Breve análise dos referendos na Ucrânia Oriental e mobilização na Rússia

Ralph Bosshard

Tenente-coronel do Estado-Maior General das Forças Armadas Suíças


Depois de um reabastecimento de pessoal, as tropas experientes estarão na melhor das hipóteses disponíveis para um ataque renovado no início do próximo ano


Amanhã, terça-feira, chega ao fim o prazo para o referendo sobre a adesão dos quatro oblast Donetsk, Kherson, Zaporozhie/Zaporizhiia e Lugansk à Federação da Rússia. Os governantes locais provavelmente nem sequer precisarão de entrar no seu saco de truques para que o referendo seja aprovado: É provável que haja grande receio nas áreas afectadas de um tribunal penal ucraniano, caso voltem a estar sob controlo ucraniano. Relatórios sobre atrocidades ucranianas em Izium, Balakliia e outros lugares não encontrarão o seu caminho nos meios de comunicação ocidentais, mas sim nos meios de comunicação russos.

Após a contagem dos votos, os governos destes oblasts apresentarão um pedido formal de adesão ao governo russo. Serão necessários alguns dias para as duas câmaras do parlamento russo tratarem das candidaturas e para o presidente russo assinar uma lei para o efeito. Consequentemente, a adesão poderia ser concluída no prazo de uma semana. É claro que o presidente ucraniano Vladimir Selensky não aceitará de forma alguma este cenário. A sua pessoa pode tornar-se um alvo da guerra russa nas próximas semanas.

Após a conclusão da adesão dos quatro oblasts, estes serão considerados território russo e a Rússia poderá utilizar os recrutas para os defender, se necessário. O facto de um ataque ao território russo poder desencadear o uso de armas nucleares é certamente bem conhecido em Bruxelas, sem que o presidente russo Vladimir Putin tenha de lhes lembrar. As afirmações dos círculos da NATO de que a Rússia se esquivará à utilização de armas nucleares são puramente especulativas e, em última análise, irresponsáveis. O Ocidente pode ainda subestimar a determinação da Rússia.

As tropas ucranianas ainda no território dos quatro oblasts, depois disso, serão vistas como ocupantes. A Rússia dará à Ucrânia alguns dias para retirar as suas tropas dos novos territórios russos, que Kiev rejeitará indignamente, como é óbvio. Mas a Rússia dificilmente fará tal exigência sem que possa tomar contra-medidas. Vladimir Putin mostrou-se capaz de apoiar as suas palavras com acções no passado e não há razão para supor que desta vez abrirá uma excepção.

Mapa: Fronteiras dos oblasts e linha da frente em 25.09.2022 (mash.ru, com adições do autor)

Quando os reservistas e recrutas russos dos novos oblasts assumirem a defesa contra novos ataques ucranianos em novembro, a Rússia pode retirar as tropas que têm sido destacadas desde fevereiro. Podem então transmitir toda a sua experiência aos reservistas recentemente mobilizados. Depois de um reabastecimento de pessoal, estas tropas experientes estarão na melhor das hipóteses disponíveis para um ataque renovado no início do próximo ano, muito provavelmente em Kharkov/Kharkiv e Chernigov/Chernihiv, ou mesmo em Odessa.

As áreas que não podem ser colocadas sob controlo russo, a Rússia gostaria certamente de suprimir no longo prazo como bases de destacamento da NATO. A Rússia tentará atingir este objectivo destruindo todas as infra-estruturas que possam ser utilizadas de qualquer forma para fins militares. Isto inclui certamente a rede ferroviária e rodoviária, mas também os objectos para o fornecimento de bens essenciais, tais como centrais eléctricas e redes de distribuição de electricidade. A longo prazo, não restará provavelmente nada mais da Ucrânia do que um território empobrecido e economicamente pouco desenvolvível, um território pobre. Resta saber se o Ocidente fortemente sobreendividado pode simultaneamente financiar a guerra na Ucrânia, manter a sua política de armas abertas aos refugiados ucranianos, suportar as consequências da sua política de sanções e pagar pelo seu próprio rearmamento.

Os planos da Rússia para os próximos meses poderiam ser mais ou menos assim. A Rússia não está sob pressão de tempo e tentará evitar perdas de pessoal agora, porque as tropas experientes em breve serão novamente necessárias. Vencer algumas aldeias não justificaria riscos elevados, especialmente as que se encontram no oblast de Kharkiv. Os apelos para o início das negociações de cessar-fogo são ilusórios no momento actual. Presentemente, ambas as partes beligerantes demonstram pouco interesse em tais negociações.

O presidente russo Vladimir Putin discutiu certamente os seus próximos passos na Ucrânia com os seus parceiros na Organização de Cooperação de Xangai (SCO), e o Irão também está a bordo. Não importa como será o curso da guerra na Ucrânia nas próximas semanas e meses: A revolta dos mais desfavorecidos na política mundial vai continuar. Liderar esta revolta foi provavelmente um dos principais objectivos da Rússia.


Peça traduzida do alemão para GeoPol desde NachDenkSeiten


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Ralph Bosshard
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply