Infatigável empurrão Rússia-China para uma Nova Ordem Mundial

Salman Rafi Sheikh

Doutorando na SOAS University of London


O mundo já mudou, e Washington precisa de se ajustar à estrutura global em mudança e à possibilidade de múltiplos centros de poder


O início da operação militar especial da Rússia na Ucrânia deveria dar aos EUA uma oportunidade até agora indisponível de reunir de novo a aliança ocidental sob a sua liderança e manter a ordem global pós-Segunda Guerra Mundial dominada pelos EUA. Embora a administração Biden tenha tido algum sucesso em forçar a Europa a renovar a sua fidelidade a Washington – e a abandonar as suas ambições de autonomia estratégica como actor independente na arena internacional – não teve realmente qualquer impacto poderoso na Rússia e na China em termos de os dissuadir de exercer pressão para o seu objectivo central de ordem mundial alternativa. Tal como está, o factor principal é que o sucesso de Washington está em grande parte limitado ao Ocidente – um facto que não se perdeu na Rússia, China e outros países fora da Europa. Fora do Ocidente, a capacidade de Washington para controlar as forças anti-americanas diminuiu consideravelmente. Isto é especialmente evidente no Médio Oriente, uma região há muito conhecida pela sua aliança “profunda” com o Ocidente, mas que segue cada vez mais um caminho que não converge com os EUA.

Para a Rússia e a China, este é um sinal encorajador – não só porque surgiram fissuras visíveis e profundas na aliança mais vasta liderada pelos EUA, mas também porque os países fora da Aliança Transatlântica estão a mostrar uma maior aceitação da proposta Sino-Rússia de estabelecer uma ordem mundial multipolar não vulnerável à manipulação dos EUA. O sucesso inicial no traçado do rumo alternativo significa que tanto a Rússia como a China têm todos os motivos para continuar a iluminar este caminho.

Este foi também o cerne dos exercícios Vostok realizados na Rússia em setembro. Este foi um exercício militar que, para além da Rússia como país anfitrião, incluiu a China, Índia, Tajiquistão, Bielorrússia e Mongólia. Enquanto a decisão da Índia e da China de participar nestes exercícios mostra os limites drásticos da medida em que Washington pode ditar a política global, o facto de estes exercícios terem sido realizados apesar das sanções dos EUA à Rússia e da sua política de impor “isolamento” a Moscovo mostra, mais uma vez, que a política de ordem mundial alternativa está rapidamente a ganhar força.

A forma como este exercício está ligado à política global pode ser entendida a partir da forma como o russo Vladimir Putin o contextualizou. Um dia antes da China confirmar a sua participação, Putin apelou, num discurso que proferiu na 10ª Conferência de Moscovo sobre Segurança Internacional, “a um reforço radical do sistema contemporâneo de um mundo multipolar”. Isto é necessário, como Putin salientou, para travar a maré ocidental para “expandir o seu sistema baseado em blocos para a região da Ásia-Pacífico, tal como fez com a NATO na Europa”. As observações de Putin também foram suficientemente precisas sobre a geopolítica dos EUA em torno de Taiwan. Para o citar, “A fuga dos EUA para Taiwan não é apenas uma viagem de um político irresponsável, mas faz parte da estratégia orientada para objectivos e deliberada dos EUA concebida para desestabilizar a situação e semear o caos na região e no mundo”.

Os pontos de vista de Putin não são idiossincráticos. Na verdade, os chineses estão a ecoar o mesmo de uma forma poderosa. O Global Times, um porta-voz oficial do Partido Comunista da China, disse recentemente que,

“Os EUA têm vindo a subir em espiral na sua total contenção da China, e não parece haver um ponto alto em que parem e façam uma pausa. É como um cavalo fugitivo que corre selváticamente para o precipício da guerra”.

A conclusão que este comentário retirou é que o objectivo final de Washington é estabelecer a sua própria hegemonia na região – e em última análise no mundo – “espremendo” a China para fora. Esta conclusão é surpreendentemente semelhante à forma como a Rússia vê a tentativa dos EUA de expandir a NATO para a Europa de Leste – em particular a Ucrânia – para espremer a Rússia na Europa. Esta conclusão tem agora ressonância mundial – do Médio Oriente para África e o Pacífico.

A razão pela qual isto se está a espalhar é que a ideia de um mundo multipolar também é atractiva para muitos outros Estados. A ênfase em múltiplos centros de poder significa que o centro de gravidade não será Washington, nem Pequim ou Moscovo. De facto, a ideia de uma ordem mundial multipolar está subjacente a um sistema que é fundamentalmente diferente das actuais regras mal ponderadas e mal guiadas.

Neste contexto, a decisão da Índia de participar no exercício militar multinacional mostra quão próximo está Nova Deli da ideia de uma ordem multipolar que este exercício representa. A Índia é um país que sempre aspirou ao estatuto de potência global. Há anos que se esforça por ser membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas. É pouco provável que as suas ambições sejam realizadas num sistema dominado, unilateralmente, por Washington. Dentro deste sistema, é provável que Nova Deli continue a ser um actor seguindo, sem qualquer crítica, os EUA nas suas pegadas. Só saindo deste sistema – o que Nova Deli fez em parte ao recusar-se a condenar a Rússia e/ou ao decidir comprar petróleo russo apesar das sanções dos EUA – é que Nova Deli pode exercer pressão para o seu grande estatuto de poder mais livremente do que tem sido o caso.

Não há falta de estados na Ásia e noutros locais que aspirem a desempenhar um papel mais importante. A Turquia, já agora, é outro exemplo, com a Arábia Saudita no mundo árabe do Golfo a emergir como o mais recente campeão da autonomia estratégica. No Sudeste Asiático, a recusa da Indonésia em excluir a Rússia da cimeira do G20 provou, mais uma vez, que o exercício da hegemonia unilateral no mundo de hoje não é o mesmo que era nos anos 90.

Dado o cenário, o que pode Washington fazer? Em primeiro lugar, pode continuar a incendiar conflitos e esperar atrair cada vez mais aliados. Isto continuará, no entanto, a disparar, uma vez que cada vez mais países são susceptíveis de cair na geopolítica de conflito de Washington. Em segundo lugar, pode concluir com segurança que o mundo já mudou, e que Washington precisa de se ajustar à estrutura global em mudança e à possibilidade de múltiplos centros de poder. Washington não pode lutar contra todos. Ponto final. Com cada vez mais países que procuram negociar noutras moedas que não o USD, a capacidade dos EUA de macro-gerir a economia global através do seu controlo financeiro está também a diminuir rapidamente. Não pode sancionar toda a gente e tudo. Ponto final.


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Salman Rafi Sheikh
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply