Confiscar e ser condenado?

Ivan Timofeev

Doutor em Ciência Política e Director de Programas do RIAC


Sétimo pacote de sanções contra a Rússia apresenta riscos não contabilizados


O sétimo pacote de sanções da União Europeia contra a Rússia em ligação com os acontecimentos na Ucrânia será recordado pela sua proibição de importação de ouro russo, a expansão dos controlos de exportação, bem como a sua lista de indivíduos e organizações bloqueados. No entanto, uma importante novidade não foi exaustivamente discutida. No Art. 9° do Regulamento do Conselho UE nº 269/2014, foi introduzida uma regra segundo a qual os indivíduos sancionados são obrigados a informar as autoridades competentes de um país da UE sobre os seus bens na jurisdição da União Europeia. Os prazos são rigorosos. Os relatórios devem ser apresentados antes de 1 de setembro do corrente ano. Aqueles que forem alvo de sanções no futuro devem apresentar-se no prazo de seis semanas. Além disso, as pessoas bloqueadas são obrigadas a cooperar com a autoridade competente na verificação desta informação.

Recordemos que a essência do bloqueio das sanções é que os bens dos indivíduos e organizações que são abrangidos por elas na UE são congelados. Por outras palavras, continuam formalmente a ser propriedade dessas pessoas, mas a sua utilização é proibida. Estes bens podem incluir contas bancárias, bens imobiliários, bens de capital, veículos, etc. Além disso, as pessoas bloqueadas estão proibidas de fornecer “recursos económicos”. Isto significa essencialmente uma proibição da maioria das relações económicas com elas.

Qual é o significado desta nova característica? Muito provavelmente, as autoridades da UE querem facilitar a busca dos bens das pessoas bloqueadas. Especificam que os próprios indivíduos sancionados devem fazer este “trabalho de pernas para o ar”. Se recusarem-se cumprir, relatando os seus bens, então, de acordo com a Art. 9° dos referidos regulamentos, as suas acções serão consideradas como contornando o regime de sanções. Por sua vez, a violação dos Regulamentos pode levar à responsabilidade criminal e à confiscação dos bens obtidos em resultado da violação do regime de sanções. O artigo 15º do Regulamento obriga os Estados-Membros a desenvolverem medidas de acção penal por violação do regime de sanções da UE, bem como a tomarem todas as medidas necessárias para confiscar o produto de tal violação. Por outras palavras, ao não denunciarem os seus bens na UE, as pessoas bloqueadas arriscam-se a ser processadas, a enfrentar acusações criminais, ou a perder os seus bens.

O Ocidente tem discutido activamente a confiscação dos bens de russos bloqueados desde fevereiro de 2022. Nos Estados Unidos, estão em curso trabalhos sobre mecanismos legais. No Canadá, o quadro de confiscação foi aprovado pelo Senado.

Agora que o sétimo pacote de sanções foi adoptado, um mecanismo semelhante está agora a ser visto na UE, embora no contexto de contornar as sanções devido à não prestação de informações.

Ainda não é clara a forma como estas regras serão aplicadas. Contudo, o mecanismo legal existente pode muito bem ser interpretado pelos países membros de uma forma prejudicial para os indivíduos sancionados. Até à data, 110 entidades jurídicas e 1.229 indivíduos foram alvo de sanções de bloqueio da UE sobre a questão ucraniana. Embora nem todos tenham bens na UE, para outros, o valor dos bens pode ser enorme, e as tentativas de confiscar ou processar judicialmente irão inevitavelmente causar novas tensões políticas. Por exemplo, no âmbito do sétimo pacote, a Rossotrudnichestvo, que tem uma rede de centros russos de ciência e cultura nos países da UE, foi bloqueada. O mesmo se aplica à Fundação Russkiy Mir e aos seus centros russos nos países da UE. Pode assumir-se que o Sberbank e vários outros bancos, empresas e empresários individuais russos bloqueados têm activos na UE. O acesso aos seus bens deve ser bloqueado de qualquer forma pelas autoridades da UE. As novas regras do sétimo pacote também acrescentam os riscos de confiscação em caso de falta de notificação dentro do prazo especificado ou de recusa de cooperação com as autoridades competentes.

A experiência da crise relativa ao trânsito para a região de Kaliningrado mostrou que as autoridades de cada Estado membro podem interpretar as sanções da UE de forma muito ampla. Não se pode excluir que as novas características do sétimo pacote venham a receber interpretações igualmente amplas. É necessário estar preparado para um cenário em que os bens de indivíduos e estruturas na UE sejam confiscados, bem como a sua acção penal em certos países da UE por violação da legislação sobre sanções.

Imagem de capa por European Parliament sob licença CC BY 2.0

RIAC


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Ivan Timofeev
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply