A guerra dos EUA na Ucrânia é na realidade contra a Alemanha e a Europa

Por Valentin Katasonov


Sabe-se que qualquer sanção económica é acompanhada de um efeito bumerangue (consequências negativas para o Estado que iniciou as sanções). A força do impacto de um bumerangue varia muito de país para país. O efeito bumerangue é muito mais forte para a Europa do que para os Estados Unidos. E dentro da UE, a propagação dos efeitos negativos é também muito grande.

As sanções de 2014 (“pela Crimeia”) variaram muito na força do efeito bumerangue. Um estudo de Matthieu Crozet e Julian Hinz tentou calcular as perdas sofridas pelo Ocidente devido à redução das exportações de mercadorias para a Rússia até meados de 2015. As perdas ascenderam a 60,2 mil milhões de dólares e apenas 17,8% dessas perdas foram devidas à introdução de contra-sanções por Moscovo. Os restantes 82,2 por cento são perdas que podem ser chamadas de “tiro no pé”. 76,7% destas perdas (mais de 46 mil milhões de dólares) foram sofridas pelos países da UE. E apenas 23,3% correspondiam ao resto dos países ocidentais (EUA, Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Suécia, Suíça, etc.).

Dentro da UE, o resultado negativo da primeira vaga de sanções é também muito diferente. O estudo “Lições das sanções da UE contra a Rússia em 2014-2015” fornece estimativas dos danos sofridos por cada Estado membro da UE até meados de 2015. Eis a lista dos países com as maiores perdas (milhões de euros): Alemanha – 2.566; Itália – 668; França – 612; Países Baixos – 591; Polónia – 521. Se tomarmos indicadores relativos, verifica-se que para a Alemanha (a primeira economia da UE) são três vezes mais sensíveis do que para a França e Itália.

Hoje, no contexto de uma nova guerra de sanções contra a Rússia, vemos um quadro semelhante. No início de março, o Instituto Kiel para a Economia Mundial (Alemanha) e o Instituto Austríaco para a Investigação Económica (WIFO) prepararam um relatório oportuno sobre as consequências económicas das sanções esperadas pelo Ocidente. De acordo com este documento, as perdas para as economias de todos os países que iniciaram sanções são estimadas em 0,17% do PIB total. A Alemanha e a Áustria enfrentarão perdas de 0,4 e 0,3 por cento do PIB anual respectivamente, enquanto os EUA sofrerão perdas de apenas 0,04 por cento. Dos aliados, a Lituânia (2,5% no cenário simulado), a Letónia (2,0%) e a Estónia (2,0%) sofrerão a maior parte das perdas.

Os meios de comunicação ocidentais dizem que os custos da guerra das sanções contra a Rússia são inevitáveis, mas para alcançar a vitória nesta guerra, é preciso resistir, demonstrando a unidade do Ocidente. No entanto, não há unidade. Isto é claramente visível no exemplo das compras de gás natural da Rússia. Sabe-se que os fornecimentos russos à UE em 2021 representaram 45% das importações de gás natural e 40% do consumo. Isto é uma média. Para países como a Bulgária, República Checa, Letónia, Áustria, Roménia e Eslovénia, a dependência da Rússia para a importação de gás varia entre 75 e 100 %. Dependência acima da média da UE em relação à Rússia para as importações de gás natural e Alemanha 49%. A Itália tem 46%.

Há também um quadro misto em termos de dependência das importações de petróleo da Rússia. No final de 2020, a Rússia representava 24,9% das importações de ouro negro da UE. Os seguintes países têm a maior dependência das importações de petróleo russo (%): Eslováquia – 78,4; Lituânia – 68,8; Polónia – 67,5; Finlândia – 66,8; Hungria – 44,6. Significativamente superior à média da UE, o indicador de dependência nestes países (%): Roménia – 32. 8; Estónia – 32,0; Alemanha – 29,7; República Checa – 29,1; Grécia – 26,3. E a dependência das importações de petróleo russo é significativamente inferior à média da segunda maior economia da UE: França (13,3 %), a terceira maior economia: Itália (12,5 %), os Países Baixos (21,0 %). No Reino Unido, a Rússia representava apenas 12,2% das importações de petróleo. Pode imaginar que as posições da Hungria ou da Finlândia sobre restrições ou proibições à importação de ouro negro da Rússia podem diferir muito das posições dos Países Baixos ou da França. E não coincidem realmente.

Existem grandes diferenças entre os 27 países da UE em termos da sua dependência das importações de fertilizantes, grãos, metais e outros bens. Daí as grandes diferenças políticas na avaliação pelos líderes destes países da adequação das sanções da UE contra a Rússia.

Os EUA não é um participante, mas um iniciador e organizador da guerra das sanções. O comércio externo entre os EUA e a Rússia nunca foi excelente. No ano passado, os Estados Unidos representaram apenas 4,4% do volume de negócios do comércio externo da Rússia. A União Europeia representou 35,9 por cento. Mesmo que Washington fosse a zero o seu comércio com Moscovo, este último não sentiria muito. Mas a zeragem do comércio da UE com a Rússia poderia dar um golpe tangível e mesmo esmagador. Assim, a guerra das sanções contra a Rússia tem este aspecto: Washington planeia uma guerra, introduz novas sanções “infernais” contra Moscovo, e a execução é confiada a Bruxelas, que transporta as ordens de Washington para todos os 27 estados membros da UE.

No entanto, quanto mais Washington pressiona Bruxelas, mais fissuras existem na estrutura da UE.

Três campos foram claramente identificados na Europa. O primeiro inclui a Hungria, a Sérvia (um não membro da UE) e vários outros estados. Deixam claro que para eles os interesses nacionais estão acima dos interesses do Ocidente colectivo. O outro campo é representado pelos estados bálticos e pela Polónia. Caracterizam-se pelo fanatismo russofóbico. O terceiro campo é representado pela Alemanha e França. Estão a tentar manobrar e gradualmente chegar a acordo sobre algo com Moscovo. Tanto Berlim como Paris compreendem que se a UE não entrar em colapso em consequência da guerra das sanções, serão eles que terão de pagar pelos danos do efeito bumerangue.

No entanto, alguns peritos prevêem que não há qualquer hipótese de salvar a UE. O oportunismo de Bruxelas, Berlim e Paris, sucumbindo à pressão de Washington, pode acabar no colapso da UE.

Existem também linhas divisórias dentro dos estados membros. Isto é especialmente evidente no exemplo da Alemanha. A equipa do chanceler Olaf Scholz está a fazer o seu melhor para implementar as ideias de sanções de Washington. E milhões de alemães estão a protestar contra as sanções. As empresas alemãs estão também a protestar. A 10 de março, a Associação Alemã de Pequenas e Médias Empresas manifestou o receio de que o início do aumento dos preços da energia conduza a falências maciças de empresas. O director-geral da associação, Markus Jerger, afirmou que: “A associação federal de pequenas e médias empresas teme falências de empresas e perdas de empregos devido aos elevados preços da energia. Os preços da energia tornaram-se um problema existencial para muitos empresários”.

O peso desproporcionalmente elevado da guerra das sanções, que recai sobre a Europa, é amplamente discutido nos meios de comunicação social. No entanto, a maioria dos autores descreve isto como um custo inevitável em qualquer guerra. Digamos, guerra é guerra, não é altura para disfarces.

Mas alguns peritos suspeitam que a Rússia não é o único alvo da guerra de sanções dos EUA. A julgar pelas perdas que a Europa está a sofrer, verifica-se que não é um aliado de Washington, mas um alvo. Esta é a opinião de Yakov Kedmi, que disse a 30 de março: “Estou interessado em ver o que está a ocorrer na Europa neste momento. Lembra-se como a União Europeia foi originalmente chamada? É isso mesmo, a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço. Onde está agora o carvão e o aço? Os próprios europeus estão a esquecer-se em que é que esta união se baseava. Agora a Europa corre o risco de ficar sem carvão nem aço. Quem está a aplaudir isto? Os Estados Unidos da América. Não há forma mais eficaz de enfraquecer e pôr de joelhos a indústria europeia do que sanções contra a Rússia. E os europeus obedeceram. Só a indústria americana beneficiará com isto… Os americanos ganham duas vezes: venderão os seus recursos energéticos à Europa a preços exorbitantes, tornando a sua indústria não rentável, e em paralelo desenvolverão a sua própria indústria. É tudo muito simples”.

Este olhar reconhecidamente novo sobre a guerra das sanções pode ser expresso da seguinte forma: Os Estados Unidos, tendo desencadeado uma guerra, querem matar dois pássaros de uma cajadada.

E aqui está um olhar sobre o que está a acontecer pelo famoso economista americano Michael Hudson. Na sua opinião, aqueles que planearam a guerra das sanções em Washington não são de modo algum tolos. Eles julgaram seriamente que as sanções não iriam derrubar Moscovo. Mas a Europa é fácil de “subjugar”. Livrar-se de um concorrente no Velho Mundo e tomar o seu lugar. Michael Hudson fala de operações militares na Ucrânia: “Esta é uma guerra para prender os nossos aliados para que não possam negociar com a Rússia. Eles não podem comprar petróleo russo. Têm de depender do petróleo americano, pelo qual terão de pagar três a quatro vezes mais. Terão de depender do gás natural liquefeito dos EUA para fertilizantes. Se não comprarem gás americano para fertilizantes, e não lhes permitirmos comprar à Rússia, não poderão fertilizar a terra, e sem fertilizante, os rendimentos serão reduzidos em 50 por cento”…

E o principal concorrente da América, segundo a Hudson, é a Alemanha. Se a Alemanha for “desgraduada”, o resto da Europa entrará em colapso por si só. Hudson conclui: “A guerra americana na Ucrânia é realmente uma guerra contra a Alemanha… A Alemanha e a Europa são os inimigos. A guerra americana na Ucrânia é realmente uma guerra contra a Alemanha, e os Estados Unidos deixaram isso claro”.

Imagem de capa: “USA EU Russia Flags” by theglobalpanorama is marked with CC BY-SA 2.0.

Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você acha justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Autor

Redação GeoPol
Latest posts by geopol.pt (see all)