A empresa que eles mantêm

Quando a excitação diminuir ou surgir uma nova configuração política, Protasevich será abandonado no buraco da memória como qualquer outro peão da agenda imperial


Por Stephen Karganovic


A experiência atesta que os decisores políticos imperiais são tudo menos moralmente fastidiosos quando seleccionam ferramentas para implementar os seus desenhos em diversas partes do mundo. Um exemplo recente notável (e absolutamente abominável) são os cortadores de cabeças takfiri na Síria, que foram esboçados, punhais incluídos, para fazer um trabalho nobre naquele país devastado, espalhando a luz que brilha da cidade cintilante na colina. Outro exemplo memorável é a escória neonazi na Ucrânia, mobilizada (e amplamente financiada) na altura do violento golpe de Estado de 2014.

Uma brilhante operação de segurança foi levada a cabo pelas autoridades bielorussas no domingo, 23 de maio, resultando na apreensão em território bielorusso de Roman Protasevich, um agitador financiado e promovido pelo Ocidente que desempenhou um papel importante na agitação da revolução das cores no ano passado naquele país. Após a sua detenção, o até então obscuro Protasevich foi transformado num herói instantâneo em todos os meios de comunicação social e políticos controlados pelos seus patrocinadores ultrajados. O Guardian e o New York Times competiram um com o outro no amontoado de elogios ao sedicionista bielorrusso com cara de bebé, enfatizando detalhes de choro enquanto editava cuidadosamente a história principal, o que teria dado todo o jogo. O cara de bebé Protasevich é, de facto, um operacional neonazi endurecido com experiência na linha da frente, mesmo na sua tenra idade, lutando ao lado dos seus camaradas ideológicos nos campos de batalha ucranianos.

Estes factos são apresentados numa extensa exposição publicada no website analítico alemão Moon of Alabama. O relato hagiográfico em “todas as notícias que estão aptas a imprimir”, o New York Times, diz o analista alemão, é digno de nota principalmente pelos factos-chave que omite. Acontece que, longe de ser um jovem inocente activista da democracia e estudante precoce do liceu, que não conseguiu suportar as restrições impostas pelo governo do presidente Lukashenko, tal como erroneamente apresentado pelos meios de comunicação ocidentais, Protasevich é de facto um agitador experiente com laços de longa data com a franja neonazi na vizinha Ucrânia.

No relato higienizado do New York Times, afirma-se que “antes do incidente de domingo, o Sr. Protasevich permaneceu em Varsóvia, tornando-se uma figura-chave da oposição juntamente com o Sr. Putsila na Nexta, publicando relatórios regulares no site da rede social Telegram. Putsila descreveu o seu trabalho como “jornalismo activista”, mas acrescentou que Lukashenko não tinha deixado espaço para o jornalismo tradicional ao fechar qualquer tomada dentro da Bielorrússia que fizesse mais do que papaguear a linha do governo”. No entanto, a sugestão alegre de que Protasevich não era mais do que um jovem jornalista doce e aspirante, cujas ambições eram frustradas pelo regime de Lukashenko, que se encontrava numa situação de mão de ferro, é totalmente destruída pelas provas publicadas no site alemão e outros sites de investigação sérios.

Algumas dessas evidências derivam da FOIA Research, uma organização que “visa identificar projectos de inteligência que criaram, ou instrumentalizaram grupos de extrema-direita existentes para vários fins políticos e paramilitares, principalmente através da análise de documentos de inteligência desclassificados ao abrigo da Lei da Liberdade de Informação dos EUA (FOIA)”. Portanto, não há nada de arcano nela. É basicamente apenas uma questão de analisar e reunir os dados que os próprios patrocinadores de Protasevich desclassificaram e forneceram ao público. Estará isso para além das capacidades dos escritores do New York Times? No seu resumo da carreira do agitador bielorrusso, diz a FOIA Research:

“Roman Protasevich é um dos principais agentes de mudança de regime na revolução colorida bielorrussa de 2020. O seu nome apareceu no contexto de um canal do Telegram chamado Nexta, que de um dia para o outro se tornou a voz da oposição bielorrussa”.

Não é preciso muita sofisticação política para deduzir que nos meios de Protasevich ninguém se torna nada de importante casualmente e da noite para o dia, sem ser cuidadosamente preparado e afiado de antemão.

Mais adiante, citando as entusiasmadas impressões de Protasevich sobre as redes sociais após a sua viagem a Washington:

“Em 12 de abril de 2018, ele chegou a Varsóvia, Polónia. A 20 de abril de 2018, voou via Bruxelas para Washington. A 23 de abril de 2018, publicou uma fotografia com o subtítulo “A semana mais importante da minha vida começa”. No mesmo dia, publicou uma fotografia sua dentro do Departamento de Estado dos EUA, afirmando ‘Nunca tive tantos encontros importantes e interessantes na minha vida’. Cansado mas muito satisfeito'”.

Fotografia5 de Roman Protasevich dentro do Departamento de Estado a 23 de abril de 2018

Outro ponto alto da vida do herói democrático Protasevich, tal como relatado e documentado no site analítico The Canada Files, foi a sua participação e serviço como oficial de imprensa no neonazi Batalhão Azov durante a guerra no Donbass.

Aqui está ele, no seu equipamento militar na capa da publicação da publicação Sol Negro do Batalhão Azov

A visita do Departamento de Estado, na sequência da qual Protasevich se tornou tão poética e excitante, foi aparentemente mais do que apenas ver e foi bastante produtiva. Os canadianos relatam isso:

“Protasevich foi um bolseiro do jornalismo Vaclav Havel de 2017-18, em Praga, para a Radio Free Liberty/Europa, uma agência de mudança de regime financiada pelos EUA… Quatro meses após uma viagem de uma semana ao Departamento de Estado dos EUA, em abril de 2018, Protasevich começou a trabalhar para a Euroradio.fm na Bielorrússia, financiada pela USAID, a 31 de agosto de 2018”.

Perguntamo-nos que fontes oficiais dos meios de comunicação social poderiam ter considerado tão terrivelmente inadequado para a visualização pública na biografia real de Protasevich para se terem sentido compelidas a editar tantos detalhes reveladores. Mas é uma aposta segura que a sua queda será ordenhada para obter a máxima vantagem de propaganda. Quando a excitação diminuir ou surgir uma nova configuração política, ele será atirado para o buraco da memória como qualquer outro peão da agenda imperial.


Fonte: Strategic Culture

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube