As guerras energéticas e alimentares encostam Biden à parede

Alfredo Jalife-Rahme

Analista geopolítico, autor e docente


Putin é claramente bem aconselhado por Sergey Glazyev, um notável economista russo cujas teorias sobre economia física prevalecem sobre a economia financeira especulativa da dupla anglo-saxónica da Wall Street e da City


A Rússia vence a guerra económica imposta pela UE-NATO – que controla uma União Europeia (UE) irreconhecível – quando o petróleo e o gás subiram para a estratosfera, enquanto o rublo, agora a moeda mais poderosa do mundo, está a negociar a menos de 61 para o dólar.

O Wall Street Journal faz um grande ponto de vista: Não se ria (sic): “A Casa Branca quer fazer painéis solares e bombas de calor para deter Vladimir Putin“.

Biden culpa a guerra de Putin na Ucrânia pela sua emergência energética – que coloca em risco o fornecimento de electricidade cinco meses antes das eleições intercalares – através da emenda de produção de defesa, exumada desde a guerra contra a Coreia, a fim de impulsionar os painéis solares e outras energias limpas. O problema das energias renováveis – solar (nota: três quartos dos seus módulos vêm do Sudeste Asiático) e eólica – é a sua natureza intermitente que depende dos caprichos do tempo.

Biden também culpa Putin pela subida irreprimível dos preços da gasolina, a inflação mais alta dos últimos 40 anos e o desenrolar da crise alimentar mundial. Até agora, não o culpou pela crise surreal da comida para bebés nos EUA.

Uma vez que usamos aqui o método dialéctico, é conveniente ouvir o ponto de vista do presidente Putin que, numa entrevista à Rossiya 1 TV, pôs a nu a manipulação financeira de Wall Street por detrás da crise alimentar, muito antes da sua operação militar na Ucrânia: “a oferta de dinheiro nos EUA cresceu 5,9 biliões de dólares em menos de dois anos, desde fevereiro de 2020 até ao final de 2021, com uma produtividade sem precedentes (sic) das máquinas de impressão de dinheiro”, quando a taxa total de liquidez cresceu 38,6%.

Putin considera isto um “erro (megasic!) das autoridades económicas e financeiras dos EUA, que nada tem a ver com as acções da Rússia na Ucrânia, não há qualquer correlação”.

Putin é claramente bem aconselhado por Sergey Glazyev, um notável economista russo cujas teorias sobre economia física prevalecem sobre a economia financeira especulativa da dupla anglo-saxónica da Wall Street e da City (Londres), e cujo trabalho recente vale bem a pena consultar.

Na opinião de Putin, a impressão desregulada do fornecimento de dinheiro por Wall Street “foi a primeira fase – imensa – em direcção à actual situação alimentar desfavorável” que imediatamente disparou. E no entanto Putin não aborda a manipulação do cartel alimentar anglo-saxónico, o seu famoso ABCD: ADM-Bunge-Cargill-Dreyfus.

Ele também se mostrou favorável às políticas energéticas verdes da UE que exageraram as capacidades das energias alternativas, que não podem ser produzidas “nas quantidades necessárias, com a qualidade exigida (sic) e a preços aceitáveis” (sic) quando, ao mesmo tempo, começaram a diminuir a importância dos tipos de energia convencionais, incluindo, acima de tudo, os hidrocarbonetos.

Putin deduz que o resultado de tudo isto foi que “os bancos deixaram de emitir empréstimos (…) As companhias de seguros deixaram de garantir as liquidações. As autoridades locais deixaram de garantir contratos, deixaram de atribuir parcelas de terreno para expandir a produção e reduziram a construção de transportes especiais, incluindo gasodutos”, o que levou a uma escassez de investimentos energéticos e à subida dos preços: os ventos não foram tão fortes como se esperava no ano passado, o Inverno foi adiado e os preços subiram instantaneamente, e com a subida dos preços do gás vieram os preços crescentes dos fertilizantes, que os anglo-saxões agravaram ao impor sanções aos fertilizantes russos.

A sombria escuridão que paira sobre a Casa Branca é agora compreensível, segundo o portal Politico.

Imagem de capa por Paul and Cathy sob licença CC BY 2.0

La Jornada

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Leave a Reply