A guerra dos 30 anos da Ucrânia no limiar de um conflito nuclear EUA-Rússia

Alfredo Jalife-Rahme

Analista geopolítico, autor e docente


As ameaças nucleares têm ido longe demais entre a Rússia e os Estados Unidos


Estamos a assistir a uma terceira guerra de 30 anos na Ucrânia – a primeira foi travada na Europa Central entre católicos e protestantes (1618-1648; https://amzn.to/3amWbDe) e a segunda no intermezzo da Primeira e Segunda Guerras Mundiais – de acordo com a notável avaliação de Jeffrey Sachs (https://bit.ly/3NRPgzQ).

A terceira guerra dos 30 anos iniciada por Washington, na Ucrânia, contra Moscovo – que retoma a “primeira guerra híbrida global (https://bit.ly/3RiawSb)” – traduz-se numa guerra por procuração entre os EUA e a Rússia que pode degenerar numa guerra nuclear a qualquer momento.

A neoconservadora straussiana Evelyn Farkas (EF), uma fanática húngaro-americana e raivosa israelita de 54 anos (https://bit.ly/3uwr536), não teme a guerra nuclear enquanto a ordem internacional da NATO for preservada, numa entrevista conjunta com o notável cientista político John Mearsheimer da Universidade de Chicago (https://to.pbs.org/3uyTO7h): não creio que devamos ser dissuadidos pelo medo de que [Vladimir Putin] utilize armas nucleares. Não o podemos descartar, mas também penso no objectivo que temos agora, com os riscos tão elevados. Trata-se da ordem internacional.

EF, directora executiva do Instituto McCain, foi assistente do secretário da Defesa – para a Rússia, Ucrânia, Eurásia, que inventou a interferência russa na eleição de Trump – e colabora na Farkas Global Strategies Corp. Consultancy, da linhagem genealógica geopolítica da cazariana Madeleine Albright e Zbigniew Brezezinski.

Três dias mais tarde, Dmitry Rogozin (DR) – chefe da Roscosmos, a agência espacial russa – respondeu que “numa guerra nuclear, os países da NATO seriam destruídos por nós em meia hora (super-mega-sic!)”. Mas não o devemos permitir (https://bit.ly/3OVTQ11)”. Ele admitiu que as consequências iriam certamente afectar o estado do planeta.

DR observou que os países da NATO estão a travar uma guerra não declarada contra a Rússia.

O Tribune comentou que “a Rússia testou com sucesso o seu míssil balístico intercontinental Sarmat capaz de transformar vários planadores (gliders) hipersónicos Avangard” com cargas úteis nucleares indetectáveis (sic).

As ameaças nucleares têm ido longe demais entre a Rússia e os Estados Unidos. Já 9 dias antes do rebentamento da belicosa EF, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo Sergei Lavrov (SL) tinha apontado para os “graves riscos de uma guerra nuclear sobre a Ucrânia (https://bit.ly/3angLTZ)”.

SL avisou de uma escalada para uma terceira guerra mundial e que a NATO está essencialmente envolvida numa guerra por procuração com Moscovo, fornecendo armas à Ucrânia. Em vez de se tratar de uma “guerra de externalização”, através do offshoring dos EUA, que a NATO controla, contra a Rússia até ao último soldado ucraniano.

SL comentou que a Rússia estava a fazer o seu melhor para evitar uma guerra nuclear a todo o custo quando “os riscos são consideráveis (…) O perigo é grave, real e não deve ser subestimado”.

Enquanto a NATO perde a sua guerra militar na Ucrânia e a sua guerra geoeconómica e financeira contra a Rússia, enquanto a sua imponente guerra de propaganda é ofuscada, o loquaz chanceler da aflita União Europeia (UE), Josep Borrell, depois de ter condenado a situação na Ucrânia a ser definida no campo de batalha (https://bit. ly/3uzGxLI) – alucinando com o triunfo do comediante Zelensky, aconselhado militarmente pelo seu filho de 9 anos (sem brincadeira) – agora, três meses mais tarde, tomou a hilariante fuga de informação, humilhando-se a si próprio de que a UE não queria uma guerra contra a Rússia (https://bit.ly/3OUHmXH).

Mais bizarramente, Biden afirmou não querer uma guerra nuclear com a Rússia, ao mesmo tempo que se auto-alimentava da fogueira nuclear em Kiev através da sua ajuda militar de 56 mil milhões de dólares à Ucrânia – definida como o país mais corrupto da Europa – enquanto o seu presidente, o comediante Zelensky, envolvido nos Pandora Papers, é proprietário de uma casa de 8 milhões de dólares em Israel e de uma vila de 34 milhões de dólares em Miami (https://bit.ly/3Pd1TX5).

Imagem de capa por The U.S. Army sob licença CC BY 2.0

La Jornada

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Autor

Alfredo Jalife-Rahme

Leave a Reply