Arábia Saudita parece substituir Washington por Pequim

Salman Rafi Sheikh

Doutorando na SOAS University of London


Se a AS deseja “mudar” e tornar-se uma potência regional e global, só é possível quando puder exercer um elevado grau de autonomia estratégica que é quase impossível enquanto estiver ligada a Washington


Enquanto que a China e a Rússia já têm uma agenda de uma nova ordem mundial multipolar, eles estão longe de ser os únicos actores. Embora sem dúvida os mais importantes, ambos não são apenas aliados um do outro, estão a formar alianças com países que anteriormente se encontravam no campo dos EUA. Entre os países dispostos a transformar os seus laços comerciais normais com a China numa aliança estratégica está a Arábia Saudita, um país pressionado a mudar os seus laços com os EUA não só devido à ruptura entre a administração Biden e o príncipe herdeiro saudita Muhammad bin Salman (MbS), mas também porque vê valor num mundo multipolar onde se pode projectar como um actor global. Se a AS deseja “mudar” e tornar-se uma potência regional e global, só é possível quando puder exercer um elevado grau de autonomia estratégica. Exercício que é quase impossível enquanto Riade estiver ligado a Washington. Exercício que exige cortar o cordão umbilical e chegar a uma posição em que faça as suas escolhas estratégicas sem se prender à linha dos EUA.

Como ironia, a ferramenta de que Riade precisava para cortar o cordão foi fornecida pelos próprios EUA, uma vez que a administração Biden procurou fazer da Arábia Saudita um Estado “pária” e nomear MbS como o principal culpado do assassinato de Jamal Khashoggi. Desde então, Riade tem vindo a tomar medidas que demonstram, sem grande ambiguidade, que se está a afastar de Washington e a formar novas alianças, inclusive com os rivais estratégicos mais importantes de Washington, a Rússia e a China. O conflito militar Rússia-Ucrânia e o subsequente fracasso dos EUA em convencer, ou pressionar, Riade a aumentar a produção de petróleo, mostram que o cordão já foi cortado. Agora, ao aprofundar os seus laços com a China, Riade está a demonstrar como pretende promover a agenda de um mundo multipolar em que os EUA não têm capacidade para “gerir” o mundo unilateralmente.

Este impulso saudita concertado para mudar o mundo é evidente na próxima visita de Xi à Arábia Saudita, que, mesmo segundo o The Wall Street Journal, “fará avançar uma visão de um mundo multipolar onde os EUA já não dominam a ordem global”. Há, por outras palavras, um sentido arrepiante prevalecente em Washington que lê os movimentos de Riade – especialmente, a sua decisão de cortar a produção de petróleo sem mostrar qualquer consideração significativa por Washington – como parte das suas políticas para prejudicar os interesses de Washington e/ou reduzi-la à dimensão. Daí o anúncio feito por Biden das suas intenções de “tomar medidas” contra os sauditas. Mas o saudita, tal como está, não se deixa intimidar pela ameaça, evidente pela sua vontade de acolher Xi e oferecer o mesmo tipo de recepção, de acordo com o referido relatório, que Riyad ofereceu ao Trump na sua primeira visita de sempre ao Arábia Saudita como presidente dos EUA em 2017.

Nada ilustra talvez melhor esta transição em curso e contenciosa dos EUA para a China do que a expectativa nos EUA de que a China vai ser tratada em Riade em pé de igualdade com os EUA. De facto, dado o estado dos laços EUA-AS, o tratamento que se espera que seja dado aos chineses ultrapassa bastante a recepção dada a Biden quando este visitou Riade recentemente e não conseguiu convencer a MbS a quebrar o acordo OPEP+. O fracasso drástico de Biden e o sucesso da China em conquistar os sauditas para uma futura “aliança petrolífera” mostra uma mudança tectónica de uma potência mundial de petróleo para longe do seu antigo aliado.

Tal como está, a cooperação no sector da energia está no centro da aliança China-AS. Quando o ministro saudita da Energia, o príncipe Abdulaziz bin Salman, e o director da Administração Nacional de Energia da China, Zhang Jianhua, se encontraram na terceira semana de Outubro, tudo o que discutiram foi “fornecimentos estáveis a longo prazo aos mercados de petróleo bruto”, sendo a OPEP+ a fonte de estabilidade.

O facto da ênfase ser colocada no fornecimento de petróleo ao mercado global e não apenas à China mostra como ambos os países estão a expandir o horizonte dos seus laços estratégicos a longo prazo, especialmente num contexto de mudança global de uma ordem mundial unilateral para uma ordem mundial multipolar.

Para a China, o fornecimento estável de petróleo, bem como a estabilidade dos seus preços, são importantes não só para a sua própria economia mas também para o resto do mundo, na medida em que as mudanças dramáticas nos preços do petróleo tendem a desestabilizar a economia. Isto é válido tanto para a China como para a própria Arábia Saudita. Isto é exactamente o que Xi disse a MbS no seu telefonema no início do ano. Para citar Xi, os laços China-Saudi tornaram-se ainda mais importantes na sequência “da mudança nas situações internacionais e regionais”.

A questão que muitos nos EUA parecem estar a considerar é se os EUA podem inverter este processo, especialmente os ganhos crescentes da China na Arábia Saudita? Alguns analistas americanos parecem acreditar que, uma vez que os sauditas dependem fortemente do equipamento militar dos EUA, Washington pode puxar os cordelinhos.

Mas esta análise é inoportuna por muitas razões. O mais importante de tudo é o pressuposto de que Riade não pode simplesmente diversificar a sua dependência do equipamento militar dos EUA. Se Riade está a aprofundar os seus laços com a China e a transformá-los numa “aliança estratégica”, pode muito bem adquirir equipamento de defesa também a Pequim. Com Riade a cooperar progressivamente com Moscovo e disposta a desempenhar o seu papel na mudança da ordem mundial unipolar, pode também adquirir equipamento militar de última geração da Rússia. Além disso, é agora bem conhecido que os sistemas de defesa aérea dos EUA instalados na Arábia Saudita não conseguiram impedir a entrada de ataques com drones e mísseis houthis, levando Riade a procurar alternativas.

Mesmo que a Arábia Saudita não mude automaticamente para a China e Rússia em busca de equipamento militar, o fornecimento de equipamento militar à Arábia Saudita é talvez o único fio que liga ambos os países. Se os EUA o cortassem, apenas acelerariam a sua própria expulsão do Médio Oriente. A decisão da administração Biden de não vender caças F-35 aos Emirados Árabes Unidos levou estes últimos a fazer um acordo com a França para aafael. Os sauditas só têm melhores opções e estarão dispostos a aceitá-las.

Imagem de capa por Stephen Downes sob licença CC BY-NC 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Salman Rafi Sheikh
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply