EUA tentam levar Erdogan a um canto – mas sem sucesso

Washington esperava talvez que o aumento das tensões com a Grécia encorajasse a oposição interna às políticas do Recep Erdogan, mas o efeito foi de facto o oposto

Por Vladimir Platov


A administração de Joe Biden está actualmente a perder em todas as frentes da sua política externa, mas ele ainda tem esperança de sucesso, se é que em mais lado nenhum, no seu confronto com o líder turco Recep Erdogan, para que ele possa demonstrar ao mundo e ao público dos EUA, que ainda há alguma “pólvora no cano”. Esta consideração assumiu uma importância especial para Joe Biden e a sua equipa nos dias que antecederam a viagem do presidente dos EUA ao Médio Oriente, que prometia poucas hipóteses de vitória para a Casa Branca. A viagem de Joe Biden à Arábia Saudita acabou, de facto, por ser um fracasso total – nada fez para melhorar a sua imagem e não produziu resultados positivos nem em termos de negócios petrolíferos nem em termos da influência da Rússia na região. Face a este fracasso, Washington precisou de encontrar um bode expiatório, e escolheu o Recep Erdogan.

A Casa Branca percebeu que livrar-se do presidente turco, como esperava, não vai ser uma tarefa fácil, e por isso intensificou as suas maquinações, numa tentativa de o encurralar. Uma das suas tácticas foi inflamar tensões entre a Turquia e a Grécia no Mediterrâneo Oriental. As relações entre os dois países não são fáceis neste momento, dadas as exigências da Turquia para que Atenas desmilitarizasse certas ilhas do Mar Egeu perto da fronteira turca e os seus desafios à soberania da Grécia sobre estas ilhas. No final de junho, Recep Erdogan adoptou a abordagem bastante pouco diplomática de publicar tweets ameaçadores em grego, exigindo que a Grécia desista das suas reivindicações territoriais no Mar Egeu, e referindo-se à guerra de 1919-1922 entre os dois países: “Avisamos uma vez mais a Grécia para evitar sonhos, declarações e acções que levem ao arrependimento, como fez há um século…” Também advertiu que a Turquia “não hesitará em decretar direitos reconhecidos por acordos internacionais sobre a desmilitarização das ilhas”. Num tweet posterior, acusou a Grécia de “oprimir” as minorias turcas na Trácia Ocidental, Rodes e Kos, e apoiar o terrorismo internacional, uma referência às relações de Atenas com os curdos. A Grécia, por sua vez, acusa a Turquia de violar o espaço aéreo grego, e de levar a cabo actividades ilegais de exploração de hidrocarbonetos ao largo da costa de Chipre – uma região que, afirma a Grécia, se insere na sua zona económica exclusiva.

Nos últimos 200 anos houve numerosas guerras entre a Grécia e a Turquia – a Guerra da Independência grega em 1821-1829, e subsequentes conflitos em 1897, 1912-1913, 1919-1922, e, no Chipre, em 1974. Mas a Grécia só conseguiu vencer com o apoio de poderosos aliados, incluindo a Rússia. Actualmente, contudo, como um dos principais apoiantes das sanções do Ocidente contra a Rússia, a Grécia não pode contar com o apoio de Moscovo. Também é pouco provável que Atenas obtenha muito apoio dos EUA, uma vez que nos últimos anos se verificou uma mudança acentuada na atitude de Washington em relação aos seus estados vassalos e mesmo às suas obrigações ao abrigo de acordos internacionais. A recente decisão de Washington de apoiar a Grécia em vez da Turquia na região do Mediterrâneo Oriental é um exemplo flagrante de tal mudança.

Quanto aos pontos fortes relativos das forças armadas gregas e turcas, aqui Atenas fica claramente atrás de Istambul – o exército grego pode ser grande, mas devido à falta de financiamento o seu armamento está muito desactualizado e as suas tropas estão mal treinadas. A Turquia, por outro lado, tem o segundo exército mais poderoso da NATO, depois dos EUA.

O impasse entre a Grécia e a Turquia, ambos membros da NATO, já dura há muito tempo, mas intensificou-se nos últimos anos à medida que as relações entre Washington e a Turquia se deterioraram e a Grécia substituiu a Turquia como principal aliado dos EUA na região. A nova aliança militar no Mediterrâneo Oriental foi recentemente formalizada através de um acordo entre os dois países sobre apoio militar a longo prazo, ao abrigo do qual a Grécia irá acolher mais quatro bases militares dos EUA.

Washington esperava talvez que o aumento das tensões com a Grécia encorajasse a oposição interna às políticas do Recep Erdogan, mas o efeito foi de facto o oposto – o público turco reuniu-se em torno do seu presidente. A 20 de junho, o jornal da oposição turca Cumhuriyet publicou um artigo de Mehmet Ali Guler, apelando à Turquia para “cortar os laços com a NATO” e analisando como a sua saída da aliança poderia afectar o equilíbrio de poderes na região. E, de acordo com o jornal grego Vima, citando uma entrevista com o comentador Erdogan Karakus para o canal de televisão turco Haber Global, houve mesmo apelos beligerantes dentro da Turquia para que o país “atacasse os EUA” se estes últimos prestassem assistência à Grécia.

Bem ciente da necessidade da Turquia de actualizar a sua Força Aérea, Washington está a fazer uso da situação para exercer pressão sobre Ancara. Assim, embora na sequência do encontro entre Joe Biden e Recep Erdogan em Madrid no início deste ano, o Congresso aprovou o fornecimento de caças F-16 à Turquia, Washington condicionou recentemente o fornecimento à Turquia demonstrando a sua vontade de cumprir a linha política da Casa Branca. Primeiro, um grupo de congressistas norte-americanos assinou uma declaração em que se opunha à venda dos jactos à Turquia. E depois Washington exigiu a Ancara que interrompesse as suas relações com a Rússia como condição prévia para o fornecimento dos jactos. Parece que os EUA só estão prontos a vender o seu material militar a países que partilham os seus valores. Segundo um relatório da agência de imprensa grega AMNA, essa foi a posição tomada pelo Senador Robert Menendez, Presidente da Comissão de Relações Externas do Senado dos EUA.

A Câmara dos Representantes dos EUA também obstruiu a venda, ao aprovar uma emenda ao orçamento da defesa impedindo os EUA de transferir os jactos para a Turquia, a menos que o governo turco garanta que não serão utilizados para violar o espaço aéreo grego.

Em resposta a estas medidas, a Turquia reiterou o seu apoio às políticas do Recep Erdogan, não fazendo segredo do facto de que os sentimentos anti-americanos estão a crescer no país. Por exemplo, de acordo com o jornal turco Aydinlik, Dogu Perincek, presidente do Vatan Partisi, ou Partido Patriótico, apelou ao governo turco para cancelar a sua ordem para os F-16 por razões de segurança nacional.

Tendo em conta os antecedentes acima referidos, é interessante especular sobre o conteúdo da reunião privada entre Recep Erdogan e o presidente russo Vladimir Putin no dia 19 de julho. Especialmente desde que os aviões militares russos demonstraram a sua clara superioridade dos jactos americanos tanto na Síria como na Ucrânia. Além disso, nos últimos meses, a Turquia e a Rússia têm intensificado a sua cooperação em projectos da indústria de defesa e, numa entrevista publicada no jornal turco Milliyet em dezembro passado, Ismail Demir, presidente das Indústrias de Defesa da Turquia, declarou que os dois países podem trabalhar em conjunto no desenvolvimento de jactos TF-X turcos. Ao contrário dos EUA, a Rússia não imporá à Turquia quaisquer condições que vão contra os seus interesses, nem empurrará a Força Aérea turca para um canto, recusando-se a servir os seus aviões quando a Turquia mais precisa deles, como os EUA são bastante capazes de fazer caso os seus interesses estratégicos assim o exijam.

Imagem de capa por AMISOM Public Information sob licença CC0 1.0

New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Telegram, VK e Facebook

Autor

Vladimir Platov

Leave a Reply