Gás para o Inverno ou chanceler Olaf Scholz?

Willy Wimmer

Ex-membro do Bundestag


Não se pode ter os dois juntos. Toda a história desde a formação do novo governo alemão em dezembro de 2021 e a visita desastrosa do novo chanceler Olaf Scholz ao presidente americano Joe Biden demonstrou-o


Qualquer pessoa que o tenha visto ainda se pode lembrar do quadro deplorável. Com algumas palavras, o presidente Joe Biden deixou claro que ninguém na Alemanha deveria falar mais de “actos de chanceler” ou de falta de soberania. O presidente Joe Biden precisou de uma frase para deixar tudo claro. Resultado: Ouvimos dizer dia após dia que não temos gás no Inverno para evitar doenças maciças e colapsos económicos. A língua do chanceler Olaf Scholz e a bagagem verde de Morgenthau torna isto claro. “Os alemães têm de ficar debaixo do anzol” é o que ouvimos da boca do chanceler.

Isto faz lembrar horrivelmente os slogans de desespero do passado. “People to arms!”, em tempos passados, fez crescer os flautistas de Hamelin. O desespero da acção do Estado para abrir cada vez mais parafusos de ajuste torna-se mais claro a partir de cada noticiário transmitido. O governo alemão, e com excepção da AfD e do Die Linke todo o Bundestag, ficaram tão enredados num mundo virtual da Ucrânia que apenas uma questão permanece em aberto:

Deve o povo alemão, ou como diz Deutschlandfunk, o grupo de “pessoas sem uma origem migratória” que se encontram no país, mais uma vez enfiá-lo até à ponta amarga e esvaziar o copo de cicuta?

Com um tom quase heróico, os “Habecks deste mundo” pregam a economia da escassez. Apenas aqueles que experimentaram plenamente a RDA há décadas atrás saberão o que significa economia de escassez. É para isto que aqueles que, de acordo com o seu juramento de posse, têm a tarefa de aumentar o bem-estar do povo alemão estão a preparar a Alemanha. Tudo vai por água abaixo, e as reuniões em massa do Chanceler Federal com associações de todos os tipos não ajudarão.

A solução é óbvia: levantar as sanções autodestrutivas e abrir Nordstream 2 para o fornecimento de petróleo alemão e europeu àqueles que declaram uma necessidade. Por que razão deveríamos tornar o nosso destino dependente dos políticos e altos funcionários de Bruxelas dos Estados Bálticos que já estão a contornar as regras de sanções da UE em Königsberg, a fim de expandir a zona de combate entre os Estados Unidos e a Federação Russa? Ou dos representantes polacos que querem aproveitar a oportunidade para agarrar o resto da Prússia Oriental para si próprios.

Nas capitais bálticas há uma tentativa sustentada de redireccionar o Atlântico entre si e os russos. Pode-se falar assim, mas não devemos tornar o nosso destino dependente desta forma de intransigência. Especialmente porque os antigos membros da Academia das Ciências da RDA presumivelmente ainda se lembram de quão consistentemente, desde os dias do socialismo, alguns estados irmãos tinham feito tudo para ancorar a RDA numa posição energética fraca e para fazer recuar os oleodutos para a União Soviética.

Admitir na UE? Estatuto de candidato para a Ucrânia? Queremos trazer os banderistas para a UE ou, seguindo o exemplo do embaixador ucraniano na Alemanha, experimentar que no nosso país, através da veneração pelo Sr. Bandera, aqueles sectores da população ucraniana determinam a nossa política que “não encontram nada de errado” com os nacionalistas ucranianos. Então já se pode determinar que categorias de funcionários são particularmente procuradas em Bruxelas e a UE torna-se, com razão, um objecto de desprezo por outras pessoas neste globo. É precisamente a Ucrânia que há muito vem demonstrando como utilizar o “sector certo” para implementar projectos estatais dirigidos contra estados vizinhos. Em 2018, foi produzido um documento do governo alemão sobre isto, no qual tudo o que vale a pena saber está escrito.

O desenvolvimento que o novo governo alemão tem vindo a tomar desde dezembro de 2021 deixa claro que, a começar pelo chanceler, não resta ninguém do lado do governo em Berlim que possa resolver a questão da existência da Alemanha, que é idêntica à questão da energia, sem uma perda total da face. Aqueles actualmente no poder – e isto não é diferente nos nossos países vizinhos – estão a ficar cada vez mais enredados numa “política de chuveiros” com comprimidos em vez de cortar o nó górdio. Mesmo os pacotes de salvamento financeiro para os serviços públicos municipais não ajudam. Em qualquer caso, temos de nos perguntar a nós próprios se o actual levantamento da propriedade da terra não se destina apenas a descobrir as dimensões por parte do Estado, como e a quem se pode puxar a lã sobre os olhos na Alemanha para cobrir enormes montanhas de dívidas?

As questões conexas sobre a capacidade de acção do governo federal em exercício estão actualmente a atingir um limite mortal.

Vivemos isto de uma forma terrível no Verão de 1999 durante a guerra na Jugoslávia. Só porque havia Gerhard Schröder como chanceler federal é que não fomos enviados pela NATO para uma guerra terrestre contra a Jugoslávia, que estava mesmo ao virar da esquina, e portanto para uma guerra mundial.

Todos os dias lemos comentários inteligentes sobre como na Ucrânia não há muito que nos separe de ver a NATO intervir directa e imediatamente na guerra. Em todo o caso, temos de nos perguntar por quanto tempo isto vai continuar com o que o Ocidente está a fornecer à Ucrânia e o que está a ser avaliado em Moscovo na memória da “Grande Guerra Patriótica”, bem como de Napoleão.

Na Alemanha, precisamos de chanceleres como Gerhard Schröder para nos salvar do pior. Se olhar para Berlim, verá que tal coisa não existe. Com este governo federal, a Alemanha está “costurada até ao limite”.

Imagem de capa por ICAN Germany sob licença CC BY-NC-SA 2.0

Artigo traduzido do alemão para GeoPol desde Apolut

Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você acha justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Autor

Willy Wimmer
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply