O impacto da influência crescente do Egipto no Médio Oriente

Por Valery Kulikov

Não só o Médio Oriente é um dos berços das civilizações, mas também uma região com as maiores reservas de gás natural e petróleo bruto do planeta. É um lugar onde diferentes culturas colidem, um ponto focal do comércio internacional e uma importante arena política. Interesses de três continentes (Ásia, África e Europa) fundem-se nesta região, onde os Estados Unidos continuam a prosseguir políticas que os beneficiam.

Assim, não é surpreendente que muitas nações desta parte do mundo tenham tentado manter as suas posições de influência no Médio Oriente ao longo das últimas décadas. Por exemplo, Israel tem vindo a fazê-lo com o apoio directo dos Estados Unidos, um país que pretende transformar o primeiro no seu próprio monitor exclusivo na região. Vários outros países (incluindo a Arábia Saudita e os estados do Golfo Pérsico) estão a fazer tudo o que está ao seu alcance para manter a sua influência com a ajuda da diplomacia energética.

Durante a segunda metade do século XX, várias nações da região optaram por aumentar o seu poder militar a nível regional. Como resultado, existem actualmente países com exércitos bastante poderosos e bem equipados nesta parte do mundo, tais como o Iraque, Egipto, Síria, Líbia e Irão. No entanto, uma vez que a política dos EUA no Médio Oriente parece concentrar-se em assegurar que não surja na região um líder com uma posição independente em relação aos EUA, estes têm sido forçados a seguir consistentemente uma estratégia de minar governos cujos interesses não estão alinhados com os seus próprios. Como resultado, os EUA derrubaram o regime de Saddam Hussein no Iraque; depuseram o líder líbio Muammar Kadhafi; instigaram uma guerra civil na Síria; apoiaram a revolução egípcia de 2011, e impuseram sanções contra o Irão. Apesar de todos estes duros desafios, a influência política e militar do Egipto tem vindo a crescer notoriamente na região.

A partir de meados do século XX, a nação começou a consolidar a sua posição no mundo árabe e a ganhar gradualmente mais influência na arena internacional. Por exemplo, o Egipto apoiou o Iraque durante o mais longo conflito armado do século XX (ou seja, a guerra Irão-Iraque, 1980-1988), fornecendo armas e peritos militares a Saddam Hussein. Na altura, o Exército Egípcio tornou-se uma das forças mais poderosas nesta parte do mundo, para grande desilusão de alguns dos seus rivais que visavam prejudicar seriamente esta nação, apoiando revoluções “coloridas” na região e a ascensão ao poder de Mohamed Morsi, com ligações a grupos islâmicos.

O autor não mencionaria o envolvimento do Egipto na mudança de governo no Sudão e o seu apoio ao processo de paz líbio.

O conflito israelo-palestiniano não resolvido reforça também o peso político e o papel estratégico do Egipto na região.

À primeira vista, a principal função do Egipto nos últimos anos tem sido actuar como mediador entre Israel e o Hamas. Até há pouco tempo, a nação não propôs quaisquer iniciativas de paz nem se envolveu em diplomacia de vaivém para promover a paz na região. Além disso, o Egipto não foi concebido para desempenhar um papel central no “acordo do século”, que o presidente norte-americano Donald Trump e a sua equipa tinham elaborado, em vez disso, a Arábia Saudita foi escolhida para o efeito. O Reino deveria exercer pressão sobre os palestinianos, com o envolvimento da Jordânia.

Recentemente, houve mais um surto de tensões no conflito em curso entre a Palestina e Israel, o que causou causalidades substanciais entre a população civil palestiniana. Numerosos intervenientes tentaram desanuviar a situação mas, no início, não conseguiram.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) realizou quatro reuniões de emergência, tendo os seus participantes apelado a Israel e à Palestina para que cessassem imediatamente os combates. No entanto, os membros do Conselho de Segurança não conseguiram chegar a acordo sobre uma declaração conjunta instando as duas partes a cessar todas as hostilidades devido à oposição dos Estados Unidos, o que impediu o Conselho de a emitir.

O Quarteto do Médio Oriente (que foi criado para mediar o processo de paz israelo-palestiniano em 2002 e compreende a União Europeia, a ONU, os Estados Unidos e a Rússia) também não pôde ajudar a diminuir as tensões. Durante uma reunião virtual do CSNU a 16 de Maio, o secretário-geral António Guterres apelou ao Quarteto do Médio Oriente “para regressar a negociações significativas”, mas esses esforços não deram em nada pela mesma razão de obstrução por parte dos EUA. Para além do papel longe de ser construtivo no último conflito desempenhado pela liderança dos EUA que essencialmente tomou o partido de Israel, a União Europeia não parecia estar unida na sua estratégia para o Médio Oriente, com nações como a Alemanha a mostrar mais apoio a Israel, enquanto outras, como a Suécia, – para a Palestina.

O governo dos EUA enviou o diplomata de alta patente Hady Amr para se encontrar com funcionários israelitas e palestinianos. O presidente americano Joe Biden também instou o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu a cessar as hostilidades. Ao mesmo tempo, a liderança dos EUA falou com firmeza sobre o direito de Israel a defender-se. E depois de tomar tal posição, a nação já não podia servir no papel de mediador no conflito, uma vez que os palestinianos desconfiavam dele.

Neste clima, a liderança egípcia desempenhou um papel fundamental ao negociar um cessar-fogo entre os dois lados a 21 de maio de 2021. O Egipto tirou partido de todas as suas relações diplomáticas com Israel e dos bons laços com o Hamas para agir como mediador no conflito. Os seus esforços bem sucedidos demonstraram a capacidade negocial do país para o resto do mundo. O papel desempenhado pelo Egipto na consecução do cessar-fogo entre Israel e grupos armados palestinianos não foi negligenciado nos Estados Unidos, na Rússia ou em Israel. Na sua declaração, o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu saudou o papel do Egipto na mediação do acordo entre as duas partes em conflito.

Inquestionavelmente, o Egipto desempenhou um papel muito importante na resolução do último conflito entre israelitas e palestinianos, indicando uma possível mudança de poder no Grande Médio Oriente. Afinal, um país árabe com laços diplomáticos plenos com Israel e uma relação sólida com os palestinianos foi bem sucedido onde outros fracassaram. E hoje, o Egipto é visto como um parceiro de confiança não só no Médio Oriente, onde desempenha um papel de liderança.

Fonte: New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube