Os EUA e a guerra de duas frentes com a Rússia e a China

Por Valery Kulikov

Há um ressentimento crescente entre os europeus relativamente às políticas dos seus governantes abertamente orientados para Washington, que se poderão transformar em protestos em massa nos próximos dias


A total impotência das actuais autoridades norte-americanas (visível mesmo no rosto do seu presidente) que lutam por um mundo unipolar, tendo como pano de fundo a contínua remoção dos Estados Unidos do “trono global”, está a forçar estrategas norte-americanos mentalmente exaustos a saltar para mais e mais aventuras fracassadas.

Ao desencadear uma política de sanções russofóbicas e ao impô-la através da longa coligação de Washington de uma “nova vaga” de elites militares e políticas pró-americanas na Europa, os Estados Unidos não só se condenaram a mais derrotas – como também atiraram descaradamente a Europa e o seu actual aparelho governante para debaixo do autocarro, tornando-os responsáveis pela actual crise financeira, económica e energética que os EUA desencadearam. Como resultado, há um ressentimento crescente entre os europeus relativamente às políticas dos seus governantes abertamente orientados para Washington, que se poderão transformar em protestos em massa nos próximos dias. Estes poderiam sem dúvida varrer não só os governos de muitos países europeus, mas também dar um novo impulso a “ajustamentos” políticos semelhantes nos próprios Estados Unidos.

E este processo de “mudança” já começou com manifestações em Leipzig, Colónia e outras cidades alemãs contra as políticas descaradamente “antipopulares” do chanceler Scholz e da ministra dos Negócios Estrangeiros Annalena Baerbock, e a sua adesão explícita às instruções de Washington em detrimento dos interesses nacionais.

Protestos em massa estão a varrer a República Checa, pois cerca de 70.000 pessoas saíram à rua a 3 de setembro, insatisfeitas com as políticas governamentais e capazes, segundo o jornal alemão Die Welt, de abanar ainda mais os comícios de protestos na Alemanha.

As manifestações anti-governamentais, segundo o Independent, também começaram na Grã-Bretanha, logo após a nomeação de Liz Truss, fora da residência do primeiro-ministro.

Percebendo a inevitabilidade desta onda de protesto que se espalha através do oceano e a ameaça de impeachment da actual administração dos EUA por parte dos americanos, a Casa Branca vê infelizmente a hipótese de prolongar a existência da actual elite política não em ajustar as suas políticas internas e externas, mas em desencadear uma grande guerra, na expectativa de que esta sirva para justificar todos os erros das autoridades.

Entretanto, a posição da administração Biden tem tensionado as relações dos EUA com duas superpotências, Rússia e China, sublinhou o ex-secretário de Estado Henry Kissinger numa entrevista de agosto ao The Wall Street Journal. Como membro da velha escola conservadora, Kissinger, apesar de ver a Rússia e a China como inimigos, adopta a abordagem “sábia” do jogo político e diplomático a longo prazo de “lançar” inimigos uns contra os outros para facilitar a tarefa de os derrotar, em vez de desencadear uma guerra recta com um fim pouco claro, a que ele chama desequilíbrio e equívoco perigoso. “Estamos no limiar da guerra com a Rússia e a China sobre questões que em parte criámos, sem qualquer conceito de como isto vai acabar ou a que é suposto levar”, salientou Kissinger.

Nos últimos dois anos, o establishment americano tornou-se bastante aberto quanto aos seus planos de “conter” a Rússia e a China. Especificamente, o plano era primeiro desencadear um conflito com a Rússia nas mãos dos procuradores americanos na Ucrânia e depois acabar com Moscovo com sanções, na esperança de que rapidamente perdesse, engolisse o seu orgulho e se curvasse perante Washington. Na fase seguinte do seu confronto com Moscovo e Pequim, os “sábios” da Casa Branca pretendiam colocar os seus procuradores em Taiwan contra a China, esperando derrotar também o adversário chinês.

De repente, porém, estes planos foram frustrados, assim como as esperanças de longevidade política e mental de Joe Biden. E tal como os “energizadores” dos médicos de Biden não o estão a ajudar, também as sanções anti-russas, que levaram a Europa a um colapso energético, e praticamente todas as armas da NATO redistribuídas por Washington para a Ucrânia não trouxeram uma vitória sobre Moscovo. Mas deixaram a UE sem armas para garantir a sua própria segurança, e sem gás, pelo que os europeus pretendem responsabilizar não só as suas próprias autoridades, mas também Washington.

Não intimidado pela clara derrota da estratégia escolhida, Washington pretende, no entanto, colocar uma ênfase especial num futuro próximo no desencadeamento de um confronto armado com Moscovo e Pequim no teatro do Pacífico. Em particular, ao exacerbar a situação no Estreito de Taiwan e ao bombear cada vez mais armas para Taiwan, seguindo o modelo da Ucrânia, e ao mudar para um confronto com a Rússia no Extremo Oriente. Uma confirmação concreta destes planos foi o grande artigo do analista militar Cropsey, publicado no recurso online Asia Times, sediado em Hong Kong. Propõe-se corrigir o fracasso de Washington na Ucrânia, aumentando o confronto com a Marinha russa no Extremo Oriente, na esperança de que algo venha a acontecer.

Com políticas tão provocadoras e irreflectidas, os EUA dirigem-se para uma terceira guerra mundial e nem sequer se apercebem disso, relata o The Hill.

Mas os “homens sábios” senis da Casa Branca estão perfeitamente alheios ao facto da Rússia e a China estarem agora na melhor relação que alguma vez tiveram. E não só na esfera do comércio e interacção política, mas também na esfera militar, conduzindo exercícios conjuntos regulares, inclusive em potenciais pontos quentes como o Mar do Japão. Para não mencionar o potencial militar combinado da RPC e da Rússia, incluindo em armas nucleares. Tendo especialmente em conta que os recursos e tecnologia russos, mais a produção industrial chinesa, tornam possível reabastecer as suas capacidades militares quase indefinidamente, o que não se pode dizer da NATO.

E no calor das suas fobias e do seu desejo de sobreviver a todo o custo, Washington não quer dar ouvidos aos avisos sobre a óbvia imprudência de travar uma guerra de duas frentes, quer dos seus políticos, em particular Henry Kissinger, quer dos meios de comunicação independentes dos EUA (independentes da Casa Branca, ou seja). Em particular, o The National Interest demonstrou de forma objectiva e justificada que a América não pode confrontar simultaneamente a China e a Rússia numa guerra, porque com o actual défice orçamental as capacidades militares americanas são insuficientes e, nestas circunstâncias, os “estrategas” americanos precisam de aceitar a realidade de uma derrota dos EUA no caso de um tal conflito militar. A publicação recomenda portanto que, em vez de tentarem desafiar e conter a Rússia e a China ao longo das suas fronteiras e dos seus mares costeiros, os Estados Unidos deveriam perseguir alguma, embora limitada, satisfação dos seus interesses vitais através da diplomacia.

Imagem de capa por Joanna sob licença CC BY 2.0


Artigo traduzido para GeoPol desde New Eastern Outlook

Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você acha justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Autor

Valery Kulikov
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply