O conflito na Ucrânia terminou e a Rússia ganhou; a limpeza longa e sangrenta continua: Scott Ritter

Alfredo Jalife-Rahme

Analista geopolítico, autor e docente


Quem terá razão: Ritter ou Mearsheimer?


Os multimédia monolíticos do Ocidente obscurecem ou distorcem o avanço lento e constante da Rússia com a sua Operação Militar Especial (Putin dixit) na Ucrânia. O WSJ afirma que após seis meses de guerra na Ucrânia, o ímpeto dinâmico balança (sic) contra a Rússia à medida que o “bombardeamento da Crimea pela Ucrânia perturba a estratégia mais vasta da Rússia (on.wsj.com/3R52gUF)”.

O Ocidente mantém uma guerra frenética de propaganda destinada a desestabilizar o regime do Kremlin, enquanto Scott Ritter – um antigo oficial de espionagem dos Fuzileiros Navais que desmantelou a mendacidade das ADM inexistentes na guerra dos EUA contra o Iraque quando era inspector de armas da ONU – afirma que “o conflito na Ucrânia terminou e a Rússia ganhou (bit.ly/3T6ObYN)” e o que se segue é um longo e sangrento medida de limpeza (sic).

Na sequência das previsões sombrias de Kissinger de uma guerra dos EUA contra a Rússia e a China, com características nucleares (bit.ly/3woW2qy), muito ao estilo de Cassandra de Tróia – que acabou por ter razão, o agora notável analista militar norte-americano Ritter – feroz e vilmente perseguido por Baby Bush por ter exposto as suas mendacidades no Iraque – inicia um debate muito esclarecedor com, na minha opinião, o melhor geopolítico norte-americano, John Mearsheimer, sobre o perigo iminente de uma guerra nuclear entre os EUA e a Rússia: Brincar com o fogo na Ucrânia: os riscos subestimados de escalada catastrófica, na Foreign Affairs (fam.ag/3wpjtjL).

Com elegância e respeito, Ritter rejeita os receios de Mearsheimer como infundados, uma vez que os EUA não irão intervir directamente (sic), uma vez que esta não é uma crise existencial (sic) para Washington, que pouco perde com a inevitável derrota de Kiev. Ritter refuta categoricamente a perigosa escalada proclamada por Mearsheimer, uma vez que só há um vencedor no conflito ucraniano, e que é a Rússia. Nada (mega-sic!) pode mudar esta realidade.

Ritter afirma que hoje em dia a Rússia possui a iniciativa estratégica militar, política e económica quando nem os EUA nem a NATO se encontram em posição de escalar, decisivamente ou não, para impedir um triunfo russo que não tem necessidade de uma escalada semelhante. Ritter acha infundado o medo de Mearsheimer de que uma derrota na Ucrânia signifique que os EUA devem juntar-se à batalha, seja porque está desesperado para ganhar ou para evitar que a Ucrânia perca.

Ritter também desafia a advertência de Mearsheimer de que a Rússia pode usar armas nucleares se estiver desesperada para vencer ou se enfrentar uma derrota iminente, o que seria provável se as forças dos EUA fossem arrastadas para a batalha. Ritter desarticula pontualmente este sinistro argumento de Mearsheimer – que pertence à escola neorealista de relações internacionais da Universidade de Chicago: nem a Rússia enfrenta a derrota nem tem nada com que se preocupar existencialmente de uma intervenção militar dos EUA que, de todos os pontos de vista práticos, possa não se materializar, mesmo que os EUA quisessem ser tão imprudentes.

Ritter argumenta que os EUA só têm uma rota: continuar a esbanjar milhares de milhões de dólares dos contribuintes enviando equipamento militar para a Ucrânia, que não tem qualquer hipótese de alterar o resultado no campo de batalha. E orgulha-se de ter respondido a um tweet do presidente Joe Biden – que com Obama foi um actor crucial na expansão da NATO e na asfixia da Rússia utilizando a Ucrânia – que declarou: Que não haja dúvidas de que esta guerra tem sido um fracasso estratégico (sic) da parte da Rússia. Resposta do tweet de Ritter: Esta guerra ficará na história como uma vitória estratégica (mega-sic!) para a Rússia. A Rússia terá parado a expansão da NATO, destruído um covil perigoso da ideologia nazi na Ucrânia, redefinido a segurança europeia ao minar a NATO e demonstrado a proeza militar russa como um grande dissuasor. Quem terá razão: Ritter ou Mearsheimer?

Imagem de capa por Valerian Guillot sob licença CC BY 2.0

La Jornada


Artigo traduzido do espanhol para GeoPol desde La Jornada

Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você acha justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Autor

Alfredo Jalife-Rahme
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply