Para onde terá a Europa de deslocar a sua produção industrial?

Como resultado, a vigorosa proclamação de amizade dos Estados Unidos com a Europa não sobreviverá ao frio do Inverno

Por Vladimir Odintsov


A vulnerabilidade do mundo, especialmente da Europa, à importação de combustíveis fósseis do estrangeiro já era demonstrada pela crise petrolífera dos anos 70. A Europa começou a lidar gradualmente com ela apenas uma década mais tarde. De certa forma, o passo vencedor nessa altura foi a construção activa de centrais nucleares a fim de produzir eles próprios energia de alta tecnologia.

Dados os efeitos desastrosos da crise energética dos anos 70 sobre as economias europeias dependentes da importação de energia, não é surpreendente que os Estados Unidos tenham escolhido esta mesma direcção para romper a sua principal política externa e seu rival económico, a Europa. E ninguém duvida tanto disto como da natureza humana da actual crise económica que grassa na Europa, especialmente ninguém na Europa. Como resultado, a cruzada fanática contra Moscovo por parte dos burocratas da UE, estreitamente aliada aos EUA e dirigida a partir de Washington, está a resultar no empobrecimento colectivo, suicídio económico e degradação da Europa.

No entanto, como resultado das provocações e restrições energéticas de inspiração de Washington sobre o fornecimento de energia russa ao mercado europeu, a América poderia também enfrentar uma crise própria do gás, noticiou o Wall Street Journal. Os níveis de stocks são agora mais baixos do que o habitual e o Inverno poderia assistir a picos de preços. Como resultado, a vigorosa proclamação de amizade dos Estados Unidos com a Europa não sobreviverá ao frio do Inverno.

Descrevendo a actual miséria na Europa, o eurodeputado belga Tom Vandendriessche assinala que a factura energética média anual para as famílias flamengas é agora de 9.000 euros, a inflação recorde está a destruir a poupança e o poder de compra da população. A factura média anual de aquecimento e electricidade excede agora os salários mensais dos trabalhadores com salários baixos na maioria dos países da UE, tal como relatado pela Confederação Europeia de Sindicatos. Contudo, isto é apenas a ponta do iceberg, uma vez que as consequências da crise energética são muito mais graves. A produção está a parar em todo o lado, o desemprego está a aumentar, a indústria está a deixar a Europa e provavelmente nunca mais voltará.

A indústria siderúrgica europeia, a espinha dorsal da produção industrial para a maioria das mercadorias, tem sido ameaçada pela crise energética. Os preços elevados da energia tornaram a indústria particularmente cara e não competitiva, e as fábricas anunciaram paragens totais ou parciais. As flutuações acentuadas dos preços da energia e os problemas persistentes nas cadeias de abastecimento ameaçam inaugurar uma era de desindustrialização europeia. Face aos preços exorbitantes do gás natural, outras indústrias dependentes da energia na Europa, que servem como principal actividade económica, tais como as indústrias química, automóvel, cimenteira e muitas outras, estão a enfrentar problemas semelhantes. Nesta situação muito difícil e até agora desesperada, os industriais europeus estão a explorar activamente opções para deslocalizar a sua produção para outros locais. E, a este respeito, são atraídos principalmente por países sem dependência de importações de energia, preços de energia mais estáveis e forte apoio governamental.

A fim de atrair as indústrias europeias e assim continuar a exaurir a União Europeia (que era o objectivo de Washington quando iniciou a crise energética na Europa), foram os Estados Unidos que recentemente se tornaram cada vez mais activos em atrair as indústrias europeias para o seu território. Afinal, isto não só promete aumentar as receitas fiscais no sistema orçamental dos EUA, em plena crises e com um défice multibilionário, mas também criar milhares de novos empregos nos Estados Unidos, e assim resolver tensões sociais internas.

E agora, segundo o Wall Street Journal, Ahmed El-Hoshy, chefe executivo da empresa química OCI NV, com sede em Amesterdão, já anunciou em setembro a “expansão da fábrica” para produzir amoníaco no Texas. A empresa dinamarquesa de joalharia Pandora e o fabricante de automóveis alemão Volkswagen também anunciaram “expansões” nos Estados Unidos, enquanto Tesla está a pausar os seus planos para produzir baterias na Alemanha e expandi-las nos próprios EUA, utilizando a Lei de Redução da Inflação assinada pelo presidente Biden em agosto. Muitos outros industriais europeus de vários países da UE têm intenções semelhantes.

Analistas e investidores argumentam que a Europa continua a ser uma parceira bem-vinda às tecnologias avançadas de fabrico e pode contar com uma mão-de-obra qualificada. Portanto, não são só os EUA que estão interessados em deslocalizar a produção europeia para o seu território. Em particular, já há interesse dos países ricos em energia do Médio Oriente, bem como da Ásia, África e América Latina, que ainda têm mão-de-obra barata.

Os estados do sul da CEI, especialmente os da Transcaucásia e da Ásia Central, contam também com esta “deslocalização” da produção europeia, que iniciou nas últimas semanas o seu desejo de “afastar-se” da Rússia, a fim de evitar sanções europeias e tornar-se mais atractivo para a “redistribuição” económica da produção da UE para o mundo exterior.

Com os próprios EUA a admitir que os produtores de xisto americanos não serão capazes de salvar a Europa nos próximos anos e que os EUA enfrentarão o mesmo pesadelo energético que a Europa, o colapso económico e energético da UE será claramente prolongado e o problema da desindustrialização europeia está a tornar-se mais pronunciado, de acordo com as estimativas da Bloomberg.

A Grã-Bretanha, que tinha aprendido antecipadamente sobre os planos secretos dos EUA para desmantelar a União Europeia, já tinha abandonado a UE. Vários países da comunidade europeia estão também a pensar em seguir o exemplo para se protegerem dos ditames de funcionários europeus abertamente pró-americanos como Ursula von der Leyen, Josep Borrell, Charles Michel, que só se preocupam com os seus ganhos pessoais e a hegemonia dos EUA, negligenciando os interesses da própria Europa. Ao mesmo tempo, na iminente desindustrialização da Europa e na transferência de muitas indústrias para fora da UE, muitos funcionários europeus e a actual elite política europeia vêem claramente por si próprios uma forma de preservar a sua própria posição de elite. A retribuição inevitável pelas suas actividades anti-europeias flagrantes por parte do crescente ressentimento das massas poderia diminuir em resultado disso. Em particular, através de um êxodo forçado das actuais forças anti-governamentais para outros países, na sequência da “transferência” da capacidade industrial europeia. Daí a continuação e o agravamento, por parte destes funcionários europeus pró-americanos, de uma política de sanções anti-russas, que só agravam a situação na própria Europa. E isto apesar do facto de, segundo numerosos analistas, peritos e mesmo eurodeputados, ser no reforço da cooperação com a Rússia, em vez de seguir os planos provocadores e destrutivos de Washington, que a Europa é agora mais susceptível de emergir da crise económica e energética que a envolveu.

Imagem de capa por Ricardo Nuno


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Vladimir Odintsov
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply