O discurso recente de Sergei Lavrov aponta para algumas lições importantes a serem aprendidas

Por James ONeill

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo Sergei Lavrov fez recentemente um discurso muito importante que, sem surpresa, recebeu muito pouca atenção por parte dos meios de comunicação ocidentais. A 9 de junho, Lavrov discursou no Fórum Internacional Primakov Readings em Moscovo. No seu discurso, Lavrov chamou a atenção para o que ele persiste em chamar “os nossos colegas ocidentais” de relutância em aceitar a “realidade objectiva” de um movimento pacífico para um mundo policêntrico.

Em vez disso, o Ocidente colectivo esforçou-se por assegurar a continuação da sua “opinião internacional privilegiada” a todo o custo. A falta de preparação do Ocidente para “um diálogo honesto e baseado em factos” iria certamente minar a confiança na própria ideia do diálogo como método de resolução de diferenças “e corroer as capacidades da diplomacia como instrumento crucial de política externa”.

O principal mecanismo utilizado pelo Ocidente na tentativa de estabelecer o seu ponto de vista foi na sua incansável promoção daquilo a que tem o prazer de chamar “a ordem mundial baseada em regras”. Trata-se de um conceito, argumentou Lavrov, que era “ainda mais irracional e desprovido de perspectivas”.

O conceito do Ocidente sobre a ordem mundial baseada em regras deveria ser contrastado com a Carta das Nações Unidas, ela própria também um corpo de regras, mas que foi universalmente aceite e coordenado por todos os membros da comunidade internacional. É esta última que é o fundamento do direito internacional. O Ocidente, pelo contrário, utiliza o termo “ordem mundial baseada em regras”, pelo qual têm em mente algo completamente diferente. O Ocidente, pela sua terminologia, tem em mente que querem desenvolver conceitos e abordagens centradas no Ocidente “para mais tarde serem palmilhados como um ideal de multilateralismo e a verdade última”.

Estas ideias de ordem baseada em regras são particularmente marcantes na Europa, nos Estados Unidos e na Austrália.

Pelo contrário, a Rússia está a promover as suas ideias na Eurásia. Lavrov chamou a atenção para o facto de que os valores que os russos promovem estão subjacentes ao funcionamento de uma série de organizações internacionais que se desenvolveram, especialmente durante a última década. Estas incluem a Comunidade de Estados Independentes, a Organização do Tratado de Segurança Colectiva, a União Económica Eurasiática e a Organização de Cooperação de Xangai.

Estas organizações podem caracterizar-se por serem associações baseadas exclusivamente no princípio da “participação voluntária, da igualdade e do bem comum”. Uma das prioridades da Rússia era o reforço da interacção global com a China. Este ano marcou o 20º aniversário do Tratado de Boa Vizinhança e Cooperação Amigável entre a Rússia e a China.

Esta é uma relação que os americanos adorariam muito romper. É sem dúvida uma das principais motivações do desejo ansioso do presidente dos Estados Unidos Biden de um encontro com Vladimir Putin em Genebra dentro de pouco menos de uma semana. Acaba de ser anunciado que Biden será acompanhado pelo seu secretário de Estado Antony Blinken, sem dúvida para garantir que Biden não envergonha nem a si próprio nem os Estados Unidos. Dado o domínio mental incerto de Biden nos dias de hoje, ele diz que o que está errado é um perigo sempre presente.

Os russos perseguem incansavelmente uma política baseada na ASEAN, baseada no que Lavrov chamou a “filosofia da unificação”. O conceito abrange todas as nações da Eurásia, e Lavrov vê-o como um meio de aumentar dramaticamente as vantagens comparativas de todos os países desta enorme região. As organizações acima mencionadas são uma ilustração de quantos países desta vasta região estão a cooperar no seu desenvolvimento económico e social.

A Lavrov foi colocada uma questão sobre a próxima reunião com Biden. Ele deu uma resposta cautelosa. O sucesso ou não da missão dependeria claramente da mentalidade que os americanos trouxeram para a reunião. Lavrov advertiu que se os americanos continuassem a seguir os passos da sua própria propaganda, que também ensurdece a elite dos Estados Unidos, então não havia “muito a esperar desta cimeira”.

Esta é uma visão totalmente realista. A história das relações Estados Unidos-Rússia tem sido repleta de muitos problemas. É difícil escapar à visão de que a última cimeira não irá oferecer qualquer melhoria realista nas relações entre os Estados Unidos e a Rússia. Os americanos vêem claramente os chineses como a maior ameaça à sua posição mundial e uma forma de abordar a questão chinesa é tentar separá-los da sua relação com a Rússia.

Nesta e tantas outras coisas, os americanos não conseguem compreender as realidades geopolíticas do século XXI. Estão a procurar desesperadamente juntar uma nova aliança entre a Índia, o Japão, a Austrália e eles próprios. Convidar a Austrália para a actual reunião do G7 no Reino Unido certamente lisonjeia a percepção que a Austrália tem de si própria como um actor-chave na região do Indo Pacífico, mas para o resto do mundo é apenas mais um exemplo da obediência da Austrália aos Estados Unidos.

É pouco provável que assuste os chineses que poderiam destruir a Austrália em menos de 30 minutos se um dia representassem uma séria ameaça para a China. Mesmo o governo australiano não é tão estúpido a ponto de acreditar que a eventual recepção de uma colecção de submarinos irá alterar seriamente o equilíbrio do poder regional.

A Austrália deveria aproveitar as oportunidades oferecidas pelo crescente número de organizações regionais acima mencionadas como sendo a chave para a sua futura prosperidade. Infelizmente, as actuais orientações da sua política externa em nada contribuem para encorajar a crença de que a Austrália tem vindo a apoiar as realidades das mudanças políticas, económicas e militares do século XXI.

Fonte: New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube