Coronavírus chega à Coreia do Norte

Lamentavelmente, isto aconteceu e o autor começa uma série de artigos sobre o aspecto da situação no momento, bem como sobre as causas e consequências prováveis deste facto

Por Konstantin Asmolov


A cronologia dos acontecimentos até agora é aproximadamente a seguinte: nenhum caso de infecção por coronavírus foi oficialmente notificado no país desde que a pandemia começou. Em julho de 2020, as autoridades comunicaram um caso suspeito da doença num homem que tinha atravessado ilegalmente a fronteira. Kim Jong-un convocou uma reunião de emergência do politburo. Todos aqueles em contacto com o caso provável foram colocados em quarentena, mas no final acabou por se revelar uma infecção viral respiratória aguda comum.

No dia 8 de abril de 2022, a Organização Mundial de Saúde divulgou informações sobre a situação da epidemia de COVID-19 na Coreia do Norte: cerca de 2.700 pessoas com sintomas semelhantes aos do quase coronavírus, trabalhadores da saúde e funcionários aduaneiros e fronteiriços foram testados entre 17 e 31 de Março. Todos os testes foram negativos.

Em abril de 2022, o tráfego de comboios de carga na rota entre a cidade chinesa de Dandong e a cidade fronteiriça norte-coreana de Sinuiju, iniciada em Janeiro, foi suspenso, aparentemente devido a um pico nos casos da COVID-19 nas províncias chinesas de Liaoning e Jilin, que partilham uma fronteira com a Coreia do Norte. Por outro lado, a análise de imagens de satélite feita pela NK Pro mostra que a RPDC está a concluir os trabalhos num centro de quarentena e desinfecção perto da estação ferroviária de Tumangan e a preparar-se para retomar o tráfego de carga com a Rússia.

A 24 de abril, o jornal norte-americano Washington Post, citando uma reportagem do Relator Especial das Nações Unidas para os Direitos Humanos na Coreia do Norte, Tomás Ojea Quintana, relatou que apenas dois países no mundo – Coreia do Norte e Eritreia – não vacinaram as suas populações contra a COVID-19. Na avaliação de Quintana, as restrições relacionadas com a COVID-19, incluindo o encerramento das fronteiras, parecem ter evitado um surto do vírus a nível interno, embora a “um custo significativo para a saúde pública e agravando ainda mais os problemas na economia”.

Tudo somado, nada predizia problemas. No entanto, no dia 6 de maio, os meios de comunicação social da Coreia do Sul relataram que a Coreia do Norte tinha ordenado aos seus cidadãos que permanecessem nas suas casas na quarta-feira por razões não especificadas, revogando a ordem no dia seguinte. Alguns sugeriram que a ordem pode ter sido desencadeada por casos de febre no país.

A 9 de maio, a Coreia do Norte apelou novamente à intensificação dos esforços para impedir a propagação da COVID-19 em meio a casos crescentes de febre. Ao mesmo tempo, os serviços secretos sul-coreanos sugeriram que a quarentena temporária estivesse ligada à COVID-19.

A 10 de maio, os residentes de Pyongyang foram novamente obrigados a permanecer encerrados em casa, tendo fontes da NK News descrito a razão como um “problema nacional” não especificado. As reuniões da noite foram canceladas e formaram-se filas de espera nas paragens de autocarros. No entanto, um diplomata estrangeiro a trabalhar em Pyongyang disse à NK News que as instruções a curto prazo para ficar dentro de casa não eram invulgares. Mesmo antes do início da pandemia da COVID-19 em 2020, o próprio recurso relatou repetidamente casos de cidadãos na capital a serem aconselhados a permanecer em casa por medo da COVID-19 chegar ao país durante tempestades de pó vindas do estrangeiro.

A 11 de maio, notou a NK News, a quarentena em Pyongyang continuou, mas os meios de comunicação estatais continuaram a funcionar como habitualmente. A observação através da zona desmilitarizada das zonas fronteiriças do norte também não revelou nada de especial.

A 12 de maio, a agência KCNA confirmou oficialmente o primeiro caso de infecção por COVID-19. Como se verificou, testes recolhidos a 8 de maio de “doentes com febre numa organização da capital” detectaram “omicron furtivo”. No mesmo dia, o Politburo, presidido por Kim Jong-un, realizou uma reunião, cujo tema principal foi a formulação de uma resposta de quarentena. Criticando as agências relevantes por “descuido, promiscuidade, irresponsabilidade e incapacidade”, Kim Jong-un ordenou um encerramento a nível nacional, “medidas para mobilizar material médico de emergência” e um regresso ao mais alto nível de medidas de quarentena que foram impostas no início da pandemia.

A infiltração do vírus foi descrita como “a emergência mais grave a nível nacional”, e o líder da RPDC apareceu pela primeira vez com uma máscara. No mesmo dia foi revelado que “desde finais de abril, uma febre desconhecida espalhou-se bruscamente pelo país, com mais de 350.000 doentes com febre alta registados num curto período, entre os quais mais de 162.200 foram tratados”. No entanto, os documentos da KCNA não se referem àqueles diagnosticados com coronavírus, mas sim a pacientes “febris”, que podem incluir tanto os que têm COVID como os que simplesmente têm febre alta, uma vez que desde 2020 têm havido sintomas suficientes de infecção respiratória viral aguda para se qualificarem para o registo especial e quarentena.

Deve ser feita uma menção especial ao seguinte facto. Enquanto o “regime de auto-isolamento” funcionava, a propaganda anti-Pyongyang como o Daily NK [de Seul] continuava a dizer ao público que este não era o caso: notícias falsas foram espalhadas sobre aldeias completamente extintas, sobre soldados em unidades de quarentena que não recebiam assistência, sobre Kim Jong-un a deixar Pyongyang e a ir para um lugar isolado. Mas quando a descoberta da pandemia aconteceu, nem o Daily NK, nem outros “bocais” de propaganda de natureza semelhante, escreveram qualquer coisa sobre o assunto.

Numa reunião do Politburo no dia 13 de maio, Kim Jong-un disse que o surto de “febre de origem desconhecida” foi o maior choque para a RPDC desde a sua fundação, e pediu que se aprendessem lições do sistema avançado de quarentena para conter a propagação da COVID-19 noutros países, incluindo a China. Mas a doença estava a alastrar como um incêndio florestal. Como resultado, Kim emitiu um decreto de emergência para o fornecimento imediato e atempado de medicamentos das reservas estatais e ordenou a mobilização e destacamento de unidades médicas do exército).

No mesmo dia, foi noticiado que a Coreia do Norte tinha pedido à China material e equipamento de quarentena, e que estavam em curso consultas.

Os dados mais recentes sobre a propagação da epidemia, que o autor possuía antes de enviar o texto ao editor, eram de 17 de maio de 2022: de uma população de cerca de 25 milhões, 1.715.950 pessoas ficaram doentes, 1.024.720 recuperaram e 691.170 estão a receber tratamento. O número de mortes é de 62.

Como é que o coronavírus entrou na RDPC? Algumas organizações protestantes marginais e de extrema-direita já começaram a especular que estão envolvidas, mas fazem-no com muita cautela porque tais declarações poderiam ser entendidas como uma admissão de terrorismo utilizando armas biológicas. Esta versão não pode ser completamente descartada, mas o cenário mais provável é ainda que a fonte seja a cidade fronteiriça chinesa de Dandong, onde o surto teve lugar. A julgar pelo facto de mesmo os materiais oficiais da KCNA falarem de “pessoas doentes numa determinada organização”, pode acontecer que, em meio ao restabelecimento parcial dos laços comerciais, algum oficial tenha regressado com a estirpe “omicron furtivo”, que é difícil de detectar e altamente infecciosa.

Até que ponto pode o país enfrentar o surto sem causar um colapso do sistema de saúde? Felizmente, apesar das elevadas taxas de infecção e de um número muito substancial de casos, o ómicron tem uma taxa de mortalidade mais baixa. Portanto, se a Coreia do Norte adoptasse a estratégia que a Coreia do Sul apresentou na sequência do omicron (não hospitalizando todos os doentes, mas apenas aqueles que precisam de cuidados sérios), o fardo sobre o sistema médico seria aliviado.

É evidente que com a entrada da COVID no país, a política médica do Norte irá mudar. No passado não tomavam vacinas da OMS, Coreia do Sul, Rússia e China, confiando na quarentena e explicando que a vacinação não dá uma garantia de 100%, especialmente contra novas estirpes, e é preciso confiar na quarentena. Mas agora podem ser necessárias medidas adicionais, e correm rumores de que a assistência chinesa, e possivelmente russa, está a caminho.

Por quanto tempo poderá o país sobreviver a um regime de quarentena quase total sem prejudicar a sua vida social e económica? Esta é a questão mais difícil, que depende da percepção de um determinado perito sobre a dimensão do “fundo de emergência do regime”. O autor sente que algumas semanas irão decorrer relativamente normalmente, mas a questão é saber até que ponto as cidades conseguirão assegurar alimentos e material médico em condições de encerramento. O exército está mobilizado e espera-se que consiga fazer face a esta situação.

Como irá ter impacto no desenvolvimento do programa de mísseis nucleares? Curiosamente, existem dois cenários de desenvolvimento opostos. A primeira sugestão é que o Norte enfatizará que a pandemia não é motivo para aumentar a pressão e usar a situação epidemiológica como alavanca para “vacina em troca de desnuclearização”. E assim, eles “desnudarão os dentes” – afinal, o último lançamento foi a 12 de maio. O segundo pressuposto é que o Norte não terá tempo para novos lançamentos ou testes nucleares: isto não despertará a simpatia de Moscovo e Pequim, cuja ajuda é importante.

E as relações inter-coreanas? Uma vez que “a COVID não conhece nenhuma nacionalidade” e é vista como um problema global, esta poderia ser uma boa oportunidade para “estender ao Norte uma mão amiga” sem colocar condições adicionais à ajuda. A Coreia do Sul está bem ciente desta questão: apesar da linha mais dura declarada contra o Norte e os seus lançamentos, Yoon Seok-yeol e a sua administração responderam imediatamente com uma vontade de ajudar. Contudo, ainda não há resposta a Seul, e para uma visão mais detalhada da resposta internacional à penetração do coronavírus na Coreia do Norte.


New Eastern Outlook

Imagem de capa por Roman Harak sob licença CC BY-SA 2.0

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Leave a Reply