Holodomor – Genocídio contra a Ucrânia?

Hermann Ploppa

Hermann Ploppa

Politólogo, autor e editor


O Bundestag alemão como comissão auto-nomeada de historiadores e como actor na batalha de propaganda ucraniano-russa. Em lugar de uma desescalada, está a ser vertida gasolina sobre as chamas

Na quarta-feira passada, 30 de Novembro de 2022, o Bundestag alemão aprovou uma resolução com uma grande maioria que dá que pensar em vários aspectos <1>. Nomeadamente, o Bundestag determinou em nome do povo alemão que a terrível fome que teve lugar na União Soviética nos anos de 1932 a 1933, cujas consequências causaram a morte miserável de milhões de cidadãos soviéticos, foi um acto de genocídio contra o povo ucraniano. Esta catástrofe humanitária ficou para a história como Holodomor. Holodomor significa em alemão: praga da fome ou carestia. Contudo, esta praga de fome não ocorreu apenas na Ucrânia, mas também na bacia do Volga e em partes do Cazaquistão. É indiscutível que no decurso da colectivização forçada, o regime de Estaline confiscou quantidades significativas da colheita de cereais e até as exportou para o estrangeiro, a fim de obter a moeda estrangeira urgentemente necessária. A única questão controversa entre os historiadores é, portanto, qual foi o motivo que levou o governo soviético a estas expropriações forçadas de alimentos. Uma vez que as fontes não são inteiramente directas, os historiadores estão a remexer um pouco no nevoeiro: foi isto um erro grosseiro de gestão por parte da liderança soviética? Ou será que Estaline e os seus cúmplices perdoaram as mortes em massa de civis inocentes, a fim de tornar a população resistente mais ou menos complacente através da tortura pela fome? Ou será que Estaline queria mesmo exterminar sistematicamente certos povos e a sua cultura?

Embora para os historiadores o assunto não seja de todo claro, o Bundestag alemão tomou recentemente consciência de que os líderes soviéticos queriam deliberadamente exterminar o povo ucraniano. Agora o leitor interessado vai perguntar: o que tem o Bundestag a ver com tais questões? Antes de mais: isto é, claro, apenas uma resolução, ou também: determinação. Não é de forma alguma juridicamente vinculativa e representa apenas uma espécie de disposição dos membros do parlamento. E é também uma reacção a um elemento pseudo-plebiscitário da nossa democracia. Esta resolução foi, de facto, desencadeada por duas assim chamadas petições. No caso de petições, os cidadãos recolhem assinaturas e depois enviam-nas ao comité competente do Bundestag: "O Bundestag pode resolver …" Por exemplo, os activistas ucranianos já tinham apresentado uma petição em 2012 para que o Bundestag classificasse o Holodomor como genocídio selectivo. Isso foi rejeitado em 2017. Mas a escalada do conflito com a Rússia aumentou as hipóteses de um novo impulso em 2018 <2>. E devido a esta petição, o Bundestag aprovou agora a sua resolução por maioria. Como vê, se as petições encontram o seu caminho para o voto do Bundestag depende de interesses políticos. Inúmeras petições já apelaram à libertação de Julian Assange como prisioneiro político <3>. No entanto, isto não é politicamente oportuno - afinal de contas, não queremos perturbar os nossos aliados americanos. Assim, tais petições acabam no cesto dos papéis com regularidade.

E mesmo que a actual resolução do Bundestag para estabelecer o Holodomor como genocídio contra os ucranianos não tenha força normativa, ainda tem um efeito. Por um lado, uma determinação no âmbito da guerra de propaganda ucraniano-russa irá agravar ainda mais as relações com a Rússia.

Se a resolução do Bundestag fôr verdadeira, poder-se-ia aceitar de bom grado este efeito. Mas veremos que não é esse o caso. A relação entre o político, o judiciário e a historiografia é também uma mistura extremamente difusa. Não há uma demarcação clara. Os historiadores encorajam muitas vezes deliberadamente os políticos nos seus planos agressivos. E os historiadores, infelizmente com demasiada frequência, transformam-se em propagandistas para os políticos. Os juízes, por outro lado, incorporam nos seus julgamentos as avaliações dos historiadores politizadores influentes. E este é também, infelizmente, o caso da resolução Holodomor.

Esta resolução poderia levar a que o recém formulado parágrafo 130 sobre [a lei] do incitamento dos povos fosse agora utilizado contra pessoas que ousam duvidar do genocídio visado no Holodomor <4>. Isto transformaria a acusação de genocídio contra a Rússia, como sucessor legal da antiga União Soviética, numa arma de propaganda monopolizada e afiada contra a qual já não seria possível argumentar na Alemanha. Além disso, há o argumento quantitativo: já 16 parlamentos em todo o mundo teriam condenado o Holodomor como uma tentativa de genocídio pelos sovietes russos em resoluções <5>. Eles não podem estar errados, pois não? A pressão sobre os historiadores está a aumentar para finalmente seguir a narrativa do genocídio dos ucranianos.

No entanto, a teoria do genocídio também nem sempre foi válida na Ucrânia. Foi apenas em 2006 que o então presidente ucraniano Viktor Yushchenko elevou a narrativa do genocídio ao estatuto de narrativa nacional juridicamente vinculativa da Ucrânia e mandou instalar uma infra-estrutura de recordação correspondente com livros escolares, cerimónias comemorativas e museus especiais do Holodomor. O seu sucessor no cargo, Viktor Yanukovych, contudo, recordou que muitos povos diferentes vivem na Ucrânia e que estes povos também têm direito a uma cultura de memória apropriada. Mas a revolta de Maidan trouxe então a interpretação unilateral de que só havia ucranianos étnicos na Ucrânia, e que todos os outros grupos étnicos teriam de se ucranizar obrigatoriamente. A monocultura ucraniana e a intolerância contra outros povos foi maciçamente promovida pela comunidade ocidental. Desde então, o lobby de Zelensky também se tem tornado cada vez mais agressivo. Deste canto, os historiadores alemães estão a ser pressionados a seguir incondicionalmente a narrativa do genocídio. Quando a Comissão Histórica Germano-Ucraniana anunciou um seminário na internet intitulado: "O Holodomor foi um genocídio?", o Museu Holodomor em Kiev comentou: "Expressar 'dúvidas' num momento tão crítico pode resultar em consequências irreparáveis". <6> Os historiadores, irritados, deixam claro que a sua tarefa não deve ser a de serem os cúmplices dispostos de qualquer parte em conflito. E que não deve ser tarefa dos parlamentos decidir unilateralmente questões históricas controversas <7>.

A escalada conceptual desde a definição do Holodomor como um crime contra a humanidade até ao genocídio planeado vai de par com a escalada do conflito entre a Ucrânia e a Federação Russa, ou a intensificação do conflito militar entre a NATO e as forças armadas aliadas com a Rússia. Em 2008, o Parlamento Europeu ainda tinha falado de um crime contra a humanidade numa resolução. Helmuth Markov, deputado alemão do Partido da Esquerda, tinha rejeitado isto, dizendo que quem "não comemora ao mesmo tempo as [outras repúblicas e] nacionalidades [da União Soviética] está a agir de forma eunicista e ignora o sofrimento de todas as pessoas afectadas" <8>. De facto: uma selecção de acordo com as vítimas dignas de recordação e as vítimas não dignas de recordação é moralmente profundamente repreensível. Contudo, esse estreitamento selectivo é indispensável para a comunidade ocidental por razões de propaganda de guerra.

O que distingue "crimes contra a humanidade" de genocídio?

Ambos os termos só foram definidos com precisão após o fim da Segunda Guerra Mundial. A ofensa dos crimes contra a humanidade foi um instrumento central para a acusação dos capangas nazis no Tribunal de Crimes de Guerra de Nuremberga. Isto refere-se principalmente ao terror sistemático e duradouro contra a população civil. Em contraste, o genocídio é um terror sistemático contra um grupo populacional muito específico. O objectivo é destruir a identidade deste grupo étnico. O genocídio foi adoptado como um crime juridicamente vinculativo pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 1948, tornando-se assim parte do direito penal internacional. Ambas as infracções não podem ser aplicadas retroactivamente. Desta forma, o genocídio do Império Otomano contra os arménios permanece impune, tal como o genocídio de milhões de pessoas cometido pelos EUA contra o povo filipino entre 1898 e 1908. A regra é: nulla poena sine lege - nenhuma punição sem lei.

O conceito de genocídio foi desenvolvido pelo estudioso jurídico polaco Raphael Lemkin para as Nações Unidas. No entanto, Lemkin não a deixou numa definição geral de genocídio. Em 1953, no ensaio sobre o genocídio soviético na Ucrânia, Lemkin fez valer a sua reputação para acusar a União Soviética de genocídio no Holodomor <9>. E como com Zbigniew Brzezinski, também no caso de Lemkin, infelizmente, não se pode ignorar completamente o facto de que a sua origem polaca distorce a imagem da Rússia em grande medida. Lemkin acusa "os russos" de terem vivido uma profunda inclinação para o genocídio já sob os seus czares. Na sua política, os russos teriam tido tendência para uma russificação constante de todos os outros povos. E a União Soviética não era mais do que uma máquina de energia culturalmente oca para a russificação forçada de todos os outros povos. O Holodomor foi um acto particularmente cruel de extermínio dos ucranianos. Segundo Lemkin, os ucranianos são um povo completamente diferente, sem qualquer relação com os russos. Os russos teriam exterminado 75% de todos os intelectuais ucranianos e, na sua maldade, teriam assassinado até cinco milhões de ucranianos por inanição. Lemkin equaciona o terror no Holodomor com os métodos de terror dos nazis. O lugar Vinnitsa, diz ele, é o Dachau ucraniano, e a aldeia Zvadka é o equivalente à aldeia checa Lidice dizimada pelos capangas das SS. A conclusão de Lemkin: "A unidade nacional soviética foi alcançada não por uma unidade de ideias e culturas, mas pela aniquilação completa de todas as culturas e ideias excepto a soviética". Esta equação completamente não científica do fascismo de Hitler com a ditadura soviética estava de acordo com a teoria dominante do totalitarismo da época, que celebra agora uma terrível ressurreição nos círculos libertários de direita <10>.

Há muito a registar sobre isto. O ensaio de Lemkin apoia os esforços propagandísticos do seu país anfitrião, os EUA, na emergente Guerra Fria contra a União Soviética. Os EUA, após uma parceria da Segunda Guerra Mundial com a União Soviética, tinham decidido desencadear uma guerra nuclear contra o seu antigo aliado russo através da Operação Dropshot <11>. Enquanto que uma visão objectiva da União Soviética tinha sido anteriormente cultivada sob o presidente dos EUA Roosevelt, os EUA ofereceram tudo o que pudesse desumanizar a União Soviética e os seus habitantes na sua propaganda do pós-guerra. E o que ao mesmo tempo era capaz de incitar a conflitos entre diferentes povos da União Soviética. E assim, no seu ensaio, o professor Lemkin subcotou factos importantes que poderiam colocar a sua imagem da Rússia em perspectiva.

Estes incluem o facto de a própria União Soviética como um todo ter sido ameaçada de genocídio pela invasão nazi alemã em 1941. Este genocídio nazi custou a vida de 28 milhões de cidadãos soviéticos. E a União Soviética teve de suportar o fardo de finalmente derrubar o regime genocida nazi. Parte do quadro geral é que a União Soviética foi submetida a ataques maciços por forças de intervenção estrangeiras nos seus primeiros dias, em 1921. Como resultado destas invasões, já nessa altura ocorreram fomes e epidemias horríveis, matando milhões de pessoas.

Contudo, não se pode negar que a Nova Política Económica de Lenine, que permitiu aos camponeses gerir as suas próprias economias, foi seguida por uma nova fase de expropriação em massa quando Estaline chegou ao poder. A incerteza e desmotivação resultantes fizeram com que os rendimentos das culturas diminuíssem rapidamente. E como já foi indicado, os executores da ditadura de Estaline retiraram de facto os cereais urgentemente necessários e venderam-nos no estrangeiro. Ao mesmo tempo, as pessoas foram impedidas de sair da zona da fome. Ao fazê-lo, os estalinistas aceitaram uma fome horrenda. Mas a questão era se este roubo de alimentos era um acto de genocídio selectivo contra os ucranianos. Este claramente não é o caso. Para as requisições alimentares que afectaram o povo da cultura alemã e os da cultura polaca que vivem na Ucrânia, o mesmo se não piorou. E a fome estendeu-se por muitas regiões da União Soviética - não apenas a Ucrânia especificamente. A intenção de desmantelar a Ucrânia como entidade cultural, étnica e estatal através da russificação não pode ser discernida. Pelo contrário, a autonomia da Ucrânia como república soviética autónoma estava profundamente enraizada na estrutura federal. De facto, Estaline minou temporariamente esta estrutura federal através de subestruturas centralistas. No entanto, Josef Estaline e os importantes organizadores do aparelho repressivo não eram russos étnicos, mas sim georgianos. Não deve ficar sem mencionar que a Ucrânia, como república soviética autónoma, teve o seu próprio assento nas Nações Unidas após a Segunda Guerra Mundial e foi também representada duas vezes em rotação no Conselho de Segurança mundial. E o homem forte da União Soviética após a Segunda Guerra Mundial, Nikita Khrushchev, gostava muito da Ucrânia. Até hoje, continua a ser contestada a razão pela qual Khrushchev transferiu a península da Crimeia no Mar Negro da responsabilidade da República Soviética Russa para a da República Soviética Ucraniana em 1954 <12>. Agora tudo isto não apoia de forma alguma a afirmação de que os russos pretendiam aniquilar a nação ucraniana.

Reciclagem de lendas antigas em novas embalagens

Durante o período de desanuviamento entre o bloco soviético e o bloco da NATO, a história da tentativa de genocídio dos russos contra os ucranianos foi largamente esquecida. Mas após o golpe de Maidan de 2014, as antigas narrativas foram novamente retiradas das bolas de naftalina. Em 2017, Anne Applebaum refez as antigas lendas. O seu livro Red Famine , i.e.: Fome Vermelha, foi massivamente divulgado pela grande imprensa ocidental <13>. Antes de mais, a primeira coisa a procurar em qualquer autor de livro é um possível conflito de interesses. A sra. Applebaum não é de modo algum uma historiadora objectiva preocupada com a melhor aproximação possível da verdade histórica. Pelo contrário, Applebaum está muito no topo da matriz ideológica do império americano. É membro do Council on Foreign Relations, um fórum estratégico em Nova Iorque. É também associada do Legatum Institute e, por último mas não menos importante, Applebaum é funcionária do National Endowment for Democracy, filiado no governo.

O NED encarrega-se de alinhar outros países com os EUA através de propaganda ou manobras de mudança de regime. Applebaum retoma basicamente a argumentação de Lemkin. As novidades no trabalho de Applebaum são essencialmente muitos testemunhos anteriormente desconhecidos de pessoas directamente afectadas. No entanto, os críticos acusam-na de incluir apenas os factos que apoiam o quadro de genocídio sistemático e de simplesmente omitir tudo o resto <14>. O crítico Marc Tauger queixa-se que a tradução do autor da palavra Holodomor já está errada: Holodomor significa praga da fome e não, como afirma Applebaum: "extermínio pela fome" <15>.

Assim, vemos que as narrativas históricas são uma moeda importante na frente da propaganda. Aqueles que têm a narrativa certa acreditam que estão certos. Isto é, para ser o justo, o virtuoso. O inimigo é um criminoso que é levado à merecida punição pela sua guerra de agressão. Conhecemos muito bem o esquema das duas guerras do Iraque ou da guerra da Jugoslávia. Depois de anexado, o país deslegitimado, o agressor pode viver bem com ele se depois se descobrir que a narrativa deslegitimadora não é mais do que uma mentira maliciosa. Foi o que aconteceu com as incubadoras na primeira guerra do Iraque ou com as armas químicas na segunda guerra do Iraque.

Assim, agora a maioria dos membros do Bundestag alemão deu a sua bênção legislativa às narrativas unilaterais de Raphael Lemkin e Anne Applebaum. Mas se olharmos atentamente, os deputados que aprovam não têm, aparentemente, a certeza se eles próprios sabem do que estão a falar. Porque no anúncio do Bundestag sobre a resolução diz muito cuidadosamente: "O Holodomor representa um 'crime contra a humanidade', da perspectiva de hoje 'uma classificação histórico-política como genocídio sugere-se a si próprio', escrevem os deputados". <16> Desculpe? "Fechar"? É claro que tais subterfúgios não terão importância no número de cliques que gera os principais meios de comunicação social. Aqui só há o preto-e-branco. O bem contra o mal. Ali as trombetas do telejornal com o espírito de Applebaum: "Holodomor significa 'assassinato por fome'" <17>. Não há necessidade de fazer a sua própria investigação. É assim que funciona a propaganda. Isto é certo: quase nenhum membro do Bundestag se terá dado ao trabalho de eliminar as diferenças conceptuais entre crimes contra a humanidade e genocídio selectivo antes de votar. Os votos dissidentes no Bundestag são correspondentemente coxos. A conservadora-libertária AfD limita-se a abster-se de votar. O seu porta-voz Marc Jongen conhece pelo menos a diferença entre crimes contra a humanidade e genocídio. Caso contrário, ele pensa que o governo federal sempre banalizou os "crimes comunistas" no passado. Gregor Gysi do Partido de Esquerda também aponta a diferença em termos no seu discurso e critica a equação primitiva do comunismo e do nacional-socialismo que ressoa como um subtexto na resolução. Mas perde-se a oportunidade de nomear claramente a instrumentalização descarada do grémio dos historiadores para a preparação propagandística para a guerra. Os deputados têm o maldito dever de exigir um desarmamento consistente em todas as áreas, incluindo as da ideologia.

Em vez de alimentar o ódio com resoluções não substanciadas e insubstanciais, os deputados europeus deveriam finalmente levar a sério as necessidades de segurança dos povos da Europa Central e assegurar o desarmamento e a desescalada. Deve finalmente ser criada uma arquitectura de segurança estável para os países bálticos, Polónia, Ucrânia, Rússia e, por último mas não menos importante, Alemanha, a fim de garantir a paz e prosperidade para todos na casa comum da Europa.

Fontes e notas

<1> https://www.tagesschau.de/inland/holodomor-bundestag-anerkennung-101.html

<2> https://epetitionen.bundestag.de/petitionen/_2018/_12/_14/Petition_89118.nc.html

<3> Um de muitos: https://www.openpetition.eu/petition/online/freiheit-fuer-julian-assange-jetzt

<4> https://www.lto.de/recht/hintergruende/h/volksverhetzung-voelkermord-kriegsverbechen-groeblich-verharmlosen-billigen-leugnen-130-stgb-holocaust/

<5> https://www.rnd.de/politik/resolution-zum-holodomor-im-bundestag-hungersnot-soll-als-voelkermord-anerkannt-werde-XYRLM27HR5BIJEKHN5KYLP4TWE.html

<6> https://www.dach-ukraine.de/de/holodomor-in-der-ukraine/251-die-deutsch-ukrainische-historikerkommission-und-der-holodomor.html

<7> https://erinnerung.hypotheses.org/8916

<8> Citado a partir da nota de rodapé <7>

<9> Raphael Lemkin: Genocídio soviético na Ucrânia.

<10> https://www.rubikon.news/artikel/totalitarismus-2-0

<11> https://de.wikipedia.org/wiki/Operation_Dropshot

<12> https://www.wilsoncenter.org/publication/why-did-russia-give-away-crimea-sixty-years-ago

<13> https://www.theguardian.com/books/2017/aug/25/red-famine-stalins-war-on-ukraine-anne-applebaum-review

<14> https://reviews.history.ac.uk/review/2203 assim como https://www.sueddeutsche.de/politik/stalin-ukraine-1.4752620

<15> http://historynewsnetwork.org/article/169438

<16> https://www.bundestag.de/dokumente/textarchiv/2022/kw48-de-holodomor-923060

<17> https://www.tagesschau.de/inland/holodomor-bundestag-anerkennung-101.html

Imagem de capa por Victoria Pickering sob licença CC BY-NC-ND 2.0

Peça traduzida do alemão para GeoPol desde Apolut


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Hermann Ploppa
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply