Os valores sem valor da América

“Todas as pessoas, incluindo lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, queer, e pessoas intersex, merecem viver com dignidade”, pontua o Departamento de Estado. Toda a gente? E os palestinos?

As mortes desproporcionadas entre os palestinianos falam de um massacre unilateral. Mais de 200 foram mortos – quase um quarto dos quais crianças – durante a última semana de violência.

É um padrão repugnante que se vê cada vez que há uma erupção de conflito.

O número de mortes horrendas irá provavelmente aumentar à medida que os líderes israelitas ignorarem os apelos internacionais para uma trégua, jurando continuar com os ataques aéreos “enquanto for necessário”. Os israelitas chamam-lhe “cortar a relva”. Quão abominável e perverso é este cenário dos tempos modernos do Gueto de Varsóvia.

Entretanto, o número de israelitas mortos de foguetes palestinianos ascende a 10, incluindo duas crianças. Uma diferença de 20 vezes nas baixas reflecte um uso ultrajante da força indiscriminada e letal excessiva por parte dos israelitas.

Ainda pela terceira vez na última semana, a administração Biden vetou os esforços internacionais no Conselho de Segurança das Nações Unidas para decretar um cessar-fogo. Isto enquanto famílias inteiras estão a ser obliteradas em ataques aéreos realizados por centenas de caças israelitas que bombardeiam casas com toneladas de explosivos na densamente povoada Faixa de Gaza.

Tanto o presidente Joe Biden como o seu principal diplomata Antony Blinken recusam-se a condenar o massacre de Israel, repetindo o seu elequente apoio ao “direito à autodefesa” de Israel. O que há de tão correcto em matar crianças nas suas camas? Ou ataques aéreos implacáveis que impedem mesmo as equipas de salvamento de recuperarem corpos debaixo de escombros? Ou bombardear uma torre de comunicação social que alberga serviços noticiosos internacionais? Este último aparente crime de guerra parece ter sido cometido para evitar que os meios de comunicação social noticiassem outros crimes de guerra.

A América está isolada no seu apoio sem vergonha aos crimes israelitas. A administração Biden, em particular, é apanhada por causa da sua hipocrisia de posto e do seu sinal de virtude.

Desde que chegou ao cargo há quatro meses, o presidente Biden e a sua equipa têm-se mostrado de forma lírica sobre “ordem internacional baseada em regras” e “valores democráticos”. Eles falam sobre o mundo estar numa luta histórica entre “democracia e autocracia”, sendo os americanos os presumíveis virtuosos, claro. Biden e Blinken dão lições à Rússia e à China sobre direitos humanos.

O nebuloso sinal de virtudes e a retórica sobre valores estão sempre em abstracto e são postos em prática com montes de propaganda mediática. Por exemplo, é suposto acreditarmos que a China está a cometer um genocídio contra a sua população muçulmana uigur. Não são fornecidas provas e a chamada informação americana é realmente desinformação proveniente do pensamento ideológico duvidoso, tal como documentado por jornalistas independentes no louvável Grayzone.

No entanto, pelo contrário, temos aqui uma situação real em que os militares israelitas fornecidos pelos EUA estão a infligir uma ofensiva contra muçulmanos (e cristãos) aglomerados no campo de concentração ao ar livre conhecido como Gaza. E os americanos estão entalados pelas fraudes abjectas que são.

Um telefonema de Biden a dizer ao primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu que Washington vai cortar a sua ajuda anual de 3,8 mil milhões de dólares, poria fim à blitzkrieg. Mas isso não vai acontecer porque Biden e Blinken são ardentemente pró-Israel. Mas não apenas Biden e Blinken. A projecção do poder imperial de Washington no Médio Oriente depende de Israel. Os israelitas podem assim fazer o que quiserem, sabendo que as administrações americanas farão vista grossa aos crimes de ocupação ilegal e de expulsão contínua dos palestinianos da sua pátria.

Depois de aviões de guerra israelitas terem bombardeado a torre da comunicação social em Gaza no fim-de-semana, Antony Blinken falou com um executivo da agência AP que se encontrava entre aqueles serviços noticiosos atacados. Blinken ofereceu “o seu apoio inabalável aos jornalistas independentes e às organizações de comunicação social de todo o mundo e notou a indispensabilidade da sua reportagem em zonas de conflito”.

Como é que isso é para a sinalização cínica de virtudes e valores vazios? Apoio inabalável ao jornalismo? Tal como o “apoio inabalável de Blinken ao direito de autodefesa de Israel”?

Na segunda-feira, enquanto a carnificina e os cadáveres em Gaza se amontoavam, a administração Biden emitiu uma declaração assinalando o “Dia Internacional contra a Homofobia, a Transfobia, e a Bifobia”. O Departamento de Estado afirmou, “os Estados Unidos esforçaram-se por reafirmar os direitos humanos e as liberdades fundamentais de todas as pessoas, incluindo lésbicas, homossexuais, bissexuais, transexuais, queer e pessoas intersex”. E acrescentou, “todos merecem viver com dignidade”.

Toda a gente? E os palestinos?

Ainda esta semana, Antony Blinken vai encontrar-se com o seu homólogo russo Sergei Lavrov para a sua primeira reunião cara a cara durante a cimeira do Conselho do Árctico. Sem dúvida, o americano convencido tentará dar lições a Lavrov sobre “ordem baseada em regras” e “valores” ocidentais. Sem dúvida, também o experiente diplomata russo dará ao Boy Blinken um pouco de escolaridade, e deverá dizer-lhe para ir enfiar os seus valores inúteis nas ogivas que os aviões de combate israelitas estão a soltar nas casas palestinianas.

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube