Noutras notícias: Alemanha vai financiar a nova máquina de guerra

A notícia de que os deputados alemães aprovaram um fundo de 107 mil milhões de euros para reforçar as suas forças armadas é presságio, revelador, e motivo de reflexão. Afinal, o que poderia correr mal se os alemães decidissem gastar mais do que qualquer outra nação, excepto os EUA ou a China?

Por Phil Butler


É claro que a aliança ocidental está a sugerir que os alemães estão apenas a responder a décadas de críticas de que a Alemanha não se manteve fiel aos acordos de apoio à NATO no passado. Mas, poucos acreditam que o objectivo de Berlim é assumir a “responsabilidade” de proteger o bloco. A Alemanha está numa situação difícil devido ao papel de liderança do país na guerra contra a Rússia, tanto economicamente como em termos de apoio material. A retórica está a aquecer, como revela esta declaração da ministra dos Negócios Estrangeiros Annalena Baerbock:

“Este é o momento em que a Alemanha diz que estamos lá quando a Europa precisa de nós”.

E todos na Europa e no estrangeiro sabem como os alemães amam e cuidam dos seus irmãos e irmãs da UE e da NATO. A seguir, os anúncios para o Quarto Reich mostrarão crianças gregas e romenas a serem codificadas por jovens líderes alemães de olhos azuis vestidos com camisas castanhas coloridas.

Os alemães chegaram ao ponto de alterar a constituição do país para permitir a construção de uma nova elite Panzer e uma legião Luftwaffe. E para aqueles que duvidam que a NATO tenha criado a actual crise na Ucrânia para sangrar a Rússia, foram precisos exactamente três dias após a Rússia ter sido forçada a uma acção militar perante o chanceler Olaf Scholz para prometer um orçamento especial de 100 mil milhões de euros para rearmar os militares alemães e modernizar o seu equipamento ultrapassado.

É uma acção bastante rápida para um bando de burocratas alemães prometerem somas enormes da única coisa com que os políticos da UE se preocupam. Não acha? Bem, qualquer pessoa que possa analisar a geopolítica objectivamente, sabe esta resposta. Portanto, não foi surpresa quando a Rússia deu o golpe, acusando a Alemanha de “remilitarizar” e relembrando o passado nazi. Para muitos especialistas, a notícia significa simplesmente uma guerra alargada na Europa.

Finalmente, com a maior parte do orçamento sugerido destinado aos caças F-35 multi-funções de marca alemã dos EUA, é bastante óbvio quem está por detrás do novo Reich Europeu, liderado pela Alemanha. Scholz pode também estar a trabalhar no Departamento de Estado dos EUA, dado o seu papaguear da administração Biden. Ainda recentemente o chanceler alemão fez eco da ideia de que “Putin não pode ditar a paz na guerra”, dizendo que os russos “não vencerão”.

A parte verdadeiramente triste de tudo isto é que a liderança destes países não tem qualquer responsabilidade por políticas que já estão a prejudicar mais de mil milhões de almas. Os alemães pagarão por estas novas armas, e os países da UE seguirão o exemplo. Aqui na Grécia, o F-35 já está em ordem para combater os batalhões fantasmas e os turcos, que são vilipendiados e temem ser diariamente transmitidos na televisão grega.

E os executivos e investidores da Lockheed Martin estão a sorrir e a esfregar as suas mãos sobre as quotas de produção que se avizinham. Notícias de que a empresa já está a duplicar a sua produção de mísseis Javelin anti-tanque, que causam pesadelos de dinheiro de sangue “à vietnamita”.

Estes são tempos desesperados e perigosos. E o povo parece impotente para fazer qualquer coisa para impedir o cataclismo que se avizinha. Apesar de políticos como a senadora republicana Deb Fischer deter acções em empresas como a Lockheed Martin enquanto dirigia uma subcomissão dos Serviços Armados do Senado dos EUA, os eleitores de Atenas a Washington, parecem indefesos ou apáticos ao apocalipse que se aproxima.

Imagem de capa por Paul sob licença CC BY-NC-ND 2.0

New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Telegram, VK e Facebook

Leave a Reply