Delirium Sapiens

O restabelecimento do equilíbrio através da destruição maciça é inevitável, a menos que seja introduzido um factor sobrenatural

Por Marco Della Luna


Para as oligarquias do Ocidente e mesmo do resto do mundo, uma solução viável seria a preconcebida por George Orwell em 1984, nomeadamente estabilizar uma condição de guerras múltiplas em todo o mundo. Com a gestão de pandemias e campanhas de vacinação, poderia também haver uma substituição gradual da actual economia e finanças baseadas no consumo de matérias-primas por um novo sistema económico baseado no consumismo de medicamentos e vacinas, que têm um baixo impacto ambiental e que dariam assim origem a um consumismo sustentável.

Temos uma inflação elevada principalmente devido à especulação e ao movimento dificultado de bens, o que está a contribuir para a concentração da riqueza.

Temos também uma tendência recessiva, que reduziu as perspectivas de crescimento da Europa para este ano em cerca de metade, mas que as teria reduzido para mais de metade se não fosse o impulso residual do forte crescimento do ano passado.

Temos uma gigantesca e cada vez mais instável pirâmide financeira invertida, composta por dívidas públicas e privadas, acções, derivados, inflacionada durante mais de 10 anos por dinheiro injectado na economia especulativa sem ter em conta a economia produtiva.

Temos os ciclos da economia produtiva perturbados pela dinâmica da economia especulativa, que agora não tem ciclos reais, mas prossegue em explosões destrutivas.

Nesta situação, a restrição do crédito e o aumento das taxas não só exacerbaria certamente a recessão, com repercussões de desgaste social, como tornaria insustentável a supracitada giga-dívida (que se baseia na capacidade dos rendimentos para pagar juros) e rebentaria a sua bolha, com consequências catastróficas.

A receita tradicional para sair da recessão combinada com a inflação prescreve investimentos maciços em infra-estruturas públicas para aumentar a produtividade, produção, emprego e rendimento. No entanto, estes investimentos teriam de estar em dívida, pelo que são de viabilidade duvidosa para muitos países. Além disso, não é certo que funcionassem e, em qualquer caso, levaria cerca de dois anos para identificar as intervenções, elaborar os planos com comparações custo-benefício, adjudicar os contratos e iniciar os estaleiros de construção.

Recordo que isto já foi mencionado de forma pragmática nos meses que antecederam o 11 de setembro, depois de todos os estímulos fiscais à economia estagnada nos EUA terem falhado. E foi acrescentado que o único grande investimento público que pode arrancar rapidamente é a guerra. De facto, o 11 de setembro desencadeou este tipo de investimento, a partir do qual começou uma nova bolha imobiliária e financeira, destinada a rebentar em 2008. E assim, em 1940 foi a guerra que tirou os EUA do colapso de 1929.

Do ponto de vista das oligarquias do Ocidente e também do resto do globo, uma solução válida, que poderia levar todos a concordar seria então a preconizada por George Orwell em 1984, ou seja, estabilizar uma condição de guerras múltiplas em todo o mundo, que legitimaria e faria todos os povos aceitarem a adopção de uma economia de guerra indefinida, com gestão de comando de recursos com a possibilidade de impor racionamento, controlos, supressão de dinheiro, monetização e financiamento decididos a nível político, juntamente com uma forte regimentação social, um forte controlo da informação, uma forte imposição de um pensamento político único com criminalização e discriminação dos dissidentes, uma substancial unanimidade pró-governamental das forças políticas, como já temos actualmente, particularmente em Itália. Esta configuração permitiria fazer com que as pessoas ‘compreendessem’ e assim aceitassem o que as elites querem, e prevenir e reprimir os protestos e a organização da resistência, incluindo a resistência sindical. O quadro é significativamente semelhante ao das guerras incessantes de 1984: são guerras crónicas, entre alguns grandes blocos que dominam todo o planeta, sem um resultado decisivo, permitindo às elites dominantes o controlo de todos os recursos e informações e mesmo de todos os direitos. Permitem-lhes enganar e, ao mesmo tempo, galvanizar a população com uma representação propagandística da realidade, uma reescrita ajustada do passado histórico.

A criação de um tal sistema de controlo social e económico poderia permitir evitar um colapso económico-financeiro e, assim, também uma crise de consenso e obediência popular, ou seja, evitar um confronto.

Isto é a prazo imediato, enquanto a curto prazo, em combinação com a gestão de pandemias e campanhas de vacinação, poderia levar a uma solução para o problema ecológico e o esgotamento das matérias-primas, através da substituição gradual da economia e finanças actuais baseadas no elevado consumo de matérias-primas e energia com elevadas emissões poluentes, um sistema que poderia ser substituído por outro baseado no consumismo de medicamentos e vacinas, que têm um baixo impacto ambiental e que, portanto, dariam origem a um consumismo sustentável, capaz de absorver uma grande parte do rendimento disponível da grande maioria da população, feito (também através da manipulação dos meios de comunicação social) dependente de drogas e vacinas, e portanto imuno-comprometido, perpetuamente empenhado na defesa da sua saúde, distraído por problemas socio-económicos e incapaz de se rebelar.

Paralelamente, desenvolve-se um sistema de sociedade supervisionada e regulamentada através da pontuação social, ou seja, a obediência, já amplamente implementada na China, onde o acesso aos serviços e direitos públicos está condicionado a comportamentos conformes às regras estabelecidas pelos detentores do Estado e instituições, com uma forte redução da espontaneidade, da liberdade e, portanto, da imprevisibilidade do homem.

Tendo chegado a tal ponto, estaríamos apenas a um passo de resolver o problema demográfico, porque a população estaria agora sob gestão zootécnica.

Creio que esta é a linha evolutiva mais provável, porque está mais de acordo com os interesses das oligarquias dominantes e com as possibilidades oferecidas pela tecnologia. E, ao mesmo tempo, é a mais adequada para resolver a crise ecológica que agora se faz sentir através das alterações climáticas.

Esta linha evolutiva poderia ser quebrada por possíveis catástrofes climáticas envolvendo uma grande redução populacional, ou por uma guerra mundial nuclear e/ou envolvendo a utilização extensiva de super vírus e super bactérias numa função genocida. Há também uma ampla disponibilidade de tais agentes patogénicos.

Em suma, de uma forma ou de outra, o restabelecimento do equilíbrio através da destruição maciça é inevitável, a menos que seja introduzido um factor sobrenatural.

Imagem de capa por Ricardo Nuno

Italicum – Periodico di cultura, attualità e informazione

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Autor

Marco Della Luna

Leave a Reply