A corrida dos globalistas contra o tempo

Eamon McKinney

Eamon McKinney

Sinólogo


Um Grande Reinício irá acontecer, mas não o pretendido pelos globalistas. Talvez tenham de se contentar com o Grande Desacoplamento


A economia verde, a desindustrialização, os passaportes de saúde digitais, as moedas digitais do Banco Central, todos estes são componentes centrais do plano dos globalistas para o Grande Reinício. O Fórum Económico Mundial (FEM) pintou um quadro do seu futuro proposto através de Klaus Schwab e dos seus acólitos. “Não teremos nada, não possuiremos nada e seremos felizes”. O principal obstáculo a esta grande visão é que não surpreende que muito poucos países desejem alinhar com ela. Os globalistas sabem que o seu jogo está a chegar ao fim e o Grande Reinício é a sua forma de assegurar que a mesma cabala financeira que trouxe o mundo ao seu actual estado lamentável continue a governar sobre todos na próxima ordem mundial. Os opositores mais proeminentes a este plano insidioso são, naturalmente, a Rússia e a China. Ao contrário dos seus homólogos ocidentais, ambos têm líderes fortes que gozam de apoio popular, têm economias fortes e estão optimistas quanto às perspectivas futuras de crescimento. Nenhum deles pretende sacrificar os seus países para que as elites ocidentais possam manter o seu controlo sobre o sistema económico global e impor a sua vontade de auto-servir às nações mais fracas. O que, nos seus termos mais simples, é a razão pela qual ambos os países precisam de ser destruídos, pelo menos economicamente, antes que a Grande Reposição possa ser imposta ao mundo. O tempo, porém, não está do lado dos globalistas, acontecimentos recentes têm demonstrado que eles estão conscientes disto e estão a acelerar as suas linhas de tempo.

O Grande Reinício e os seus objectivos declarados estão no planeamento há vários anos, mas esses planos estão agora seriamente atrasados. A eleição de Trump em 2016 não deveria ter acontecido. Ele foi para Washington como o derradeiro “Cisne Negro”. Um outsider sem o apoio de um partido político e com a aparência de todos os meios de comunicação social contra ele, a sua vitória foi considerada praticamente impossível. No entanto, ele ganhou, e parecia ter passado os quatro anos da sua presidência inteira a lutar contra a facção globalista, tanto a nível internacional como dentro da América. Washington sentiu-se enganada, não só Trump era um “estranho”, como era também um perturbador. Opiniões à parte sobre Trump, ele era indiscutivelmente um “America First Nationalist”, ele era anti-NATO e um anti-globalista vociferante. Não haveria um Grande Reinício sob Trump, ele era um obstáculo à agenda e tinha de ser removido. O que em 2020, numa eleição flagrantemente fraudulenta, aconteceu. Se Trump voltasse a concorrer em 2024 e todas as indicações fossem de que o faria, provavelmente ganharia uma eleição honesta num deslizamento de terras. O regresso de Trump constituiria outro grande obstáculo à agenda globalista. Espera-se que todos os esforços sejam despendidos para impedir outra presidência de Trump. Com uma população zangada e um maior escrutínio eleitoral da próxima vez, poderão ter de recorrer a outras medidas para impedir o regresso de Trump. Caso Trump volte a entrar na Casa Branca em 2024, espera-se que o notoriamente vingativo Trump procure prestar contas contra aqueles que acredita terem-lhe roubado a sua eleição por direito. Os nervos estão desgastados em Washington e eles sabem que o tempo está a passar.

Trump atrasou a agenda quatro anos e estão agora a jogar contra o relógio para compensar o tempo perdido, todas as evidências sugerem que estão a ficar cada vez mais desesperados. Os recentes convites feitos à Suécia e à Finlândia para “acelerarem” a adesão à NATO são mais uma provocação à Rússia. Putin quer acabar com o conflito na Ucrânia nos seus próprios termos e retirar-se, não se deixa encalhar num atoleiro que se arrastaria por anos. A NATO quer exactamente isso. Cortejar a Suécia e a Finlândia é a sua tentativa de assegurar anos de conflito e tensão. Putin compreende tudo isto demasiado bem. Ao passarem de uma má ideia para outra, deve ser dada atenção à pressa indecente em que se movem. Parece que eles estão a inventar coisas à medida que avançam, tudo sem qualquer sentido óbvio de consequência.

A perspectiva de Trump 2.0 não é a única questão sensível ao tempo que os globalistas enfrentam. A economia global está à beira da implosão. O Sri Lanka entrou recentemente em incumprimento no que diz respeito às suas dívidas internacionais. Isto irá criar imediatamente um buraco de pelo menos 500 mil milhões de dólares na economia global. De forma alarmante, segundo o Banco Mundial, mais de 70 outros países encontram-se numa situação económica igualmente perigosa. Para a maioria das suas dívidas são impagáveis, e a solução do FMI de ajustamento estrutural (austeridade) privatizações, e cortes nos serviços do governo, iria consignar estes países a gerações de privação e agitação social. Ou, poderiam repudiar completamente a dívida e abandonar o modelo bancário ocidental. Tanto a China como a Rússia têm alternativas ao SWIFT e acolhem os países que querem escapar à plantação financeira neoliberal. Ambos oferecem investimento para o desenvolvimento, não-interferência e respeito pela soberania dos países. Tudo isto valorizado por todos os países, mas inalcançável sob o domínio ocidental. Muito em breve serão tomadas decisões por países do Sul Global sobre com quem querem alinhar os seus futuros.

Uma nova proposta apresentada à ONU a 22 de maio exige essencialmente que todas as nações entreguem a sua soberania à OMS, no caso de outra pandemia. Que eles pensariam mesmo que o pós-Covid da OMS goza desse nível de confiança, é ilusório. Esta tomada de poder transparente é facilmente reconhecida pelo que é, na improvável eventualidade de ganhar tracção suficiente, esperar que outra pandemia se siga pouco tempo depois. A cabala ainda tem os instrumentos para cajular, subornar e ameaçar os países a submeterem-se, e sem dúvida que tentará, mas fora dos países ocidentais capturados, uma acção tão desesperada granjeará escasso apoio. Covid não conseguiu iniciar a Grande Reinício, mas desencadeou uma onda de destruição na economia global que pode levar gerações a reparar. Muitas questões sobre a má gestão criminosa de Covid permanecem sem resposta. Há poucas nações que não nutrem profundo ressentimento em relação à notoriamente corrupta e inepta OMS e ao seu genocida Sugar Daddy Bill Gates. A pura audácia da proposta cheira a desespero. A próxima votação é susceptível de dar aos globalistas mais uma forte recordação do seu poder e influência decrescente.

Um Grande Reinício irá acontecer, mas não o pretendido pelos globalistas. Em vez disso, poderão ter de se contentar com o Grande Desacoplamento. Como a influência ocidental continua a diminuir a um ritmo acelerado, a tendência dos países que se aglomeram na órbita da China/Rússia está destinado a aumentar. A NOM que têm vindo a cobiçar há gerações é susceptível de se restringir à Europa Ocidental e à América do Norte, ou cerca de 15% da população mundial. Os efeitos da desastrosa provocação da Ucrânia e as sanções falhadas tornar-se-ão em breve inegáveis. A escassez de alimentos e energia, juntamente com a inflação incontrolável, tornará ainda mais difícil controlar esta NOM mais pequena. O Imperador não tem roupa, como todos podem agora ver, o seu jogo é velho, cansado e previsível, e eles não têm ideias novas. Os globalistas podem não ter de se preocupar com um regresso Trump em 2024. É altamente provável que o relógio já se tenha esgotado nessa altura. Isto pode acontecer a qualquer dia.

Strategic Culture

Imagem de capa por World Economic Forum sob licença CC BY-NC-SA 2.0

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

1 Comment

Leave a Reply