Quão sincera é Londres no seu desejo de normalizar as relações com Pequim?

Por Vladimir Platov

Apenas sete anos se passaram desde que Londres reivindicou a "era dourada" nas relações bilaterais com a RPC, mas hoje é difícil encontrar na Europa um país com uma relação mais hostil e complicada com a China do que a Grã-Bretanha


No dia 29 de setembro, numa entrevista ao Channel News Asia, o ministro britânico dos Negócios Estrangeiros James Cleverly, que foi nomeado pelo novo primeiro-ministro Liz Truss, disse, com a típica duplicidade britânica, que o reino pretende, alegadamente, normalizar as relações com a RPC. Cleverly, contudo, salientou que Pequim deveria desempenhar um papel importante neste processo, especificando que a relação da China com Londres dependerá do cumprimento por parte de Pequim das regras globais, tais como as adoptadas pela ONU e pela OMC. Perguntado por jornalistas se partilhava da opinião da primeira-ministra, J. Cleverly, contudo, salientou que Pequim deveria desempenhar um papel importante neste processo, especificando que a relação da China com Londres dependerá do cumprimento por parte de Pequim das regras globais, tais como as adoptadas pela ONU e pela OMC.

No entanto, a aparente falta de sinceridade nas palavras de um político britânico de alto nível e a atitude anti-Pequim da actual elite política do reino são confirmadas por muitos políticos, incluindo acções recentes de Londres que procuram seguir subservientemente o fluxo da estratégia anti-China da Casa Branca. Por exemplo, na cerimónia de despedida da Rainha Isabel II, as autoridades do reino quiseram proibir a delegação chinesa no Westminster Hall, enquanto emitiam um convite especial ao embaixador de facto em Londres de Taiwan, com o qual a Grã-Bretanha nem sequer tem relações diplomáticas, para assinar um livro de condolências.

Anteriormente, os deputados britânicos decidiram eliminar gradualmente os Institutos Confúcio geridos por Pequim, substituindo os professores chineses da China continental por professores de Taiwan. Existem actualmente 30 filiais do Instituto Confúcio na Grã-Bretanha, que é uma rede de centros culturais e educacionais criada pelo governo da RPC para promover a língua e cultura chinesas no estrangeiro. Vale a pena recordar que a actual primeira-ministra do país, Liz Truss, falou muito destes centros em 2014 na qualidade de secretária da Educação, salientando que eles "iriam criar uma forte infra-estrutura para o mandarim". No entanto, no contexto da deterioração das relações entre os EUA e a RPC, os centros de língua chinesa têm sido cada vez mais criticados não só nos EUA mas também na Grã-Bretanha, por vezes acusados de tentarem espiar, por vezes de espalharem a influência política chinesa.

A 17 de agosto, Liz Truss, enquanto ainda secretária britânica dos Negócios Estrangeiros, disse que devido à política externa alegadamente de linha dura de Pequim, os países do G7 precisam de reduzir as exportações de tecnologia para a RPC. "O país tem um regime autoritário, o que levanta profundas preocupações de segurança para a Grã-Bretanha e para o resto do mundo", disse Liz Truss na altura.

A 29 de Setembro, a secretária britânica para o Comércio Internacional Kemi Badenoch realizou uma consulta online com a representante comercial dos EUA, Catherine Tai, para desenvolver uma acção conjunta anti-China, durante a qual confirmaram a sua vontade de trabalhar em conjunto para contrariar as práticas económicas alegadamente não baseadas no mercado de Pequim.

Registando a actual relação muito fria entre Londres e Pequim, é pertinente recordar que em 2015 o primeiro-ministro britânico David Cameron acolheu o líder chinês Xi Jinping com negócios no valor de dezenas de milhares de milhões de libras e declarou então "o início da era dourada" nas relações bilaterais. No entanto, as relações entre a Grã-Bretanha e a China cedo começaram a deteriorar-se por iniciativa de Londres. Em fevereiro de 2021, Londres iniciou um escândalo mediático entre os países ao revogar a licença de difusão do canal chinês CGTN, no meio da expulsão de jornalistas chineses acusados de espionagem. Vale também a pena acrescentar que, durante 2020, os britânicos expulsaram três alegados espiões chineses que trabalhavam sob o disfarce de jornalistas para várias publicações. Ao mesmo tempo, os britânicos declararam-se dispostos a ir mais longe e a avançar para uma política de contenção agressiva da RPC.

Apenas sete anos se passaram desde que Londres reivindicou a "era dourada" nas relações bilaterais com a RPC, mas hoje é difícil encontrar na Europa um país com uma relação mais hostil e complicada com a China do que a Grã-Bretanha. E é Londres e o Partido Conservador no poder, que proclamou a "era dourada" em 2015, os culpados claros desta situação e os atacantes.

Nos últimos anos, a deterioração das relações entre os dois países também teve como pano de fundo o actual confronto entre a Grã-Bretanha e a China em áreas extremamente sensíveis para a China, tais como os direitos humanos e a soberania. A Grã-Bretanha tem estado activamente envolvida na chamada "questão de Xinjiang", demonstrando o seu zelo em "proteger os direitos" dos alegadamente oprimidos uigures. "É verdadeiramente horrível - a barbárie que esperávamos que se tivesse perdido para outra era que hoje se pratica, enquanto falamos num dos principais membros da comunidade internacional", disse Dominic Raab, o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, em janeiro de 2021. Além disso, os britânicos não se limitam à condenação verbal, mas impõem também sanções e controlam demonstrativamente as empresas que operam na China (que têm um volume de negócios superior a 36 milhões de libras ou 49 milhões de dólares) para garantir que não produzem bens com o "trabalho escravo" dos uigures. "Devemos assegurar que as empresas britânicas não façam parte das cadeias de abastecimento que conduzem aos portões dos campos de internamento em Xinjiang, e assegurar que os produtos das violações dos direitos humanos que ocorrem nesses campos não acabem nas prateleiras dos supermercados que aqui compramos em casa", explicou Raab anteriormente.

Londres também não esqueceu a questão de Hong Kong, criticando periodicamente Pequim por alegada repressão dos residentes do antigo território britânico.

Além disso, vários representantes do Partido Conservador estão a tentar rever a relação da Grã-Bretanha com os comunistas chineses numa direcção ainda mais dura e, em particular, a fazer aprovar uma lei que exigiria que as mais altas autoridades judiciais britânicas determinassem se esse Estado está a cometer genocídio antes de poder entrar num acordo comercial com outro Estado.

Nestas circunstâncias, mesmo na Grã-Bretanha de hoje, não há dúvida de que o número de conflitos nas relações entre a Grã-Bretanha e a China irá aumentar de forma constante. E contra este pano de fundo, a declaração do novo Ministro dos Negócios Estrangeiros britânico James Cleverly sobre a alegada intenção do reino de "normalizar as relações com a RPC" é francamente frívola e demagógica. Isso, em princípio, há muito que é uma característica de Londres.

Imagem de capa por Defence Imagery sob licença CC BY-NC-ND 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Vladimir Platov
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply