Jordânia: Problemas no Reino?

Por Viktor Mikhin

Vários meios de comunicação árabes escreveram rapidamente que uma “conspiração altamente sofisticada” destinada a desestabilizar o governo do rei jordano Abdullah II foi muito provavelmente frustrada. As preocupações internacionais e regionais sobre os desenvolvimentos na Jordânia pareciam ter terminado depois da reconciliação real ter terminado com o antigo príncipe herdeiro a jurar fidelidade ao rei e à Constituição. Isto foi mediado pelo mais velho da família hachemita, o príncipe Hassan, o tio do rei Abdullah II e o príncipe Hamzah.

O procurador-geral na capital jordana Amã proibiu a publicação de qualquer informação sobre a alegada conspiração, que alegadamente envolvia o meio-irmão do rei, o príncipe Hamzah. A fim de manter em segredo a investigação dos serviços especiais contra o príncipe Hamzah e outros, foi decidido proibir, nesta fase, a publicação de tudo o que estava relacionado com esta investigação, disse o procurador Hassan al-Abdallat numa declaração. A proibição de publicação aplica-se a todos os meios audiovisuais e redes sociais, bem como a publicação de todas as imagens ou videos relacionados com o tema da dor da acção judicial, disse a Amman TV num comunicado.

A ordem veio depois do príncipe Hamzah, que tinha sido duramente crítico com o governo, ter jurado fidelidade ao rei Abdullah II dois dias depois de ter sido colocado em prisão domiciliária. No início, o príncipe adoptou um tom desafiante, insistindo que não obedeceria a ordens que restringiam os seus movimentos. Mas mais tarde, o príncipe de 41 anos prometeu o seu apoio ao rei Abdullah II. “Manter-me-ei… fiel ao legado dos meus antepassados, seguindo o seu caminho, fiel ao seu caminho, à sua mensagem e a Sua Majestade”, disse ele numa carta assinada, citada pelo palácio.

Hamzah, que foi destituído do seu título de príncipe herdeiro em 2004 por Abdullah, tornou-se recentemente um crítico feroz do rei, acusando a liderança jordana de corrupção, nepotismo e regime autoritário. Num vídeo que publicou recentemente na BBC, Hamzah criticou a “incompetência” que tem prevalecido no corpo dirigente da Jordânia nos últimos 15-20 anos e que tem vindo a piorar. Ninguém pode falar ou expressar a sua opinião sobre nada sem ser intimidado, preso, assediado e ameaçado, disse ele.

No entanto, não é claro o que irá acontecer agora aos mais de uma dúzia de outros presos em ligação com esta conspiração. O Washington Post informou que Riade está a pressionar Amã para libertar a figura principal entre eles, Bassem Awadallah, que se diz estar próximo da liderança saudita e que é dono da Tomoh no Dubai. A rápida acção e controlo dos meios de comunicação social levou muitos jordanos a questionar a história oficial de uma “conspiração apoiada por estrangeiros” para desestabilizar o Reino.

Até agora, tem havido muito pouca informação sobre o que aconteceu na Jordânia. Os rumores espalharam-se e os meios de comunicação social internacionais aumentaram a cobertura dos acontecimentos. Além disso, houve uma declaração gravada em vídeo do príncipe Hamzah, na qual ele criticou duramente o rei e o seu governo, não negou ter partilhado esta crítica com a oposição do país. O vídeo gravado em inglês e transmitido pela BBC e outros meios de comunicação, dizia que falar de uma conspiração apoiada por actores estrangeiros era uma mentira e argumentava que a linha oficial nem sempre reflectia o que estava realmente a acontecer na Jordânia.

No dia seguinte, a mãe do príncipe Hamzah, a rainha Noor, acusou indirectamente o governo real de tramar o seu filho. É sabido que a rainha Noor, nascida americana Lisa Halabi, a quarta esposa do antigo rei Hussein, queria que o seu filho se tornasse rei da Jordânia e ocupasse o trono hachemita. Mas quando Hussein teve de fazer uma visita de emergência a Amã, dos Estados Unidos, pouco antes da sua morte em 1999, para retirar o seu irmão, o príncipe Hassan bin Talal, do cargo de príncipe herdeiro, não pôde nomear Hamzah para este cargo, uma vez que este ainda estava na escola. Em seu lugar, o rei Hussein nomeou o seu irmão mais velho, o actual rei Abdullah, príncipe herdeiro e colocou Hamzah em segundo lugar na linha do trono. Quatro anos depois de Abdullah se tornar rei, ele retirou o seu meio-irmão do cargo e fez do seu filho mais velho Hussein ibn Abdullah príncipe herdeiro.

Entretanto, tornou-se claro que os serviços especiais tinham frustrado uma operação séria que tinha sido chocada durante algum tempo contra o actual domínio real. O presidente do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas da Jordânia, Yousef Huneiti, emitiu uma declaração negando que o príncipe estivesse sob prisão domiciliária. A declaração dizia que o príncipe Hamzah não foi detido, mas que, em vez disso, foi “solicitado a cessar os movimentos e actividades que eram dirigidos contra a segurança e a estabilidade da Jordânia”, acrescentando que isto foi feito como parte de “investigações conjuntas abrangentes por parte dos serviços de segurança”. O príncipe Hamzah participou em várias reuniões tribais jordanas para criticar o governo. Isto trouxe-lhe popularidade em alguns círculos da sociedade, mas não é claro se isto lhe rendeu seguidores nas estruturas governamentais. O chefe da Chancelaria do príncipe, Yasser Al-Majali, esteve entre os que foram presos pelas autoridades. Pertencia a uma tribo jordana, que, segundo rumores, estava entre aqueles cujo apoio o príncipe procurou na luta contra o seu meio-irmão, o rei.

O ministro dos Negócios Estrangeiros jordano e vice-primeiro-ministro Ayman Safadi apresentou a primeira versão oficial do que aconteceu até agora, embora a sua história fosse escassa em detalhes, uma vez que esta questão é muito sensível à segurança nacional. “Os serviços secretos do país interceptaram uma conspiração que deveria ter sido realizada”, disse Safadi, acrescentando que o príncipe Hamzah estava em contacto com um governo estrangeiro para desestabilizar o reino. Um homem com ligações aos serviços secretos estrangeiros contactou a mulher do príncipe Hamzah para a aconselhar a abandonar o país de avião, mas todas as comunicações estavam sob escuta, disse ele. Embora Safadi não nomeou o país estrangeiro ou a pessoa que alegadamente contactou a esposa de Hamzah, a identidade da pessoa rapidamente se tornou objecto de especulação. O jornalista israelita Barak Rav escreveu que um empresário israelita com ligações ao governo dos EUA estava em contacto com o antigo príncipe herdeiro da Jordânia, Hamzah bin Hussein, quando foi colocado sob prisão domiciliária, e ofereceu-se para enviar um jacto privado para levar a sua esposa e filhos para a Europa.

Barak Rav informou que o desconhecido era Roy Shaposhnik, um político do Partido do Centro Kadima em Israel e conselheiro do antigo primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert. Roy Shaposhnik disse nunca ter sido oficial da Mossad, mas confirmou que se ofereceu para ajudar o príncipe Hamzah e a sua família como parte da sua amizade. Esta amizade começou mesmo quando a empresa de Shaposhnik forneceu assistência na logística da empresa do príncipe, que treinou soldados iraquianos na Jordânia.

Estas observações trouxeram alguma clareza à história e contradisseram rumores anteriores que ligavam a conspiração aos estados do Golfo. Uma fonte jordana disse ao semanário Al-Ahram que os Estados do Golfo, Egipto e outros Estados, incluindo os Estados Unidos, rapidamente emitiram declarações de apoio à Jordânia e expressaram a sua total confiança na liderança, prometendo ajudar a manter a Jordânia estável e segura. Só o governo de Netanyahu não o fez. A única coisa com que muitos jordanos concordam é a detenção de Bassem Awadallah. Quer tenha sido o seu papel numa tentativa de golpe “apoiado por estrangeiros”, quer devido a “relações comerciais muito sensíveis” que vão contra os interesses nacionais da Jordânia, muitos jordanos estão contentes por ele estar agora a enfrentar a lei e serão responsabilizados.

Um possível fim para os últimos acontecimentos foi dado por Abdullah II, que, face a uma divisão social sem precedentes na família real, o retratou como uma tentativa de rebelião com a participação do seu meio-irmão, que foi “cortada pela raiz”, mas que lhe causou raiva, dor e choque. O monarca parecia estar a duplicar as acusações contra o príncipe Hamzah, o antigo príncipe herdeiro, enquanto tentava convencer os jordanos de que a nação estava a voltar aos seus assuntos como de costume. Mas mesmo que a actual crise acabe por ser completamente desanuviada, a monarquia aliada do Ocidente enfrentará sérios problemas à medida que enfrentar uma crescente dissidência interna.

Recentemente, a Jordânia tem de facto experimentado várias dificuldades económicas, exacerbadas pelos efeitos negativos da pandemia da COVID-19. Os trabalhadores emigrantes estão a regressar dos países do Golfo para aumentar o desemprego no Reino, e os escassos recursos do país dificultam a satisfação das suas necessidades. O apoio financeiro e outros, especialmente dos países ricos do Golfo Pérsico e de Israel, diminuiu por muitas razões, inclusive devido à posição da Jordânia sobre questões regionais. E, aparentemente, qualquer uso do descontentamento popular e da crescente raiva contra o governo pode causar ainda mais agitação no país. E, nesta situação, tudo dependerá da posição do exército e dos serviços especiais, que até agora têm sido tradicionalmente leais ao rei Abdullah II.

Fonte: New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube