Biden e Burns em duplo acto para dividir Putin e Xi

Finian Cunningham

Finian Cunningham

Jornalista, escritor e antigo editor de política internacional


A conversa de Biden de “não procurar uma nova Guerra Fria” com a China é desprezível face aos acontecimentos empíricos e à conduta dos EUA


O presidente dos EUA, Joe Biden, aparentemente procurou diminuir as tensões com a China esta semana, quando prometeu ao seu homólogo chinês Xi Jinping que Washington “não procurava uma nova Guerra Fria” com Pequim.

Os dois líderes encontraram-se à margem da cimeira do G20 na Indonésia. Foi a sua primeira reunião cara a cara desde que Biden tomou posse em janeiro de 2021. Enquanto Biden sorria para uma foto-op do aperto de mão, Xi parecia visivelmente reservado, como um tipo que se estava a preparar para ouvir um monte de tretas.

Após mais de três horas de discussões privadas, os americanos e os meios de comunicação social ocidentais tentaram, subsequentemente, fazer girar a ideia de que ambos os lados tinham concordado em condenar a alegada ameaça da Rússia de utilizar armas nucleares na Ucrânia. Foram os americanos que tomaram a licença. Xi não especificou a Rússia, de acordo com a leitura da Casa Branca da reunião. Ambos os líderes condenaram a guerra nuclear e disseram que esta nunca deveria ser combatida, uma reprimenda que se aplica tanto aos Estados Unidos como a qualquer outra pessoa. Os meios de comunicação ocidentais, no entanto, tentaram fazer girar a censura como condenação conjunta da Rússia.

O lado chinês teve uma tomada de posição bastante diferente em relação ao que foi transmitido na reunião. Não admira que Xi tivesse parecido reservado quando cumprimentou Biden mais cedo.

O presidente Xi foi citado como tendo dito a Biden:

“Um estadista deve pensar e saber para onde conduzir o seu país. Ele também deveria pensar e saber como se dar bem com outros países e o mundo em geral… Em vez de falar de uma forma e agir de outra, os Estados Unidos precisam de honrar os seus compromissos com acções concretas”.

Afinal de contas, Biden continuou a política de armar maciçamente a província insular da China de Taiwan. Isto é um ataque directo à soberania de Pequim e à integridade territorial da China, bem como uma ameaça à sua segurança nacional através dos 150 km do Estreito de Taiwan.

Este presidente americano afirmou publicamente em quatro ocasiões que os EUA defenderiam militarmente Taiwan se a China continental exercesse o seu direito legal de usar a força para colocar a ilha sob controlo administrativo total a partir de Pequim. Estas declarações de Biden violam o princípio juridicamente vinculativo de Uma China reconhecido pelo direito internacional, bem como pelas leis nacionais dos EUA. Na cimeira do G20 desta semana, Biden disse que não houve qualquer mudança na política americana sobre Taiwan, apesar das suas anteriores flagrantes declarações em sentido contrário.

A administração Biden está a planear estacionar bombardeiros B-52 com capacidade nuclear na Austrália, com o objectivo de provocar a China, bem como fornecer submarinos nucleares a Camberra como parte de uma nova coligação militar na Ásia-Pacífico envolvendo o Reino Unido, conhecida como AUKUS.

Washington também intensificou a guerra económica contra a China com proibições de exportação de semicondutores de alta tecnologia, vitais para a indústria chinesa.

O reinício dos exercícios de guerra dos EUA ao largo da Península da Coreia nas últimas semanas, após um hiato de três anos, agravou acentuadamente as tensões com a Coreia do Norte e do Sul, o que representa um risco desestabilizador para a segurança nacional da vizinha China.

Assim, a conversa de Biden de “não procurar uma nova Guerra Fria” com a China é desprezível face aos acontecimentos empíricos e à conduta dos EUA.

O que nos leva à questão: o que é que Biden estava a tentar alcançar com conversas mansas com Xi?

Parece que o presidente dos EUA estava realmente a tentar dividir a China da Rússia.

Biden falou sobre a ausência de Guerra Fria com a China. Mas e a Rússia? Parece que os Estados Unidos estão cheios de dúvidas sobre como agravar a situação em Moscovo. Poderá uma suposta superpotência ser credível numa Guerra Fria com um adversário, mas não com outro? Essa dicotomia não soa credível. Então, o que é que se está a passar?

É significativo que Putin não tenha participado na cimeira do G20 esta semana. O ministro dos Negócios Estrangeiros russo Sergei Lavrov foi delegado para actuar como dignitário da Rússia para o evento. A razão pela qual Putin não foi à cimeira não foi clara.

Também significativo foi uma reunião de alto nível realizada na Turquia ao mesmo tempo entre os chefes espiões dos EUA e da Rússia.

William Burns, o director da CIA, encontrou-se com o chefe da inteligência estrangeira russa Sergei Naryshkin em Ancara. O encontro foi amplamente noticiado nos meios de comunicação social ocidentais, o que é invulgar para tais encontros de retaguarda. A impressão é que a administração Biden queria que esta reunião fosse amplamente noticiada para a óptica e manchetes. As manchetes ocidentais noticiam que Burns supostamente “avisou a Rússia contra a utilização de armas nucleares na Ucrânia”.

O Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca sublinhou que Burns não estava envolvido em conversações para pôr fim ao conflito na Ucrânia.

A narrativa fortemente noticiada de “avisar a Rússia contra as armas nucleares” reforça a noção de que a Rússia é um Estado pária que ameaça utilizar armas nucleares, enquanto que foi Moscovo que alertou repetidamente que a guerra alimentada na Ucrânia pelos Estados Unidos e os seus parceiros da NATO poderia entrar em espiral descontroladamente num confronto catastrófico.

A Rússia não ameaçou utilizar armas nucleares, nem sequer mencionou a palavra, e alertou para os perigos imprudentes que os Estados Unidos e a NATO estão a provocar. Acima de tudo, são os Estados Unidos e os seus parceiros que estão implicitamente a ameaçar o risco de guerra nuclear. O presidente Vladimir Putin avisou em setembro que se a segurança existencial da Rússia for ameaçada pela NATO, então Moscovo reserva-se “o direito de utilizar todos os meios de defesa”. Esse aviso razoável foi cinicamente distorcido para aparecer como uma ameaça ameaçadora de utilização de armas nucleares pela Rússia.

Parece que a viagem Burns visava demonizar ainda mais a Rússia como uma ameaça nuclear à segurança mundial. Entretanto, Biden estava a tentar enraizar-se com Xi como uma forma de minar a forte amizade que se desenvolveu entre Pequim e Moscovo, especialmente sob a liderança de Xi e Putin.

A tentativa de Biden de apaziguar Xi, dizendo que não se pretende uma Guerra Fria, é uma mentira flagrante que a China pode sem dúvida ver tão simples como um copo de urina. O acto duplo de Biden e Burns é susceptível de não impressionar ninguém em Pequim e Moscovo.

Imagem de capa por 李 季霖 sob licença CC BY-SA 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde Strategic Culture


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Finian Cunningham
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply