A “desglobalização política (sic) neoliberal” impacta na França e na Colômbia

Alfredo Jalife-Rahme

Analista geopolítico, autor e docente


As eleições francesas mostram que a antiga dicotomia entre esquerda e direita do século XVIII foi ultrapassada na própria França


A actual desglobalização neoliberal financeira tem o seu reflexo na desglobalização neoliberal política (sic), tal como detectada nas eleições na França e na Colômbia, mas também na erupção da revolta indígena contra o globalista neoliberal Guillermo Laso no Equador: um artefacto vulgar do efémero TikTok (https://bit.ly/3y3qNlh).

Em apenas dois meses o presidente francês, Emanuel Macron – antigo empregado do banco Rothschild -, reeleito para mais um mandato de cinco anos, sofre uma “bofetada na cara (Washington Post dixit), perdendo a sua maioria absoluta (245 lugares com 38,6% dos votos), o que põe em risco as suas reformas globalistas neoliberais face à ascensão da coligação de esquerda – NUPES com 131 lugares (31,6%), liderada por Jean Luc Mélenchon (JLM) – e o tsunami da extrema-direita do Marine Le Pen (MLP), que pela primeira vez conquistou 89 lugares (17,3%). Foi a vingança dos coletes amarelos. Assim, Macron, duramente criticado por ser elitista e distante dos problemas urbanos e rurais dos cidadãos, encontra-se preso entre Cila, da coligação de esquerda e Caridbes, da extrema-direita, o que, de acordo com os hermenêuticos da política interna, augura uma ingovernabilidade, se não conduzir ao caos.

Apesar de obter uma maioria legislativa – o que não lhe facilita a aprovação das suas controversas reformas neoliberais contra a maré histórica – a catástrofe de Macron abala toda a Europa, pois a França é a única potência nuclear na União Europeia de 27 nações que poderia ficar órfã e ser deixada à mercê do arsenal nuclear da dupla anglo-saxónica da UE/Grã-Bretanha (GB) no seio da NATO. Ganhou Putin e perdeu o comediante Zelensky nas eleições legislativas francesas, quando tanto Mélenchon como Le Pen são anti-europeus e anti-NATO?

Macron não beneficiou da sua demagógica visita eleitoral a Kiev, onde teve um bizarro abraço com Zelensky, que acabou por se repercutir no eleitorado francês rebelde. De uma forma invulgar, e não sem precedentes, a assembleia exibe três pólos totalmente opostos, ao ponto de o chamado jornal de direita Le Figaró alegar que “Macron tem a prova de uma França ingovernável (https://bit.ly/3zTtTL6)”.

Le Soir afirma que o resultado também é preocupante para a Europa, uma vez que a única energia nuclear europeia está enfraquecida face a “grandes crises (guerra na Ucrânia, recuperação económica, crise ambiental) com uma assembleia tão dividida que, sem dúvida, nunca foi tão anti-europeia (https://bit.ly/3n4uim2)”.

As eleições francesas mostram que a antiga dicotomia entre esquerda e direita do século XVIII – curiosamente emanada da definição topográfica dos realistas girondinas, que se sentavam à direita, e dos jacobinos, que se sentavam à esquerda – foi ultrapassada na própria França – onde a actual dicotomia entre globalistas neoliberais e “soberanistas nacionalistas (https://bit.ly/3HGspWg)” prospera mais.

Na França e na Colômbia, uma revolta dos cidadãos contra o modelo globalista antropófago neoliberal tomou forma, com diferentes entoações. Na Colômbia é mais dramático, porque desde a primeira volta o Uribismo de Medellín, um irmão simbiótico do calderónismo fugaz e voraz no México, foi humilhado.

Para além da vitória estreita do esquerdista Gustavo Petro sobre o empresário de extrema-direita Rodolfo Hernández, que enterra militar e teoricamente o paramilitarismo do narco-uribismo, chamou a atenção as felicitações imediatas do secretário de Estado, o cázaro Antony Blinken, quando os EUA têm nove bases quasi-militares (https://bit.ly/3QEdIag)” que ainda não foram objecto de qualquer questionamento (https://bit.ly/3bkQlm9). Muito pelo contrário: Blinken está surpreendentemente interessado em reforçar as relações (sic) com Petro, que, a propósito, promete uma agenda ambientalista verde não muito diferente da do Partido Democrata dos EUA.

Imagem de capa por Global Panorama sob licença CC BY-SA 2.0

La Jornada

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Autor

Alfredo Jalife-Rahme

Leave a Reply