A pilhagem planeada da Ucrânia

Eamon McKinney

Eamon McKinney

Sinólogo


Os abutres financeiros ocidentais já estão a decidir quem recebe o quê do que resta da carcaça ucraniana, é um exercício em que são bem treinados


Já passaram cerca de cinco meses desde que a Rússia embarcou na sua ofensiva para libertar o povo da Ucrânia Oriental. No início, a efusão de amor e compaixão pelo povo ucraniano a partir do Ocidente colectivo era animadora. Os principais meios de comunicação social, acabados de sair da sua cumplicidade genocida da Covid, entraram com grande potência. A russofobia sobre esteróides era a “coisa nova”. Tudo o que era Rússia tinha que ser proibido e, claro, Putin era o novo Hitler. A blogosfera foi incendiada com um novo tópico com o qual a grande e boa virtude poderia sinalizar o seu caminho para o céu. As bandeiras ucranianas estavam aparentemente por toda a parte e o azul e o amarelo tornaram-se o item de viagem da moda. Líderes ocidentais estavam a lançar-se uns aos outros para denegrir a Rússia e proclamar o seu amor e apoio eterno ao povo ucraniano. Claro que nem todos os ucranianos, nem os falantes de russo no leste que tinham sido bombardeados e assassinados implacavelmente durante os oito anos anteriores, apenas os cidadãos recentemente perturbados que não falavam russo. Esta compaixão selectiva estava em plena exibição, já que todos os políticos fantoches ocidentais entraram em modo de durão para tentarem parecer fortes para um eleitorado que já os desprezava largamente após a Covid.

A Europa Ocidental vai em breve passar por um longo Inverno frio. A escassez de alimentos e de energia, juntamente com uma inflação incontrolável, trará para casa a realidade do verdadeiro custo da guerra. Atingirá duramente um continente que tem experimentado em grande parte uma paz ininterrupta e um relativo conforto desde 1945. Mesmo os mais “virtuosos” dos primeiros amantes da Ucrânia estão a reconsiderar a sua posição. Incluindo muitos dos líderes ocidentais que chegaram à conclusão inescapável de que a Rússia está a ganhar a guerra e os militares ucranianos estão numa posição impossível. Estão a surgir fissuras entre os países membros da UE que geralmente não gostavam uns dos outros para começar. Os políticos em breve terão de responder aos cidadãos que desejarão respostas sobre o porquê de estarem a lutar contra a Rússia e porque não têm calor. Seja qual tenha sido o apoio para a guerra que tiveram no início, que parece ter-se esgotado em grande parte. No entanto, para eles, ou melhor, para os seus senhores, nem tudo está perdido.

Representantes da UE, dos EUA, do Reino Unido, do Japão e da Coreia do Sul reuniram-se no início de julho na Suíça para discutir a cinicamente chamada “Conferência de Recuperação Ucraniana”. Um título mais honesto teria sido “Como os poderes financeiros podem lucrar com a devastação que causámos”, mas eles preferem manobras mais inócuas. Os abutres financeiros ocidentais já estão a decidir quem obtém o quê do que resta da carcaça ucraniana. É um exercício em que eles são bem treinados. A mesma terapia de choque neoliberal imposta à Rússia após o desmembramento da União Soviética é precisamente o que está previsto para a Ucrânia do pós-guerra. Privatização dos bens do sector estatal, reforma das leis laborais (forte na Ucrânia) reforma agrária e venda de terras e bens ucranianos a investidores estrangeiros. Ou, mais claramente, a violação da Ucrânia e a imposição de um Estado empresarial apoiado pelo Ocidente.

Há pouca ou nenhuma discussão sobre qualquer reconstrução, tudo tem a ver apenas com os despojos. Com poucas excepções, o povo ucraniano opõe-se, compreensivelmente, virulentamente a tudo isto.

A mesma maioria dos ucranianos também não gosta do facto do seu outrora orgulhoso país ser dirigido por oligarcas e nazis. Ou que o presidente democraticamente eleito tenha sido derrubado num golpe de Estado apoiado pelo Ocidente em 2014. Ou que todos os partidos da oposição e meios de comunicação social tenham sido encerrados. Ou que arrastaram os seus filhos para uma guerra da qual não queriam fazer parte. As pessoas informadas da Ucrânia sabem muito bem o que aconteceu à Rússia sob a terapia de choque neoliberal, compreendem que o inimigo Putin está a lutar e sabem que o inimigo não é seu amigo.

O Ocidente quer acolher a Ucrânia no caloroso abraço da UE. Isso representa um futuro sombrio para um país há muito despojado dos fundamentos de uma economia outrora sólida. Que benefício poderiam obter se se juntassem a um grupo falido de nações numa experiência globalista falida, ainda não foi devidamente explicado. Enquanto a clique da NATO está interessada na “Integração Ocidental”, muitos ucranianos vêem um futuro melhor olhando para leste em direcção à Rússia. Compreende-se que a Rússia manterá a gestão sobre a Ucrânia Oriental após o conflito. A Rússia irá, sem dúvida, investir na reconstrução e desenvolvimento dessas regiões devastadas pela guerra. O presidente Putin compreendeu isto desde o início, as forças russas têm tido o cuidado de evitar danos desnecessários nas infra-estruturas e baixas civis. A questão, ainda sem resposta, é até que ponto irá a administração de Putin no pós-guerra estender-se? O plano neoliberal do pós-guerra funciona a partir de certas suposições. Sendo a principal delas saber onde as linhas serão traçadas, se pensarem que podem prever o fim do jogo de Putin, podem querer reflectir sobre o facto de que ainda não o fizeram até agora. Inicialmente, a estratégia declarada de Putin era a protecção dos cidadãos em Donetsk e Lugansk e a desnazificação da Ucrânia. Mas esses objectivos mudaram, tendo uma Ucrânia dividida entre o leste e o oeste pode não servir à Rússia. Ter um vizinho amigável com interesses comuns é muito mais do seu agrado. Se a Ucrânia Ocidental cair em mãos ocidentais, ele não tem ilusões, haverá um conflito contínuo de graus variados num futuro previsível.

Há um cenário em que o governo de Kiev cai e foge. Realizam-se eleições abertas e livres e o povo ucraniano decide em que direcção os seus interesses são mais bem servidos. Isto não seria possível com a interferência ocidental, só a Rússia poderia assegurar eleições livres. Se o povo decidir que não quer a terapia de choque neoliberal ocidental e virar-se para leste para a Rússia, sem dúvida o presidente Putin acolheria uma Ucrânia livre e democrática como velhos amigos. Foi isto que o governo da Ucrânia fez em 2014, foi o que impulsionou o golpe de Maidan para substituir o Yanukovych democraticamente eleito por uma marioneta ocidental. Yanukovych tinha decidido que não gostava da oferta do FMI ou das suas condicionalidades e, em vez disso, organizou um melhor acordo “sem compromissos” com Moscovo. Foi aqui que a guerra começou realmente. É sobre esta questão que a guerra pode acabar. Putin resgatou a Rússia dos abutres neoliberais ocidentais, declarou que o neoliberalismo tinha matado mais de três milhões de russos. Numa terra de abundância, as pessoas morreram à fome. Não é do interesse da Rússia ver a mesma coisa acontecer na Ucrânia. O Ocidente nunca perdoou Putin por ter impedido a pilhagem da Rússia, ele sabe que eles o odeiam, ele não se importa. Se ele conseguir fazê-lo novamente e salvar a Ucrânia, o presidente Putin será um homem feliz.

Pouco antes da queda de Berlim em 1945, com as forças ocidentais e russas a aproximarem-se, os berlinenses presos resignaram-se ao seu destino, no entanto havia uma piada por aí, “gozem a guerra, porque a paz será terrível”. Para os ucranianos afortunados por estarem longe da zona de guerra, tenham em atenção. Pois se o Ocidente conseguir o que quer, a paz será realmente terrível.

Imagem de capa por UK Government sob licença CC BY-NC-ND 2.0


Artigo traduzido do inglês para GeoPol desde Strategic Culture

Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você acha justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Autor

Eamon McKinney
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply