Os becos cegos da política europeia

Alastair Crooke

Alastair Crooke

Diplomata e ex-agente de Inteligência


As crises estão a decorrer, cada vez mais depressa, muito para além das capacidades de resposta das estruturas rígidas e das mentalidades da UE


O resultado das eleições francesas voltou a demonstrar a rigidez da sociedade europeia, que torna quase impossível a perspectiva de um governo forte e orientado (ou seja, transformador), do mal, digamos, de Gaulle, emergir hoje em dia a nível nacional. No entanto, quando tal rigidez nacional é tomada em combinação com a supranacional europeia, “uma vez que o tamanho não serve a nenhuma” incapacidade institucional da UE para responder às especificidades de situações complexas, obtemos um imobilismo “pleno” – a impossibilidade de mudar a política de qualquer forma significativa, na maioria dos estados da UE.

A Europa tem vindo a seguir durante uma década com o seu “merkelianismo” de gestão, que pode ser definido como uma relutância arraigada em tomar decisões difíceis; em punir os problemas espalhando o “molho” liberalmente; e em inclinar-se – de uma forma ou de outra – para a esquerda ou para a direita em conformidade, à medida que o vento sopra. Tem sido uma época de decisões fáceis, para além de decisões fáceis, e pouco através da resolução de problemas estruturais.

Contudo, isto levou a UE a um beco sem saída – precisamente quando enfrenta a guerra na Europa, e quando os fogos de uma inflação grave já foram acesos, com chamas a lamber o céu, expondo os eleitorados domésticos às suas duras vicissitudes.

Macron é amplamente impopular em França. É visto como distante e arrogante, e como tendo falhado em provocar uma mudança política ou económica significativa. No entanto, apesar disso, e apesar de ter conseguido apenas 4 em cada 10 votos franceses na primeira volta, ele ganhou a Presidência de forma convincente. Porquê? E porque é que, contra este pano de fundo, Le Pen, que melhorou a sua posição, nomeadamente na maioria das comunas em França, não se saiu melhor na segunda volta, onde perdeu depois o apoio? Ela dirigiu uma campanha competente e não deu nenhum passo em falso notável no debate televisivo.

Aqui reside a rigidez estrutural (uma não confinada à França, sozinha): Le Pen tem este ‘rótulo’ colado – ela é ‘extrema-direita’, os meios de comunicação social insistem incessantemente. Aqui, não se trata de concordar ou não com as suas políticas específicas, mas sim de assinalar o paradoxo de que – objectivamente – as suas políticas, tal como apresentadas, se assemelham mais às da rival Mélenchon vinda da nova esquerda francesa, do que às do status quo Macron.

A esquerda está mais próxima da direita (Le Pen), do que do Centro (Macron). No entanto, os dois primeiros não se podem ligar – a esquerda em França está psicologicamente condicionada a unir-se ao centro contra a direita, por mais díspares que sejam os seus programas. Os principais meios de comunicação social comprados são invariavelmente coniventes neste ‘arranjo’ centrista.

O resultado da segunda fase de Le Pen também não foi o resultado principalmente por ela ser vista como pró-Putin – na Rússia, NATO, Ucrânia e Putin, havia pouco para a distinguir de Mélenchon.

O rótulo foi suficiente: 42% dos eleitores de Mélenchon apoiaram Macron na segunda volta, embora na sua maioria o detestem. A política de identidade (inventada pela primeira vez pelos franceses no sé. XVIII), e popularizada de novo por Hillary Clinton em 2016, é a arma: a esquerda não se pode levar a votar num candidato “extrema-direita”, aconteça o que acontecer. O centro e a esquerda são compelidos a unir-se contra ela. Este é o facto estrutural de grande parte da política europeia.

Mélenchon, ao que parece, quer prevalecer nas eleições para a Assembleia de junho, e pensa-se que tem aspirações a ser primeiro-ministro, onde, naturalmente, irá co-habitar com o presidente status quo. O Parlamento pode ter uma representação mais forte, mas essencialmente seria: plus ça change …!

Estas tácticas de imobilização centrista por parte das euro-élites são amplamente prosseguidas. Em Itália, uma coligação centrista impopular é formada pelos partidos eleitores mais fracos, com os quais se pode contar para se afastar do teste das eleições gerais. Estes partidos associam-se, então, a uma classe de cosmopolitas de esquerda de gestão-profissional – o centro – que beneficiam do status quo – a fim de manter os populistas e a direita em baixo – e fora. Macron fez o voto 3:1 em Paris. Na Grã-Bretanha, 90% dos círculos eleitorais de Londres eram “Restantes” sólidos.

O resultado, tipicamente – políticos europeus impopulares persistem com o seu impopular status quo político estatal-corporativo.

Então, não será “apenas política” como habitual? Sim, mas tem o seu preço: imobilismo, e crescente alienação. O poder e o dinheiro gravitam para o centro metropolitano à custa dos municípios, e de lá, drenam para Bruxelas, impermeável à inquietação popular, ao protesto e ao empobrecimento.

Anos de política excludente por parte dos praticantes do status quo têm desnudado muitos estados europeus da perspectiva de fazer qualquer mudança significativa. Os vasos para uma transformação propositada foram deliberadamente murchados; os próprios “blocos do centro” estão frequentemente obsoletos e exaustos; e a política de sangue vermelho é rejeitada.

O integracionismo gerencial actual é intencionalmente criado em oposição directa e antagónica a todas as formas de nacionalismo, como se fossem anti-europeus. No entanto, existe uma coisa como a Cultura Europeia que de alguma forma nos une, na nossa diversidade, nem que seja como uma memória alojada nas camadas mais profundas do nosso ser.

Esta última não é a estepe plana das actuais mensagens monolíticas e concertadas da UE. No final do século XV, a Renascença (que se estende por toda a Europa) nasceu da renovação do contacto com o espírito da Antiguidade (Civilização Europeia) – não apenas para o copiar, mas como solo fértil no qual o novo poderia criar raízes.

No entanto, historicamente, a Europa esteve no seu ponto mais forte quando diversos estados competiam culturalmente.

Agora a França será preeminente e espera construir as estruturas militares no seio da UE para lhe dar também predominância à segurança militar, como única potência nuclear e membro permanente do Conselho de Segurança da ONU.

Se Macron atingir os seus elevados objectivos dependerá da sua capacidade de convencer e persuadir os outros líderes a seguir o seu exemplo, a forjar consensos e a intermediar acordos concretos, em vez de apenas agitar e discutir. Entre os obstáculos que Macron poderá enfrentar nos próximos anos está a resistência instintiva colectiva à perspectiva da hegemonia francesa.

E é aqui que a segunda ordem de rigidez estrutural desempenha o seu papel. A Europa enfrenta duas grandes crises: A Ucrânia e a inflação (com os seus incêndios já a arder intensamente). E esta rigidez limitará muito a possibilidade da UE de gerir estas questões de forma competente – ou, se é que o fará, de todo.

Em relação a esta última (inflação), o Tratado de Maastricht conferiu independência absoluta ao Banco Central Europeu, que opera sem qualquer dos contrapesos – Congresso, Casa Branca, Tesouro – que rodeiam a Reserva Federal dos EUA, inserindo-a num cenário político em que é publicamente responsável. Ao contrário de qualquer outro banco central, a independência do BCE não é meramente estatutária, as suas regras ou objectivos podem ser alterados por decisão parlamentar – está sujeita apenas à revisão do Tratado.

Mesmo que “a introdução do Euro numa zona monetária fundamentalmente imperfeita tenha sido um enorme erro, o mesmo se aplica a qualquer anulação desse erro”, uma vez que a dissolução da Zona Euro seria “equivalente a um tsunami de regressão económica bem como política”. Daí a “armadilha” em que se encontra a Europa: Não pode avançar, nem recuar. O BCE não pode acabar com a Flexibilização Quantitativa (sem criar uma crise para Itália e França), nem pode aumentar as taxas de juro para combater a inflação em alta (sem criar uma crise de dívida soberana, conhecida como “spread baixo”).

Em relação à inflação, a França desempenha o papel de ser um dos “homens doentes da Europa” (os sobreendividados). Não está, portanto, em melhor posição para liderar – e, em qualquer caso, uma verdadeira reforma exigiria uma renegociação do Tratado da UE que é um “não-não” para a maioria dos estados.

O que distingue a UE como uma estrutura política diferente de qualquer outra, porém, é a presunção de consenso (e os protocolos que daí decorrem) um sistema concebido para excluir a imprevisibilidade do debate público ou desacordo político. O mesmo padrão é mais elevado quando as decisões são transmitidas ao Conselho, onde a decisão resultante deve ser ungida com fotografias de família e comunicados unânimes.

O imperativo do consenso é tudo. Isto explica porque é que a elaboração de políticas da UE é tão secreta, e falta o que é elementar à vida política a nível nacional – disputa política aberta e normal. É também a razão pela qual a UE é tão rígida, e incapaz de se reformar fundamentalmente.

É no Conselho Europeu que Macron teria de pisar com ligeireza. Ele não será capaz de tomar “consenso” sobre uma questão emocionalmente carregada como a Ucrânia ou a Rússia como um dado adquirido. Embora todos os estados membros sejam tecnicamente iguais, e possam bloquear decisões de acordo com os interesses nacionais, a realidade, evidentemente, é que com grandes disparidades entre países, a Alemanha e a França comandam de facto os procedimentos devido à sua dimensão e poder. Uma vez que nem sempre estão de acordo, e quando estão, nem sempre podem insistir, nem todas as decisões do Conselho são uma tradução da sua vontade. Nada é “um dado adquirido”.

O conflito na Ucrânia, em particular, põe em evidência uma maior rigidez. Como George Friedman deixou claro, em questões de política de segurança, Washington não lida com a “Europa” – ela passa por cima dela: lidamos antes com estados: com uma Polónia ou uma Roménia”: Não fazemos a ‘Europa’ colectiva.

Enganoso! Os EUA, juntamente com certos estados europeus, estão a verter (ou pelo menos a tentar verter) armas pesadas e sistemas de mísseis na Ucrânia. Sim, estes estados também estão a alargar o conflito, criando “pontos quentes” na Transnístria, Moldávia, Arménia, Nagorno-Karabakh, Geórgia, Cazaquistão, Quirguizistão, e Paquistão – para distrair Moscovo. E aprofundar a guerra por procuração (alegando, inter alia, que a sua informação em tempo real fez cair um avião russo de transporte de tropas – “matando centenas”).

Em suma, eles estão a definir o rumo da guerra. Será que a UE tem uma agência significativa numa situação destas? Provavelmente não.

Estas crises estão a decorrer, cada vez mais rapidamente, muito para além das capacidades de resposta das estruturas rígidas e das mentalidades da UE. A UE “funciona” institucionalmente, se é que funciona, melhor em “tempo justo”. Está a ser testado para o ponto de ruptura, pelo início do mau tempo, para o qual simplesmente não está adaptado nem a nível supranacional nem nacional.

Strategic Culture

Imagem de capa por  Lorie Shaull sob licença CC BY-SA 2.0

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Telegram, VK e Facebook