Como Washington está a aumentar a temperatura geopolítica em torno de Taiwan

Salman Rafi Sheikh

Doutorando na SOAS University of London


É a tentativa de travar uma luta com a China para reunir o Sudeste Asiático e/ou a região Indo-Pacífico em torno de Washington da mesma forma que os EUA conseguiram restabelecer o seu domínio na Europa


Quando a Rússia iniciou a sua operação militar especial na Ucrânia, começou a desenvolver-se uma percepção, ostensivamente criada pelos principais meios de comunicação social ocidentais, de que Pequim poderia iniciar uma operação semelhante para tomar posse de Taiwan. No seguimento disto, Joe Biden disse numa declaração dos media durante a sua visita ao Japão que os EUA estão dispostos a “envolver-se militarmente na defesa de Taiwan”. Como é evidente agora, a campanha mediática não pretendia ser um sinal a Pequim; era – e é – parte de uma campanha mais ampla para provocar, em vez de advertir, a China de uma acção militar. Esta provocação, os decisores políticos em Washington parecem ter calculado, poderia criar tensões na região numa escala que poderiam utilizar em seu proveito para construir “uma coligação global” contra a China, um objectivo que os funcionários dos EUA têm vindo a procurar construir já há alguns anos.

A tensão em torno de Taiwan é, assim, apenas o último acréscimo à série de tentativas dos EUA para travar uma luta com a China para reunir o Sudeste Asiático e/ou a região Indo-Pacífico em torno de Washington da mesma forma que os EUA conseguiram restabelecer o seu domínio na Europa, na sequência do conflito Rússia-Ucrânia.

Isto é bastante sistemático. Na sequência da declaração de Biden, um senador norte-americano visitou Taiwan para reforçar os laços bilaterais. A Voice of America (VOA) relatou que a visita era necessária devido às “crescentes ameaças chinesas“. A alegação foi feita apesar de não existir na altura nenhuma ameaça directa envolvendo a possibilidade de invasão territorial por parte de Pequim. A ameaça foi fabricada através de propaganda. Por exemplo, um importante jornal francês arrogou a si próprio a tarefa de prever que a “invasão” russa da Ucrânia previa automaticamente uma invasão chinesa idêntica a Taiwan.

Esta propagação sobre a existência de uma ameaça chinesa a Taiwan está a ser sistematicamente difundida. Foi gerado um “paralelo”, como mostra este relatório particular do The Washington Post. O relatório diz, sem mencionar qualquer fonte credível e/ou uma amostra representativa de inquérito de Taiwan, que,

“Para muitos em Taiwan, o assalto russo à Ucrânia é visto como perto de casa por causa de paralelos com a sua própria situação. O povo da ilha vive sob a ameaça constante de um poderoso vizinho autoritário, a China, que reivindica a soberania sobre uma Taiwan democrática e promete tomá-la pela força, se necessário”.

Esta é uma propaganda dos EUA que contradiz os factos. Por exemplo, como mostrou um inquérito conduzido em janeiro pela revista Commonwealth Magazine de Taiwan, o medo real de guerra com a China diminuiu em Taiwan apesar das crescentes tensões entre os EUA e a China. O inquérito também mostrou que cerca de 60% dos taiwaneses não acreditam que Pequim acabará por usar a força para tomar Taiwan. Agora, a questão é: se o povo de Taiwan não prevê uma guerra com a China, porque é que os EUA criam esse medo? Claramente, como indicado acima, o seu objectivo é utilizar o conflito para fazer avançar a sua própria influência geopolítica no Sudeste Asiático, uma estratégia que está a utilizar para manter uma ordem mundial unipolar, dominada pelos EUA, para fazer xeque-mate russo e chinês para criar uma nova ordem mundial multipolar.

Portanto, apesar da ausência de qualquer ameaça real de invasão chinesa, os EUA estão dispostos a aumentar a temperatura enviando Nancy Pelosi, a oradora da Câmara dos Representantes, a Taiwan. Se Pelosi se deslocar a Taiwan, esta será a primeira visita deste tipo por um alto funcionário dos EUA desde 1997. O facto desta visita – que indica uma tentativa concertada dos EUA de colocar Taiwan efectivamente na sua órbita como uma provocação à China – está a ser deliberadamente planeada no meio do conflito em curso entre a Rússia e a Ucrânia mostra como, em linha com a propaganda global discutida acima, está a ser arbitrariamente imposto um paralelo sobre a situação na Europa e no Sudeste Asiático.

Contudo, embora sejam os EUA a impor esta visita e a criar tensões desnecessárias, os meios de comunicação social americanos pensam que a culpa é de Pequim. Um relatório no The Atlantic afirma que a verdadeira fonte de tensão é que “Pequim parece ter passado a acreditar que pode obrigar vizinhos e adversários a submeterem-se aos seus desejos e alinharem as suas políticas com os interesses da China”.

O exército americano está a desempenhar o seu próprio papel, com as suas declarações a sincronizarem-se perfeitamente com a propaganda que está a ser difundida tanto através dos especialistas políticos como dos meios de comunicação social. O Pentágono alertou recentemente para um súbito pico de comportamento “directo, agressivo, inseguro” da China contra as forças militares americanas e parceiras”. Um secretário adjunto do Pentágono acusou a China de “má conduta diversa, incluindo interceptações de aeronaves a uma distância perigosamente próxima e a libertação de objectos no ar que poderiam comprometer o motor de um avião”.

Para evitar a “má conduta” chinesa, os meios de comunicação social norte-americanos relataram que um grupo de transportadores norte-americanos entrou no Mar do Sul da China. Este movimento acrescenta, muito logicamente, à ameaça propagada de uma iminente invasão chinesa, bem como ao compromisso de Biden de defender militarmente Taiwan.

A campanha para criar um paralelo entre a Europa (conflito Rússia-Ucrânia) e o Sudeste Asiático tem um paralelo interessante com a forma como os principais meios de comunicação social norte-americanos fizeram campanha pela invasão do Iraque pelos EUA em 2003. Como todos sabemos hoje, este foi um completo embuste que os EUA usaram para se entrincheirarem militarmente no Médio Oriente. Todos sabemos hoje que a invasão do Iraque pelos EUA criou as condições para a emergência do Estado Islâmico no Levante, que então se tornou a fonte de milhões de mortes e inúmeras misérias para ainda mais.

A propaganda da invasão chinesa é um embuste semelhante. Portanto, embora a administração Biden tenha dito que não tem qualquer controlo sobre a visita de Pelosi devido à separação “rigorosa” de poderes entre o legislativo e o executivo dos EUA, permanece que a visita faz parte de uma campanha mais ampla dos EUA para fabricar um conflito em torno da China. É apenas através do conflito que os EUA se podem expandir no Sudeste Asiático e/ou na região Indo-Pacífico. Sem um tal conflito, ou tensões extremamente exacerbadas, os EUA não podem implementar a sua grande estratégia Indo-Pacífico, que, de acordo com o documento político, é a melhor forma possível de Washington realizar os seus objectivos, ou seja, circundar a China “revisionista”.

Imagem de capa por manhhai sob licença CC BY 2.0

New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Telegram, VK e Facebook

Autor

Salman Rafi Sheikh

Leave a Reply