Laços Rússia-China desafiam as previsões ocidentais para um mundo alternativo

Salman Rafi Sheikh

Doutorando na SOAS University of London


Uma grande manifestação da aliança Rússia-China que ganhou um carácter permanente veio através da conversa telefónica entre Putin e Xi a 15 de junho


Durante anos, o Ocidente tem feito todos os esforços para prever a queda dos laços Rússia-China. O frenesim atingiu o seu clímax quando a Rússia iniciou a sua operação militar na Ucrânia, em finais de fevereiro de 2022. Muitos no Ocidente – tanto políticos como meios de comunicação social – viram esta guerra como o início do fim dos laços sino-russos. Um relatório do New York Times dizia que a China tem um “problema com a Rússia”. O relatório sublinhava que a China e a Rússia “competem por influência na Ásia e noutros lugares e têm estratégias diplomáticas fundamentalmente diferentes”. Um artigo do Foreign Affairs também sublinhou como os laços da China com a Rússia se deterioraram na sequência da guerra na Ucrânia, porque, como disse um relatório do Council on Foreign Relations, a guerra na Ucrânia colocou a China numa posição “embaraçosa”. Estes relatórios basearam-se principalmente em declarações chinesas como uma complexa interacção entre não apoiar nem condenar a guerra. A conclusão que estes relatórios tiraram, por conseguinte, pressupôs uma ruptura definitiva dos laços China-Rússia.

Tal como está hoje, esta conclusão revelou-se errada, pois não teve em conta que os laços Rússia-China, tal como os laços EUA-Europa, são sustentados por uma visão comum do mundo – uma visão que tem sido reforçada pelas constantes projecções dos EUA sobre a Rússia e a China como duas potências “revisionistas” que se inclinam a desfazer o sistema global liderado pelos EUA. Por que razão, então, os seus laços se deteriorariam se a China estivesse em completo acordo com a Rússia sobre a necessidade de resistir, militarmente ou não, ao expansionismo dos EUA através da globalização da NATO?

Enquanto ambos os líderes falavam, uma relação baseada numa visão estratégica comum do mundo e objectivos partilhados tornou-se mais clara, deixando o Ocidente a interrogar-se sobre a profundidade e o alcance desta aliança.

Para além de concordarem que os laços Rússia-China estão “no auge”, concordaram em reforçar a cooperação bilateral, para além de outros sectores, no domínio financeiro (para combater as sanções financeiras/bancárias ocidentais sobre Moscovo) e energético (para combater as sanções ocidentais sobre as vendas russas de petróleo e gás). Ambos os líderes concordaram também em trabalhar em conjunto para a criação de um mundo “multipolar”. A versão chinesa desta conversa também sublinhou a vontade de Pequim “de trabalhar com a Rússia para continuar a apoiar-se mutuamente nos seus respectivos interesses fundamentais em matéria de soberania e segurança, bem como nas suas principais preocupações, aprofundando a sua coordenação estratégica, e reforçando a comunicação e coordenação” noutras áreas de interesse mútuo.

Essa reciprocidade não se limita à sua disposição comum anti-americana. A China e a Rússia complementam-se mutuamente também de outras formas. Por exemplo, embora a China seja uma grande produtora, economicamente, necessita de fornecimentos energéticos russos, fornecimentos que constituem uma parte crucial da economia russa. Em maio de 2022, as importações de petróleo da China a partir da Rússia atingiram um máximo histórico, atingindo um aumento de 55 por cento e atingindo 1,98 milhões de barris por dia. Do mesmo modo, os fornecimentos de gás russo à China também aumentaram quase 60 por cento nos primeiros quatro meses de 2022.

A geopolítica em torno da energia serve tanto a Rússia e a China como a sua resistência conjunta contra o Ocidente. Portanto, contra as previsões ocidentais de que a guerra Rússia-Ucrânia irá desvendar os laços Rússia-China, a guerra tem tido o impacto oposto nos seus laços. A compra contínua de petróleo e gás da China mostra como Pequim está de facto, embora indirectamente, a ajudar a Rússia a combater a guerra de sanções dos EUA e de fornecimentos militares no valor de milhares de milhões de dólares à Ucrânia.

A razão deste contínuo apoio chinês é a crença de Pequim de que a guerra na Ucrânia está a arrastar-se devido aos fornecimentos dos EUA à Ucrânia e à sua resistência em reconhecer e dar a devida atenção às legítimas preocupações de segurança da Rússia face à expansão da OTAN. A China também está a comprar petróleo e gás russo porque considera as sanções dos EUA como um instrumento de política externa e de diplomacia coerciva.

Na última reunião dos BRICS, Xi apelou especificamente à oposição às sanções unilaterais dos EUA. Para o citar,

“Alguns países tentam expandir alianças militares para procurar segurança absoluta, fomentar o confronto baseado em blocos, coagindo outros países a escolherem lados, e perseguir o domínio unilateral à custa dos direitos e interesses de outros. Se estas tendências perigosas continuarem, o mundo testemunhará ainda mais turbulência e insegurança”.

Esta é uma definição clássica de provocação – um acto geopolítico que tem ramificações globais para além da guerra da Ucrânia. O apoio contínuo da China à Rússia e a sua oposição ao unilateralismo dos EUA é uma manifestação da nova ordem global alternativa que o mundo mais certamente precisa. Putin voltou a apoiar o entusiasmo de Xi, ao afirmar que a influência dos BRICS a nível global está a “aumentar constantemente” à medida que os países membros aprofundaram a sua cooperação e trabalharam no sentido de “um sistema verdadeiramente multipolar de relações inter-estatais”.

Imagem de capa por Alex Twose sob licença CC BY-NC-SA 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Salman Rafi Sheikh
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply