Porque estão os EUA a reinventar a NATO/Europa contra a China?

A cimeira do G7 recentemente realizada no Reino Unido e a cimeira da NATO em Bruxelas demonstram efectivamente como a aliança ocidental sob a liderança dos EUA está a expandir o seu horizonte ideológico para enfrentar a China. Embora a aliança continue a ser anti-Rússia por razões tanto históricas como geopolíticas, o facto da NATO estar agora particularmente concentrada na China mostra como a aliança fundada após a Segunda Guerra Mundial para combater a União Soviética se está a reinventar no século XXI. Não só a aliança está a criar os seus novos fundamentos ideológicos, mas o facto de o Canadá e a Europa estarem, aparentemente, a seguir a linha dos EUA em relação à China atesta a continuidade da hegemonia dos EUA no seio da aliança e a razão pela qual a Europa está a ter dificuldade em desligar-se dos EUA. Embora ainda não se saiba se surgem ou não novas contradições na aliança, ou se a administração Biden pode desencorajar a Europa de afirmar a sua autonomia estratégica a longo prazo, permanece que a nova administração dos EUA está interessada em reanimar a aliança ocidental para cumprir os seus objectivos abrangentes globais.

O comunicado final da reunião da NATO, emitido a 14 de junho, abordava a “ameaça da China” dizendo: “As ambições declaradas e o comportamento assertivo da China apresentam desafios sistémicos à ordem internacional baseada em regras e a áreas relevantes para a segurança da Aliança”, e que esta está “preocupada” com as “políticas coercivas da China”, a sua capacidade nuclear em rápida expansão, a sua crescente cooperação militar com a Rússia, e o seu comportamento “irresponsável” na arena internacional.

Embora o comunicado mostre uma convergência política crescente no Ocidente em torno da ascensão global da China, o que é surpreendente é como o comunicado final da NATO tem pouco ou nada a oferecer em termos de descrição de qualquer ameaça militar que a China possa estar a representar para a aliança, especificamente para a Europa. Ao contrário da União Soviética, que era vizinha da Europa, a China não representa uma ameaça militar directa ou indirecta a nenhum Estado europeu, nem alguma vez projectou quaisquer ambições militares. Embora a China tenha ambições económicas, que operacionalizou através da Iniciativa Belt & Road (BRI), permanece que o terreno ideológico da aliança em relação à China carece de uma ameaça militar directa imediata e credível da China. Na ausência de uma ameaça militar credível da China, a tentativa da NATO de se reinventar no século XXI e justificar a sua existência torna-se um exercício puramente político, que pode não produzir os resultados desejados para os EUA.

Um factor que contribui para o fracasso da NATO em se reconstruir em torno de uma ameaça militar directa e credível da China é o facto da maioria dos membros europeus da aliança não verem eles próprios a China como uma ameaça militar. Embora tenham as suas preocupações face à crescente influência económica da China, a ausência de uma ameaça militar directa desta significa que os EUA, que acreditam que a ascensão militar da China representa uma ameaça aos interesses dos EUA na Ásia, não serão capazes de canalizar realmente a aliança militar contra a China por “ameaças” essencialmente não militares que ela representa para a aliança. É precisamente devido à opinião diferente (não militar) da Europa sobre a China que o comunicado enfatiza “um diálogo construtivo” com a China e acolhe com agrado “oportunidades de envolvimento”.

Tal como foi referido nas reportagens dos principais meios de comunicação social ocidentais, os funcionários dos EUA confirmaram que muitos na Europa, apesar do aparente entusiasmo, não partilham as opiniões dos EUA no que diz respeito à natureza das ameaças que a China representa. Por exemplo, a Itália e a Alemanha estavam inquietas com a potencial linguagem de comunicação que a China poderia ver como provocadora. Sublinhando o “equilíbrio”, a chanceler alemã Angela Merkel disse que “a China é nossa rival em muitas questões, mas também nossa parceira em muitos aspectos”. Emmanuel Macron disse que o G7 queria trabalhar com Pequim sobre o clima, comércio, desenvolvimento e outras questões, apesar dos desacordos. “Vou ser muito claro: o G7 não é um clube hostil à China”, disse o presidente francês.

No entanto, o facto dos EUA continuarem a insistir numa reinvenção da NATO e da aliança ocidental global, o G7, no século XXI mostra que os EUA vêem esta aliança como extremamente crucial para exercer a sua própria hegemonia no mundo, ou seja, não só em relação à China e à Rússia, mas também em relação à Europa. Por outras palavras, uma existência continuada da NATO é essencial não só porque permite aos EUA expandir a sua influência a nível mundial, mas também porque a NATO é o cordão umbilical que liga militarmente os EUA à Europa, mantendo os últimos dependentes dos primeiros. Ao dar origem a uma relevância contínua da NATO no actual contexto geopolítico, os EUA esperam manter a sua própria relevância para a Europa.

Por outras palavras, embora canalizando a NATO contra a China acabasse por permitir aos EUA construir uma coligação global que, desde os tempos de Trump, tem procurado construir para “recuar” a crescente influência económica e militar da China, permitir-lhe-á igualmente manter a Europa sob o seu radar e impedi-la de desenvolver a sua autonomia estratégica e afirmar-se independentemente dos EUA na arena global como um actor que pode ou não ter interesses comuns com os EUA. A recente decisão da administração Biden de des-sancionar a empresa Nord Stream 2 ilustra também os seus esforços muito conscientes para reconquistar o apoio da Alemanha/Europa na aliança que pretende construir principalmente contra a China. A decisão mostra que os EUA estão dispostos a dar uma certa margem de manobra à Europa, mesmo que isso implique desenvolver laços económicos com a Rússia, ou uma esperança latente de que mesmo a Rússia possa ser atraída na aliança contra a China.

No entanto, como é evidente, a Europa – especialmente as duas maiores potências europeias Alemanha e França – não está de acordo quanto a considerar a China como um parceiro, um concorrente, um adversário ou uma ameaça directa à segurança. Além disso, apesar da guerra diplomática em curso entre a China e a Europa e da imposição de sanções, o acordo de investimento Europa-China permanece vivo. Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, só recentemente chamou ao acordo um “passo na direcção certa”. “Pela primeira vez estamos a dar um passo para facilitar o investimento das empresas europeias e também, com base nesta proposta de acordo, existem compromissos expressos pelas autoridades chinesas em matéria de direitos sociais”, acrescentou Michel.

Embora seja bastante evidente que a Europa não partilha do entusiasmo dos EUA em relação à China, é também óbvio que a mudança de humor na Europa irá paralisar os esforços dos EUA para reunir uma resposta ocidental abrangente contra a China dentro e fora da Europa. O que acrescenta a esta oscilação é o facto de os EUA, apesar da sua retórica anti-China, continuarem a manter os seus profundos laços económicos com a China, e não existe uma vontade real de “desacoplar” ou cortar o cordão umbilical com a China. Se os EUA pretendem manter este cordão, porque é que a Europa não pode fazer o mesmo é a questão que os europeus não se recusaram a colocar, apesar da chegada de um presidente à Casa Branca que não partilha da visão anti-Europa de Trump.

Fonte: New Eastern Outlook

Imagem de capa: Official U.S. Navy Imagery, sob licença CC BY 2.0

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube