Stoltenberg não esconde nada sobre a ‘oportunidade’ da NATO em relação à China

Esqueça a China, ou a Rússia, como uma alegada ameaça. São, na realidade, uma “oportunidade” para a NATO e o imperialismo dos EUA


Num momento desprotegido, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, deixou sair o gato do saco quando descreveu a ascensão da China como um desafio e “uma oportunidade”. O que ele estava a admitir involuntariamente é que uma política de confrontação com a China dá à aliança militar um novo objectivo muito necessário.

Stoltenberg estava a dar uma entrevista exclusiva à Deutsche Welle para assinalar a primeira cimeira ministerial da NATO em que participou a administração Biden. A cimeira de dois dias realizada a 23-24 de março na sede da NATO em Bruxelas envolveu a participação pessoal do secretário de Estado norte-americano Antony Blinken, bem como de outros ministros dos negócios estrangeiros da aliança militar de 30 nações.

A reunião da NATO surge no momento em que os Estados Unidos e os seus aliados europeus estão a intensificar uma política coordenada de sanções contra a China e a Rússia sobre alegadas questões de direitos humanos. Esta semana assistiu-se a uma coordenação sem precedentes por parte dos EUA, Canadá, Grã-Bretanha e União Europeia na implementação de novas sanções contra Pequim e Moscovo. Não é por acaso que este desenvolvimento provocatório surge após reuniões internacionais de alto nível, tanto presenciais como por videoconferência, por parte da administração Biden, apelando aos aliados para que adoptem uma posição mais adversa e unificada em relação à China e à Rússia.

A administração Biden mudou de rumo em relação à anterior política de Trump da “América Primeiro” para defender vigorosamente uma relação transatlântica “revitalizada”. Washington vê um eixo EUA-Europa mais unificado como uma forma estratégica mais eficaz de desafiar a China e a Rússia. E a NATO está a fornecer um veículo de coordenação renovado.

Mas ao procurar a unidade, a administração Biden tem necessariamente que impulsionar uma política muito mais agressiva em relação à China e à Rússia, apresentando-as como ameaças maiores. Isto significa que a aliança militar americana assume uma maior responsabilidade na liderança da política de Washington. Uma declaração conjunta da NATO esta semana afirmou a unidade da aliança face à “agressão” russa. Moscovo rejeitou a declaração, dizendo que a Rússia não ameaçava nenhuma nação, e que a NATO estava a tentar justificar a sua existência.

O legislador russo Leonid Slutsky disse que as afirmações da NATO sobre ser uma aliança defensiva são uma “mentira descarada”, apontando para as guerras e intervenções que lançou na ex-Jugoslávia, Afeganistão, Iraque, Líbia e Síria.

O principal diplomata americano, Antony Blinken, afirmou esta semana que a ascensão da China e as tentativas da Rússia para desestabilizar o Ocidente eram “ameaças” que exigiam a aproximação da NATO. Blinken acrescentou desonestamente que os EUA não forçarão os seus aliados a fazer uma “escolha entre nós ou eles” com a China. É exactamente isso que os EUA estão a fazer.

Jens Stoltenberg e outros líderes europeus desmaiam com o “novo capítulo” das relações transatlânticas sob a administração Biden. Depois de quatro anos a lidar com Donald Trump de boca vulgar e a sua implacável hesitação em relação aos orçamentos militares, alguns líderes europeus suspiram com alívio ante as garantias aparentemente melódicas de Biden de que “a América está de volta”.

É claro que pessoas como Stoltenberg, um antigo primeiro-ministro norueguês que tem sido o chefe civil da NATO desde 2014, estão dependentes de impulsionar uma aliança mais forte para a sua confortável subsistência e, sem dúvida, para futuras garantias de sinecura em grupos de reflexão financiados por empresas. Stoltenberg esforça-se constantemente por encontrar uma nova visão e missão para a NATO, uma organização fundada há mais de 70 anos no início da Guerra Fria, e que tem vindo a expandir-se desde então, apesar do fim oficial da Guerra Fria há três décadas. A frase que usa é para tornar a aliança “à prova do futuro” – ou seja, para encontrar um pretexto permanente para que a organização militar liderada pelos EUA continue a sua existência, independentemente das necessidades de segurança do mundo real.

Na sua entrevista com a Deutsche Welle esta semana, Stoltenberg comentou sobre a ascensão da China. Ele disse, inferindo algo ameaçador: “A China está a aproximar-se de nós, investindo nas nossas infraestruturas críticas”.

Talvez porque a China é o maior parceiro comercial do mundo com a União Europeia e um grande investidor directo estrangeiro em nações europeias que se tornaram falidas por décadas de capitalismo neoliberal e austeridade.

Stoltenberg prosseguiu: “Não há forma de evitar enfrentarmos as consequências para a nossa aliança regional decorrentes da ascensão da China e da mudança no equilíbrio global do poder”.

E depois Stoltenberg, normalmente cauteloso e de madeira, deixou-o escapar: A China, disse ele, proporcionou “uma oportunidade única para abrir um novo capítulo na relação entre a América do Norte – os Estados Unidos – e a Europa”.

Voilà! Assim, o verdadeiro valor estratégico da China apresentada como uma “ameaça” ou um “adversário” é dar um novo propósito ao bloco da NATO liderado pelos EUA, que subordina a Europa ao objectivo geopolítico de hegemonia de Washington. A ênfase aqui é colocada na China “ser apresentada como uma ameaça” e não no que é realmente a verdadeira relação, ou seja, um dos parceiros económicos vitais. (O mesmo se aplica à Rússia e à sua vasta parceria energética com a Europa).

Os Estados Unidos em busca do domínio global pelas suas corporações e pela sua ordem capitalista devem, por definição, impedir uma economia política global multipolar que a ascensão da China e da Rússia encarna.

O problema político diabólico, porém, é que Washington e os seus substitutos europeus não podem justificar tal posição com base nas relações normais e naturais que existem. Pois, ao fazê-lo, seriam vistos como agressores odiosos e injustificados. É imperativo, portanto, confinar a China e a Rússia como “ameaças à segurança” à presumível “ordem baseada em regras” ocidental.

Não importa que a “ordem baseada em regras” ocidental tenha visto as potências da NATO destruir regras e ordem ao invadir países de todo o mundo, travando guerras e subversões criminosas, matando milhões de pessoas e libertando o terrorismo e outras ameaças à segurança resultantes do colapso de nações e da migração em massa.

Esqueça a China, ou a Rússia, como uma alegada ameaça. São, na realidade, uma “oportunidade” para a NATO e o imperialismo dos EUA, que a aliança acaba por servir, para encontrar uma desculpa para a sua existência e conduta criminosa. Basta perguntar ao secretário-geral Jens Stoltenberg (que, como dizem as piadas, é mais secretário do que general).

Fonte: Strategic Culture

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube