes países são a Arábia Saudita e o Irão, que estão a mostrar uma relação cada vez mais calorosa. Uma das principais motivações da recente visita do presidente dos Estados Unidos Biden à Arábia Saudita foi persuadir os sauditas de qualquer associação com o Irão, que continua a ser o principal adversário dos Estados Unidos no Médio Oriente. Que a visita de Biden foi um fracasso espectacular, mal se registou nos meios de comunicação ocidentais. A crescente relação entre os sauditas e os iranianos é, no entanto, um dos desenvolvimentos geopolíticos mais significativos durante várias décadas.

O outro país de grande interesse que deseja aderir ao grupo BRICS é a Turquia. A candidatura da Turquia à adesão ao BRICS+ marca um marco importante no desencanto crescente desse país com a organização da NATO da qual continua a ser um membro nominal. A Turquia está também a mostrar sinais de desencanto com outras iniciativas ocidentais.

Isto é mais notável na opinião da Turquia sobre a Rússia com a qual está a forjar laços cada vez mais estreitos. Putin esteve recentemente em Istambul e é evidente que ele e Erdogan estão a encontrar muitas causas em comum. Isto não quer dizer que ainda existam alguns pontos difíceis na relação. O primeiro entre estes deve ser o envolvimento da Turquia na Síria, onde as tropas turcas estão a combater abertamente os rebeldes curdos. O facto de os curdos serem apoiados pelos americanos em nada contribui para melhorar as relações entre os Estados Unidos e os curdos.

A outra grande fonte de potencial conflito é a presença contínua das tropas dos Estados Unidos na Síria. Esta presença é completamente ignorada pelos meios de comunicação social ocidentais que continuam a demonstrar uma notável capacidade de raiva selectiva. É pior do que apenas a ocupação contínua de territórios sírios pelos americanos. Eles estão a roubar activamente as reservas petrolíferas da Síria e não demonstraram absolutamente nenhum interesse em compensar os sírios por este contínuo roubo de recursos sírios.

Os americanos mostram um grau de impermeabilidade semelhante ao dos protestos iraquianos sobre a sua presença contínua em solo iraquiano. Essa invasão é conhecida há mais de 20 anos. Os americanos simplesmente ignoraram uma exigência iraquiana de que eles deveriam partir. É preciso salientar que os australianos também continuam a ocupar o território iraquiano e, seguindo novamente a sua deixa dos americanos, recusaram-se igualmente a desocupar o território iraquiano apesar das exigências iraquianas de que o fizessem.

Basta contrastar a atitude dos Estados Unidos, e a dos seus aliados ocidentais, em relação à ocupação russa do território ucraniano (que tem uma base muito mais legítima) com a atitude desses mesmos aliados em relação à ocupação dos Estados Unidos do Iraque e da Síria para tirar a conclusão óbvia. Quando algo é feito pelas suas forças, de alguma forma está tudo bem. Quando é feito por um dos seus opositores políticos, nunca poderá haver qualquer justificação. A hipocrisia é de cortar a respiração.

Há muitos exemplos deste tipo. Os Estados Unidos continuam a ocupar a área da Baía de Guantanamo em Cuba, para a qual reclamam alguma justificação obscura. No entanto, ao mesmo tempo, o país de Cuba está sujeito às contínuas sanções dos Estados Unidos, que já estão em vigor há mais de 60 anos. Mais uma vez, a hipocrisia é de cortar a respiração.

Seria ingénuo esperar quaisquer mudanças substanciais na conduta ou nas atitudes dos Estados Unidos, embora haja sinais crescentes de que são arrendamentos e menos capazes de impor a sua opinião à maioria das nações do mundo. É uma tendência recorrente e espera-se sinceramente que o mundo esteja finalmente a começar a ver o fim do domínio dos Estados Unidos.


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

James ONeill
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply