A “crise do gás” na Europa é obra sua

Salman Rafi Sheikh

Doutorando na SOAS University of London


Com muitas economias europeias – especialmente a Alemanha – a depender do fornecimento de energia da Rússia, a perspectiva de um colapso económico em toda a Europa é elevada, previu o FMI


Quando a Rússia iniciou a sua operação militar especial na Ucrânia e o Ocidente respondeu com sanções e ameaças de cortar completamente o fornecimento de energia da Rússia, pouco se aperceberam os estados europeus de que a sua ameaça voltará para os assombrar dentro de meses. O custo de vida em constante aumento na Europa (e nos EUA) e o espectro da escassez de gás para o próximo Inverno tiraram o vapor à sua tentativa de “isolar” e “derrotar” a Rússia. O espectro da instabilidade económica está agora a traduzir-se em consequências políticas, evidentes da saída intempestiva dos líderes britânicos e italianos. Como mesmo um relatório do New York Times afirmou, “a crise da Itália […] expôs a fragilidade de uma Europa que luta com o aumento dos preços da energia”. Mas o que os principais meios de comunicação social ocidentais têm falhado consistentemente em relatar – e até mencionar – é que esta “fragilidade” é, em grande medida, auto-infligida, o que é de facto um resultado directo do fracasso da Europa em afirmar a sua autonomia estratégica em relação aos EUA, em tomar as suas próprias decisões, bem como o seu hábito de, de vez em quando, ceder às exigências dos EUA de construir uma coligação global contra a Rússia (e contra a China no Pacífico).

Como resultado, a Europa enfrenta agora uma aguda “crise do gás“. Embora os líderes europeus não tivessem inicialmente decidido cortar os seus abastecimentos de gás da Europa (estavam mais ansiosos por cortar os abastecimentos de petróleo e carvão), havia ingenuidade suficiente para não ver que a Rússia podia tomar essa decisão muito bem. Embora os europeus acreditassem que cortar o fornecimento de energia da Rússia iria prejudicar Moscovo, essa decisão de cortar os fornecimentos de energia (petróleo e gás) empurrou os preços da energia (petróleo e gás) para um nível suficientemente elevado para permitir à Rússia ganhar mais receitas do que no ano anterior, ao mesmo tempo que fez com que a própria Europa se balbuciasse sob uma crise de “aumento do custo de vida”. Poderá Moscovo ser considerada responsável por uma decisão estritamente europeia de “cortar” a Rússia? Seria uma avaliação muito preguiçosa caso se tentasse fazê-la.

Muitos na Europa afirmam que esta decisão foi motivada pela decisão da Rússia de “invadir” a Ucrânia. Esta foi uma “invasão não provocada”, afirma-se frequentemente. Mas de quem foi a decisão de expandir a NATO para incluir a Ucrânia e representar uma ameaça territorial directa à Rússia, não respeitar os legítimos interesses de segurança russos e recusar abordar esses interesses de forma razoável? Certamente que não os de Moscovo. O Ocidente – os EUA e a UE – afirmaram que a Rússia não podia ditar a adesão à NATO. É a sua única prerrogativa, dizem eles. Mas a Rússia, como qualquer outro país do mundo, pode tomar medidas para proteger os seus interesses. Foi assim que a operação militar da Rússia na Ucrânia começou e foi por isso que a Rússia respondeu à ameaça europeia de cortar o fornecimento de energia da Rússia com a exigência de ser paga em rublos.

Perante o espectro da sua própria decisão de cortar a Rússia a assombrar a sua própria política, os líderes europeus decidiram pagar em rublos. Os líderes ocidentais afirmaram que a Rússia estava usando o gás como arma. Se, numa guerra, o Ocidente pode armar a economia e as finanças (SWIFT cortado) para impor sanções, seria ingénuo esperar que Moscovo não tomasse medidas para se proteger. O que os europeus não gostaram foi o facto de as políticas russas lhes terem ensinado uma lição sobre o comércio de gás. O pagamento em rublos compensa directamente as sanções ocidentais, permitindo o rublo ganhar em relação ao dólar, e permitindo ainda que a moeda russa atingisse um máximo de 7 anos.

Por outras palavras, uma cadeia de acontecimentos desencadeada pela política dos EUA de expandir a NATO para cercar a Rússia – e manter a Europa sob controlo – acabou por contribuir para a economia russa. Nada talvez pudesse ser mais irónico na geopolítica global do que isto.

Alguns dos europeus estão agora a aceitar este prejuízo auto-infligido. O Canadá, depois de receber um “pedido” da Alemanha e receber uma derrogação de sanções de Washington, decidiu enviar de volta a turbina Nord Stream 1 à Gazprom para ajudar a reiniciar o fornecimento de gás da Rússia. Mas a reparação de avarias técnicas vai acabar por levar tempo, razão pela qual a retomada do fornecimento de gás via Nord Stream 1 não vai acontecer rapidamente. A Europa tem mais problemas pela frente.

Com muitas economias europeias – especialmente a Alemanha – a depender do fornecimento de energia da Rússia, a perspectiva de um colapso económico em toda a Europa é elevada, previu o FMI. De acordo com outras estimativas, a economia alemã perderia 240 mil milhões de dólares se o fornecimento de gás da Rússia fosse completamente interrompido. O chefe espião britânico seria suficientemente sensato para recalcular quem está realmente a ficar sem energia devido à guerra na Ucrânia. Enquanto tal retórica ajuda os europeus a tranquilizarem-se quanto a uma vitória final, as realidades terrestres contam uma história completamente diferente.

Como observou recentemente o ministro das Finanças alemão, em crise, enquanto a Alemanha se movia o mais rapidamente possível para cortar os seus fornecimentos da Rússia, a verdadeira questão era “em que momento fazemos mais mal a Putin do que a nós próprios”. Por outras palavras, cortar o fornecimento de energia da Rússia é muito mais fácil de dizer do que de fazer.

Segundo a BDEW, uma associação de fornecedores alemães de energia e de serviços públicos, enquanto o corte do fornecimento de energia – especialmente, de gás – a partir da Rússia é teoricamente possível, não há ganhos de que este passo signifique uma transformação completa, de baixo para cima, de toda a economia alemã. Será viável? É, portanto, necessária extrema cautela, aconselhou a empresa. Mas a questão é: será que os europeus vão ser cautelosos? Irão os europeus sentar-se juntos e pensar que poderiam – e ainda podem – ter minimizado os danos, transformando a sua geopolítica e política externa de forma a reduzir a dependência dos ditames de Washington e desenvolver uma relação mais sustentável com a Rússia?

Imagine um cenário em que os membros europeus da NATO se recusassem a apoiar a tentativa dos EUA de expandir a NATO. Uma guerra na Europa poderia ter sido evitada e um colapso económico – e as perspectivas crescentes de protestos em massa – poderiam ter sido firmemente evitadas.

Imagem de capa por Anton Romanko sob licença CC BY-NC-ND 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Salman Rafi Sheikh
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply