A guerra na Ucrânia aproxima-se rapidamente do seu desfiladeiro

Toda a lamentável saga ucraniana ainda tem algum caminho a percorrer. O que é certo é que o resultado final não terá qualquer semelhança com as absurdas fantasias anti-russas que actualmente substituem o pensamento político real no Ocidente

Por James ONeill


A guerra na Ucrânia está a atingir rapidamente um ponto crucial, com as forças russas a aproximarem-se inexoravelmente cada vez mais do controlo total do Donbass. Assim que o Donbass estiver completamente sob o controlo dos russos, é uma questão em aberto de saber até que ponto avançarão no Estado da Ucrânia. Neste momento, não mostram qualquer inclinação para parar o seu avanço e provavelmente continuarão até controlarem toda a região costeira até à cidade de Odessa, inclusive.

As tácticas das forças ucranianas são difíceis de determinar de um ponto de vista racional. Parecem inclinadas para um caminho actualmente suicida, com as suas forças a tentarem defender posições aparentemente impossíveis. A escolha racional teria sido que tivessem recuado há semanas, quando ainda tinham a opção de o fazer. Em vez disso, parecem empenhados em cumprir as exigências irracionais do presidente ucraniano de se manterem firmes, independentemente das perdas maciças que estão a sofrer e do manifesto absurdo da sua posição.

Os números actuais sugerem que os ucranianos estão a perder até 1000 homens por dia, quer mortos, feridos ou capturados. O seu presidente parece, no entanto, ter a intenção de insistir que eles fiquem e lutem, mesmo perante a esmagadora evidência de que tal abordagem é, na melhor das hipóteses, suicida. Zelensky parece acreditar, ou pelo menos esperar, que as suas exigências cada vez mais extremas em relação às armas americanas irão magicamente salvar o dia. Há uma série de razões pelas quais isto diz mais sobre a medida em que ele perdeu o contacto com a realidade do que sobre um plano viável para a vitória ucraniana.

A primeira razão é que os Estados Unidos simplesmente não têm à disposição as armas que Zelensky está a exigir. A segunda razão é que mesmo que essas armas pudessem ser fornecidas, levaria semanas, se não meses, até que os ucranianos fossem suficientemente treinados na sua utilização para serem uma arma eficaz contra os russos. A terceira razão é que os russos estão a capturar e/ou a destruir qualquer armamento que os ucranianos recebam mais rapidamente do que aqueles que podem ser substituídos.

Num mundo racional, os ucranianos estariam a admitir que a sua causa é desesperada e a processar pela paz. Esse tempo já passou. Era uma possibilidade que o acordo pudesse ter sido alcançado após a reunião entre as partes em Istambul, em março deste ano. Zelensky concordou com os termos de um acordo nessa reunião. O acordo durou o tempo necessário para que o lado ucraniano regressasse a Kiev.

Há vários relatos sobre o que levou os ucranianos a mudar de opinião e a continuar a lutar em vez de alcançar uma solução pacífica para o conflito. O relato mais plausível é que os britânicos, sob a forma do primeiro-ministro Boris Johnson, se opuseram fortemente ao acordo e persuadiram os ucranianos a resistirem ao acordo a que tinham chegado.

Esta foi uma decisão totalmente contrária aos interesses ucranianos. Parece que Boris Johnson é a última pessoa que resta no Reino Unido que acredita que os ucranianos têm alguma perspectiva de sucesso. Uma visão muito mais realista foi recentemente transmitida nos Estados Unidos pelo tenente-coronel Daniel Davis. Falando na Fox News, o coronel Davis disse que não havia nenhuma base racional sobre a qual acreditar que a guerra pudesse ser invertida. Também não havia uma base racional para acreditar que os ucranianos pudessem prejudicar seriamente a Rússia, quanto mais ganhar a guerra.

Esta é uma visão racional que contrasta com as opiniões tomadas por Boris Johnson. Johnson parece obcecado nas suas opiniões, que começam com uma profunda antipatia pela Rússia e colorem tudo o resto no seu pensamento. A própria posição de Johnson no Reino Unido parece cada vez mais ténue. Ele sobreviveu recentemente a um voto de desconfiança no seu próprio partido, mas o consenso é que ele recebeu apenas um adiamento que não o salvará a longo prazo. Muitos comentadores dão ao seu primeiro-ministro apenas mais semanas, na melhor das hipóteses.

O problema é que qualquer um dos prováveis sucessores de Johnson tem uma antipatia irracional semelhante em relação à Rússia. A mudança na liderança no Reino Unido não equivaleria necessariamente a uma mudança de política.

A irracionalidade de Johnson foi recentemente acompanhada pela do ministro dos negócios estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, que falou de uma vitória iminente da Ucrânia na guerra, e da eventual reconquista tanto do Donbass como da Crimeia. É este nível de irrealidade que está a levar o governo ucraniano a insistir que os seus combatentes continuem a combater os russos, embora estejam agora a perder 1000 por dia em mortos, feridos e capturados.

Agora é provavelmente demasiado tarde para uma solução negociada para a guerra. Qualquer coisa que os ucranianos possam dizer, simplesmente não se acreditará. Os russos têm memórias vívidas do acordo de Minsk de 2015, que os ucranianos concordaram mas nunca implementaram. Neste contexto, foram ajudados e incentivados pela Alemanha e França, dois outros signatários do acordo que tinha sido assinado. Com esta história não é de surpreender que os russos já não tenham qualquer fé no que quer que os ucranianos possam dizer.

Reforça a máxima de que o melhor guia para o comportamento de uma pessoa no futuro é a sua conduta no passado. A Ucrânia simplesmente perdeu qualquer reivindicação em que pudessem ter tido de acreditar. O retrato mais brutalmente realista do futuro é que a Ucrânia será desmembrada com diferentes partes caindo para a Rússia, Polónia e possivelmente Hungria. Qualquer concha que restar depois de estes países terem levado a sua peça permanece para ser vista. Zelensky proibiu recentemente nove partidos da oposição (um acto de comportamento antidemocrático que ficou totalmente sem menção no Ocidente), pelo que se vê claramente com algum papel nos resíduos da Ucrânia que restam. Resta saber se os fanáticos de direita que realmente governam o país partilham dessa visão. É francamente de duvidar.

Toda a lamentável saga ucraniana ainda tem algum caminho a percorrer. O que é certo é que o resultado final não terá qualquer semelhança com as absurdas fantasias anti-russas que actualmente substituem o pensamento político real no Ocidente.

Imagem de capa por manhhai sob licença CC BY 2.0

New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Telegram, VK e Facebook

Autor

James ONeill

Leave a Reply