A destruição do Nord Stream 1 e 2 é um crime que tem de ser resolvido

Por James ONeill


É do interesse da Europa, bem como da Rússia, que esse inquérito seja conduzido rapidamente e que os perpetradores sejam responsabilizados pelo que é verdadeiramente um dos grandes crimes internacionais dos tempos modernos


Num artigo recente (28 de setembro de 2022), o excelente autor Pepe Escobar declarou que o ataque ao gasoduto russo (Nord Stream 1 e 2) impulsionou o capitalismo de catástrofes a um novo nível tóxico. O ataque aos dois gasodutos russos teve lugar em águas internacionais no mar ao largo da costa da Suécia. Escobar rotulou o ataque como representando o colapso absoluto do direito internacional. É difícil discordar da sua avaliação. A questão é: quem o fez?

Sobre esta questão, as respostas possíveis são limitadas. Alguns elementos dos meios de comunicação ocidentais, sem surpresa, sugeriram que foram os próprios russos que levaram a cabo o atentado às suas próprias infra-estruturas, muito caras. Tais sugestões eram, evidentemente, previsíveis. O facto de tal sugestão carecer completamente de uma razão, mesmo remotamente possível, não parece dissuadir os escritores ocidentais que se regozijam por atribuírem todos os actos malignos do mundo como tendo uma autoria russa.

O facto de estes autores não poderem apresentar uma razão, mesmo remotamente possível, para a Rússia atacar a sua própria infra-estrutura, muito cara, não é aparentemente uma razão para rejeitar a sugestão fora de controlo.

Como é o caso de qualquer investigação criminal, faz-se as perguntas óbvias. Estas giram em torno da clássica trilogia de meios, motivo e oportunidade. Vejamos cada um destes elementos por sua vez. Em primeiro lugar, quem tinha os meios para levar a cabo este exercício. Não se tratava de um simples exercício. Exige que os culpados tenham os meios não só para colocar os explosivos, mas também para lhes fornecer o apoio logístico para o fazerem.

Presumindo que as minas seriam colocadas fisicamente, os autores tinham de ter os meios para se aproximarem da infra-estrutura a ser atacada; o apoio logístico para transportar as várias centenas de pesos de explosivos, e o fornecimento de veículos de apoio para transportar tanto os homens como o equipamento para onde poderiam colocar as minas. Os homens também tiveram de ser retirados em segurança após o exercício.

A logística da operação fornece as primeiras pistas quanto a quem a fez. Os gasodutos não são simplesmente colocados no fundo do oceano, mas são objecto de vigilância constante por parte das câmaras por satélite. Embora essas câmaras não operem debaixo de água, mantêm uma visão constante sobre o oceano sob o qual se encontram. A identidade dos atacantes é, portanto, quase certamente conhecida dos russos.

A seguir é a questão do motivo. Aqui a questão clássica é: qui bono? ou seja, a quem beneficia. O secretário de Estado norte-americano Anthony Blinken, num momento desprevenido, admitiu recentemente que os danos criaram enormes oportunidades para os Estados Unidos. Os americanos estão prontos a vender aos europeus o seu próprio GNL, a um preço que foi calculado em oito vezes o custo do gás russo. Representa um enorme benefício económico para os Estados Unidos. Este facto básico reflectiu-se rapidamente no preço das acções das empresas que beneficiariam do fornecimento de gás americano à Europa. Estes preços subiram substancialmente desde que a sabotagem ocorreu. A perspectiva de obter lucros enormes tem sido sempre um factor de motivação fundamental para as empresas dos Estados Unidos, e isto não é excepção.

Em terceiro lugar, chegamos à oportunidade. Aqui, as provas apresentadas até agora são menos certas. Houve relatos de veículos navais dos Estados Unidos na “vizinhança”, nos dias que antecederam os ataques. Isto é menos do que satisfatório. Espera-se por imagens mais definitivas, incluindo dos satélites russos, sobre quem se encontrava exactamente nas imediações imediatamente antes dos ataques. Há que ter em conta que não se tratou de uma única operação. As explosões ocorreram perto umas das outras em termos de tempo, embora isso não exija que elas tenham sido minadas ao mesmo tempo. Essa parte da operação poderia ter sido prolongada por vários dias, pelo que quem se encontrava nas instalações imediatas no momento real das explosões é menos importante.

A actividade dos navios que transportaram os sabotadores e os explosivos deve ser conhecida, não só pelos russos que tinham vigilância por satélite, mas também pelas autoridades dinamarquesas e suecas em cujas águas ocorreu a sabotagem. Desafia a credibilidade de não terem conhecimento do movimento dos navios na zona em questão, embora possam não ter tido conhecimento preciso ou do que estavam a fazer. Sugerir que, no entanto, implica que observaram as acções dos navios que transportaram os explosivos sem levantar a sua curiosidade requer, no mínimo, a aceitação da sua falta de curiosidade que desafia a crença. Como alguém que viveu na Escandinávia durante vários anos, que deveria ser uma parte, mesmo passiva, de tal desrespeito pela lei internacional, é uma questão de profunda tristeza.

Há, claro, os comentários intemperados do antigo político polaco que foi rápido a elogiar os americanos por terem levado a cabo a sabotagem. Que tal acto de criminalidade internacional deva ser elogiado por uma figura responsável é motivo de preocupação. Presumivelmente, nos seus anos no gabinete polaco, foi exposto a algumas noções básicas de comportamento legalmente correcto. Que ele deveria exultar publicamente num tal acto de ilegalidade internacional é motivo de preocupação.

No entanto, não se deve retirar muito dos seus comentários. Elas podem ser vistas como uma tentativa bastante grosseira de desviar a atenção do seu próprio governo. A animosidade polaca em relação à Rússia é bem conhecida e, embora se duvide seriamente que tenham tido a coragem de agir por iniciativa própria, o facto de poderem estar dispostos a participar é muito mais credível.

Fazer com que os polacos realizem realmente a operação tem uma série de vantagens. Não a menor delas é o facto de ter dado um certo grau de negação aos Estados Unidos. Ter outra pessoa a realizar a escritura pode dar uma medida de negação aos americanos, mas não os absolve da responsabilidade final.

Quais são as provas reais que permitem apontar o dedo aos americanos? Em primeiro lugar e acima de tudo, as verdadeiras palavras do presidente dos Estados Unidos Joe Biden, que está no registo como proferindo uma promessa de que o Nord Stream 2 nunca estaria operacional. Ele não podia confiar em poder simplesmente exercer a pressão necessária sobre os alemães para não se comprometerem com o Nord Stream 2. As suas palavras reais foram mais explícitas do que isso e nem ele nem nenhum dos seus funcionários tentou explicar o que queria dizer quando prometeu ao entrevistador que o Nord Stream 2 nunca estaria operacional.

Que as empresas dos Estados Unidos são os beneficiários financeiros imediatos e substanciais do cancelamento do Nord Stream 1 e 2, proporciona, no contexto dos Estados Unidos, um registo bem estabelecido de motivações para se envolver num tal acto terrorista. A menos que os perpetradores sejam responsabilizados por este acto, seria inútil tornar os oleodutos novamente operacionais. Não haveria nada que os impedisse de repetir o exercício a salvo, sabendo que nunca serão responsabilizados.

Não acredito que isso aconteça porque tenho a certeza de que os russos já sabem exactamente quem foi o responsável. As actuais tentativas de excluir mesmo os russos da investigação é outra pista reveladora. Haverá um enorme apoio em todo o mundo para que os perpetradores sejam responsabilizados. É do interesse da Europa, bem como da Rússia, que esse inquérito seja conduzido rapidamente e que os perpetradores sejam responsabilizados pelo que é verdadeiramente um dos grandes crimes internacionais dos tempos modernos.

Imagem de capa por Latvijas armija sob licença CC BY-NC-ND 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

James ONeill
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply