Grande entrevista com Robert Steuckers

Robert Steuckers é um autor belga, ensaísta, tradutor, activista, antigo membro do grupo de reflexão da Nova Direita GRECE, e fundador do grupo de reflexão Sinergias Europeias. Falámos com ele sobre geopolítica, filosofia, política, o movimento da Revolução Conservadora, e outros temas interessantes e questões actuais.


Por Andrej Sekulović

Escreveu vários livros e ensaios sobre o movimento alemão de entre guerras da primeira metade do século XX, conhecido como a “Revolução Conservadora”, que teve um grande impacto sobre as correntes ideológicas de Direita em toda a Europa, mas que é deliberadamente ignorado pelos académicos de hoje. Pode dizer-nos um pouco mais sobre este movimento?

Mesmo que eu desse uma “breve panorâmica” da revolução conservadora ou do “movimento popular”, precisaria de uma boa centena de páginas. Pelo menos. Isso estaria para além do âmbito da nossa entrevista. Mas, para ser breve, devo no entanto lembrar que Theodor W. Adorno, uma das figuras mais emblemáticas da Escola de Frankfurt, que é justamente considerada como o oposto filosófico absoluto da “revolução conservadora”, admitiu uma vez que a crítica incisiva, formulada pelos melhores autores desta “revolução conservadora” contra os sistemas políticos guilhermiano e weimariano e contra as filosofias implícitas que os sustentavam, era frequentemente mais relevante, mais profunda, do que as críticas da esquerda, em cuja órbita Adorno pretendia inscrever a sua luta. Adorno acrescentou que era imperativo perguntar por que razão estas críticas eram mais poderosas do que toda a parafernália para-marxista da esquerda, salpicada ou não de elucubrações psicanalíticas ou especulação sexual.

A “Revolução Conservadora”, como regra geral, porque não se deve deixar de pensar na extrema heterogeneidade deste impressionante corpo de autores, baseia-se num sentido agudo do declínio da nossa civilização, que se tornou demasiado materialista, demasiado processual, demasiado afectada por rotinas que se tornaram incapacitantes ao longo do tempo: esta ideia encontra-se num sociólogo/filósofo algo esquecido no actual movimento neo-direitista, Georg Simmel. Ele insistiu na ossificação inescapável dos “procedimentos” e “processos” nascidos na sequência da industrialização generalizada da Europa, a partir da segunda metade do século XIX. Estes procedimentos e processos tiveram todos um início deslumbrante e promissor, foram o prenúncio de uma modernidade feliz e racional, mas acabaram por ficar atolados em rotinas que impediram o surgimento de novas forças regeneradoras. As produções jurídicas, institucionais e administrativas da ideologia liberal progressista acabaram assim por produzir incrustações perniciosas, que bloquearam qualquer progresso, qualquer decisão, qualquer resolução de problemas acumulados e geraram, volens nolens, uma regressão generalizada, colocando assim um grave problema de legitimidade (democrática ou não).

Mencionou a Escola de Frankfurt, que é considerada o “berço” da nova esquerda e poderia ser considerada como o oposto completo da Revolução Conservadora. Como compararia estes dois grupos?

As sociedades, primeiro a guilhermiana e austro-húngara antes de 1914, logo a República de Weimar depois do Tratado de Versalhes de 1919, tinham passado a viver sob uma crosta sufocante de regras e rigidez, de pesos conceptuais económicos e desculturalizantes, falsos princípios políticos e falsas modas moralizadoras, uma crosta perfeitamente bloqueadora, que impedia a resolução dos terríveis problemas do dia, a inflação galopante e a obrigação de alimentar a França com as enormes reparações exigidas em Versalhes. As ideias de Simmel sobre os bloqueios da chamada sociedade “racional” influenciaram a Escola de Frankfurt precisamente a partir da sua fundação em 1926. Fortalecidos pela visão negra e trágica de Spengler, o pensador do declínio da Europa e do Ocidente como um todo, os “revolucionários conservadores” deixaram de acreditar em todas as ideologias de progresso e deixaram de conceber as suas acções (políticas ou meta-políticas) como “kathekónicas” (tomando como modelo o Kathekon do Apocalipse, que luta incessantemente para atrasar a queda final). Os proponentes da Escola de Frankfurt procurarão, por seu lado, salvar o progresso e imaginar formas alternativas de luta metapolítica e política, baseadas noutros agentes revolucionários que não as massas trabalhadoras. Os seus últimos emuladores puseram em marcha o processo de decadência no final dos anos 60, um processo que vemos terminar hoje com as loucuras festivas e de género que os governos polaco e húngaro se recusam a traduzir em práticas sociais obrigatórias. A modernidade progressiva teve assim duas oportunidades históricas que desperdiçou: a primeira antes de 1914; a segunda em duas fases, depois de 1945 e especialmente depois das revoltas de 1967-68, anunciando a era da festividade, que se esperava ser um vector de infalível e eterna felicidade. Estamos hoje desiludidos, tanto mais que este disparate ideológico foi associado a uma monstruosidade sócio-económica, o neoliberalismo, tão anti-político como as obsessões, sexuais e outras, de um Cohn-Bendit. Hoje vemos a colisão catastrófica deste disparate e desta monstruosidade em acção.

Um dos filósofos que teve bastante impacto nas ideias da Revolução Conservadora foi Oswald Spengler.

A ideia spengleriana de declínio foi acentuada pela derrota militar alemã de 1918, pelas condições humilhantes do Tratado de Versalhes de junho de 1919, e pela incapacidade dos sucessivos governos da República de Weimar em assegurar a ordem nas ruas, em proteger o povo contra os efeitos das crises económicas e financeiras, etc. Paralelamente, havia também a situação sombria na sociedade alemã gerada pela ideia de declínio, cada vez mais generalizada, e o colapso da moeda, em grande parte devido à obrigação de pagar indemnizações à França. Grupos como o de Arthur Moeller van den Bruck adquiriram a ideia de que a derrota não foi apenas o resultado das acções dos exércitos aliados ocidentais contra o exército imperial alemão, mas também da inadequação das instituições guilhermianas, uma inadequação que os democratas liberais da República de Weimar repetem, embora em nome de outros disparates ideológicos. Nos seus artigos, Moeller van den Bruck populariza as suas ideias utilizando as categorias de “jovens” e “velhos”. Jovem é aquele que ainda tem potencial e fertilidade criativa em si mesmo na arena política. “Velho” é o que permanece passivo sob a crosta de instituições fixas, do que repete o infértil “ritornello”. Transposta hoje, esta distinção, outrora utilizada por Moeller van den Bruck na sua polémica, decretaria “velho”, o liberal e a miscelânea de sessenta e oito, o que conduz a um impasse e crise permanente (como sob a República de Weimar), e “jovem”, tudo aquilo que coagula num “pólo de reactividade” hostil a esta insuportável miscelânea.

Outro alemão que influenciou bastante esse movimento foi Carl Schmitt…

Carl Schmitt, no contexto da República de Weimar e não no contexto mais ideológico e polémico da revolução conservadora, forjou dois conceitos a reter: o da “decisão” (Entscheidung), da capacidade e da vontade de decidir a política a seguir (e mesmo a guerra a travar); a “decisão”, com a designação do inimigo, são portanto os próprios fundamentos da política, da essência da política. Na opinião de Schmitt, a política só é constituída pela gestão e debates quotidianos sem grande alívio das assembleias mais ou menos representativas em tempos normais. Quando existe um “estado de excepção” ou um “estado de emergência”, quando a cidade é ameaçada, as decisões devem ser tomadas rapidamente, sem debate, sem perda de tempo. Depois de ter sido severamente criticado pelas autoridades nacional-socialistas e de se ter retirado de certos cargos para os quais tinha sido nomeado, Schmitt teorizou a sua noção de “Grande Espaço” (Großraum), em paralelo com os formulados ao mesmo tempo pelas várias escolas de geopolítica activas na Alemanha, incluindo a de Karl Haushofer. A Europa, em torno do seu centro alemão, em torno do território que outrora foi o território do Sacro Império Romano da Nação Alemã, teve de se unir, gerir em concertação o seu muito grande apêndice colonial africano e proibir o acesso a qualquer poder fora deste duplo espaço euro-africano. Para Schmitt, esta era a noção de “Interventionsverbot raumfremder Mächte“, destinada a proibir qualquer intervenção de potências fora do espaço europeu no espaço europeu e nos espaços adjacentes controlados por europeus. O modelo histórico do raciocínio de Carl Schmitt, uma espécie de modelo “contrario”, foi a proclamação em 1823 do presidente americano Monroe, que estabeleceu como axioma da política externa norte-americana a proibição sistemática de qualquer intervenção europeia no Novo Mundo, após a expulsão de Espanha do seu império ibero-americano. Apenas os russos no Alasca e na Califórnia (até 1842) e os britânicos no Canadá permaneceram presentes na América. O europeísmo grande-espcial de Schmitt complementou a visão tríplice (Alemanha + União Soviética + China) dos alemães nacional-revolucionários e nacional-bolcheviques. No ensaio principal do segundo volume, que dediquei à “revolução conservadora”, sublinhei a importância desta vontade nacional-revolucionária de criar uma vasta sinergia germano-soviética-chinesa nos anos vinte do século passado, até 1933, ano em que os nacional-socialistas se estabeleceram em todas as engrenagens do poder. O expoente principal desta tríade eurasiática, antes da carta e antes do renascimento deste conceito por Alexander Dugin na Rússia actual, foi Richard Scheringer, cujo fac-símile da revista Aufbruch revela opções geopolíticas e geoestratégicas interessantes que, tudo considerado, têm um impacto nos acontecimentos actuais. Os nacional-revolucionários alemães tencionavam tomar o poder na Alemanha como resultado das crises recorrentes na República de Weimar; para eles, estas crises anunciavam um fim inevitável e catastrófico, gerando o caos temporário a que os antigos soldados da Grande Guerra iriam pôr termo, quer enviando os falsos políticos de volta às suas casas, quer … ajustando as suas contas de uma vez por todas.

Mencionou a “visão tríplice” da Alemanha, da União Soviética e da China. Fale-nos um pouco mais sobre isto…

Os comunistas, que inicialmente consideravam como seus aliados, estavam no poder na URSS. O partido dominante na China era o Kuo Min Tang (KMT) de Chiang Kai Chek, com o objectivo de estabelecer o poder militar modernista. O KMT recebeu o apoio de soldados alemães, incluindo o famoso general von Seeckt e o futuro governador militar da Bélgica ocupada, von Falkenhausen. O Reichswehr residual treinou na URSS. Scheringer e também os irmãos Jünger, Hielscher e Niekisch queriam a constituição desta grande tríade eurasiática, capaz de atrair para a sua órbita a Turquia kemalista, o Irão do primeiro Xá da dinastia Pahlavi e nacionalistas indianos em revolta contra o colonialismo britânico. Hoje, a inferioridade da Alemanha (e do resto da Europa) na americanosfera é um fracasso e só pode levar ao atoleiro do nosso continente e da nossa civilização. O sistema Merkel está a levar a Alemanha à implosão e a um revés económico, perante o qual as crises de Weimar em breve parecerão pequenas ondas. Mas os principais clientes da Alemanha, que a mantêm a flutuar actualmente, são a Rússia de Putin, que fornece a maior parte da sua energia, e a China de Xi Jinping, que é o seu principal parceiro comercial. Inevitavelmente, a Tríade potencial eurasianismo, está de volta. Scheringer estava certo.

Na sua opinião, quanto é que a Revolução Conservadora influenciou os franceses e a Nova Direita Europeia?

A “nova direita”, especialmente na sua expressão parisiense, não se envolveu realmente em questões geopolíticas. Na verdade, é uma dessas seitas intelectuais parisienses, com tudo o que há de ridículo e desagradável nisso. Já não me consigo identificar com este tipo de cenáculo. Guillaume Faye deplora esta situação expressis verbis, no seu livro intitulado L’archéofuturisme, que não lhe foi perdoado: até à sua morte, foi perseguido pelo ódio dos seus antigos companheiros de luta, cujos reflexos eram mais sectários do que metapolíticos. Stefano Vaj, amigo de Faye, um jurista e pensador milanês, teórico de uma nova direita dissidente italiana, é da mesma opinião: os seus textos cáusticos sobre os reflexos sectários e a arte de brandir a sua “sebíl”, pedindo dinheiro para alimentar o guru e satisfazer os seus caprichos, são muito apetitosos. Entre as fileiras da seita parisiense neo-direitista, muito poucos compreendem um mínimo de alemão para compreender a importância das teorias da “revolução conservadora” e sobretudo para compreender o contexto eminentemente germânico em que nasceram. O resultado final desta bizarra agitação é uma cacofonia em que todos se desentendem das obras traduzidas dos “conservadores-revolucionários” sem nunca compreenderem o contexto complicado da Alemanha de Weimar, onde os actores políticos por vezes se deslocavam de um campo para o outro, justificando as suas escolhas com argumentos complexos e muito alemães, no sentido de que por detrás deles havia frequentemente uma herança filosófica hegeliana ou veias políticas originais e inexportáveis nascidas na segunda metade do século XIX.

Concorda que a filosofia de Friedrich Nietzsche também desempenhou um grande papel tanto na Revolução Conservadora como na Nova Direita?

Finalmente, no contexto da nova direita francesa, serão principalmente Ernst Jünger e Oswald Spengler que serão chamados, porque foram muito cedo e abundantemente traduzidos para o francês. A esta recepção de Spengler e, sobretudo, de Jünger, devemos acrescentar um impacto muito importante da veia nietzscheana francesa, nascida antes da Primeira Guerra Mundial, sob o notável impulso de Charles Andler (1866-1933), natural de Estrasburgo, autor de três volumes sobre a recepção de Nietzsche em França. Charles Andler era socialista, membro fundador do Révolutionnaire Parti Ouvrier Socialiste, fundado em 1889. Tinha-se correspondido com Engels, definindo a sua posição como “humanista e trabalhista” mas, como a referência a Nietzsche antes de 1914 era mais socialista do que conservadora, foi à Alemanha em 1904 para se encontrar com a irmã de Nietzsche e à Suíça, a Basileia, em 1907, para receber conselhos do primeiro grande especialista do pensamento nietzschiano, Carl Albrecht Bernoulli (1868-1937), aluno do amigo de Nietzsche, Franz Camille Overbeck (1837-1905). A sua tríplice posição política, socialista, dreyfusiana e nietzscheana, suscitou a virulenta hostilidade da Action Française, o principal porta-voz da direita nacionalista da época. No entanto, Andler não era um germanófilo alsaciano: durante a Primeira Guerra Mundial, criou várias estruturas destinadas a reintegrar a Alsácia na República Francesa.

Será que as suas opiniões socialistas afectaram as percepções de Andler sobre Nietzsche? E como é Andler visto hoje em dia pelos círculos modernos da esquerda e da direita?

Andler, um socialista, contudo, retrata uma imagem de Nietzsche que não é de forma alguma adulterada, completa e sinóptica. Com o seu método, com um olho enciclopédico, ele enumera todas as fontes do pensamento de Nietzsche e comenta-as sem nunca usar jargão. Ele explora obviamente as fontes alemãs deste pensamento aforístico e não-sistemático (ao contrário da moda hegeliana) mas não omite a menção das fontes francesas: Montaigne, Pascal, La Rochefoucauld, Fontenelle, Chamfort, ou Stendhal. Muitas das ideias de Nietzsche, que ainda hoje são relevantes, derivam das suas leituras francesas: o desejo de desmascarar mentiras sociais, a ideia de uma visão que deve necessariamente ser “perspectivista” da realidade, o naturalismo moral, o pessimismo intelectual, a crítica ao espírito gregário, a glorificação do solitário que emana da multidão de ignorantes, a ideia stendhaliana de que a civilização é medida pela energia e que qualquer declínio da energia anuncia uma queda da civilização, o primado da beleza, etc. Mas aqui estamos em presença de um hiato na história das ideias em França, assim que se evoca a figura e obra de Andler: os esquerdistas franceses e alemães não o retêm porque negaram, num determinado momento da sua história, tanto na França como na Alemanha, a sua forma de socialismo, que era humanista, trabalhista e nietzscheana. Há uma denúncia das estratégias de desmascaramento defendidas por Nietzsche, especialmente na La généalogie de la morale, à esquerda, especialmente na actualidade. Muito simplesmente porque a esquerda detém a vantagem na “paisagem intelectual francesa”, os seus intelectuais formando uma nova “clericatura” intolerante e histérica, arqueada sobre os seus slogans, que obviamente teme a emergência de uma contra-potência cultural polaca, anexando em seu benefício as estratégias de desmascaramento defendidas por Nietzsche numa parte significativa da sua obra filosófica. Em segundo lugar, os nossos esquerdistas contemporâneos rejeitam qualquer abordagem “perspectivista”, ou seja, qualquer abordagem pluralista dos fenómenos em acção na história e nas cenas políticas, em nome do “politicamente correcto”. Qualquer crítica ao espírito gregário ou qualquer referência à energia vital é assimilada à “extrema-direita”, ou seja, ao mal absoluto.

À direita, Andler é igualmente esquecido deliberadamente porque o seu socialismo o assimila à esquerda, o que é, no final, uma análise muito míope, que se contenta em doar rótulos, a exigida por todos nós pelo politicamente correcto de hoje e pela preguiça intelectual induzida pelo sistema político-midiático. As posições dreyfusianas de Andler não lhe são perdoadas no direito do espectro político. A hostilidade que a Action Française lhe dedicou foi mantida de certa forma nos cenáculos de direita, que, tal como os seus opositores de esquerda, fazem um apologético fixo e não procedem à genealogia das ideias em geral e do seu próprio corpus em particular. Quanto às fracções germanófilas e/ou etno/regionalistas no pequeno mundo da direita francesa, não compreendem o seu empenho em reintegrar etnicamente e/ou linguisticamente a Alsácia de língua alemã no quadro de uma “Terceira República”, odiada pelas suas opções maçónicas e burguesas. Estamos, portanto, confrontados com alguns belos paradoxos: a “nova direita”, que afirma ser “nietzscheana” por hostilidade ao cristianismo em geral e ao catolicismo do Terceiro Mundo em voga desde o Vaticano II em particular, não tem em conta o nietzscheanismo francês (e alemão) original que se situava à esquerda do espectro político da Terceira República e do Reich guilhermiano, enquanto que as posições tomadas por Andler no seu tempo sobre o trabalho de Nietzsche correspondem quase exactamente àquelas que a “nova direita” pretende defender hoje, porque abandonou as suas opções iniciais anti-igualitárias e pró Giscard d’Estaing e Jacques Chirac da direita das décadas de setenta e oitenta.

Quando se interessou pela primeira vez por estas ideias, e em que medida foi influenciado por elas?

Quanto à medida em que o vasto movimento da “revolução conservadora” (alemã ou não) me influenciou a mim ou à “nova direita” francesa, diria que os meus passos, e os dos meus colegas estudantes quando estávamos no liceu, começaram muito antes de eu conhecer a “nova direita” parisiense. Em casa, começou com uma leitura precoce de dois livros de Nietzsche, O Anticristo e A Genealogia da Moral. Isso foi em 1971. Depois nós, o bando de fedelhos da escola de Bruxelas, andámos a vasculhar durante quatro anos antes de descobrir a revista Nouvelle école, que ainda não falava de uma “revolução conservadora”, excepto para uma crítica de Giorgio Locchi, um excelente germanista italiano, do livro de Armin Mohler “Die Konservative Révolution in Deutschland 1918-1932”. Estávamos bem conscientes de que a “confusão” existente no nosso país (e noutros lugares) tinha de ser varrida, atirada para a lixeira da história, tal como se deita fora mobiliário velho que foi apodrecido pela voracidade insaciável dos escaravelhos da madeira. Mesmo quando adolescentes, sabíamos que era necessária uma revolução cultural, baseada no conhecimento clássico (estávamos nas classes de Latim), mas também no que tinha sido reprimido após as duas grandes conflagrações fratricidas que tinham arruinado a Europa entre 1914 e 1945. Para nós, esta repressão foi sobretudo a que tinha afastado a cultura germânica, que tinha sido decisiva na Bélgica antes de 1914, quando todos queriam pensar de forma diferente dos padrões insuportáveis da Revolução Francesa e da “máquina république”, cujos ouvidos ainda hoje ressoam nos nossos ouvidos, ao ponto de nos fazer querer vomitar quando um capanga desta república comida pelas traças, quer seja da direita ou da esquerda, ainda ousa falar de “valores republicanos”, quando tudo relacionado com esta república não tem valor, constituindo mesmo o pior dos “anti-valores”.

Devo a necessidade da ancoragem clássica ao professor de Latim, o abade Simon Hauwaert, que estava bem consciente de que as humanidades greco-latinas, que ele estimava como a menina dos seus olhos, precisavam de ser consolidadas pelo conhecimento mitológico e arqueológico dos mundos germânico e celta. Foi assim que li o especialista na cultura celta Jean Markale sobre materiais irlandeses, galeses e bretões. Pela iniciação do aluno ao mundo mitológico germânico, devo-o a um pequeno livro que recomendo sempre muito, devido à caneta do argentino Jorge Luis Borges, Essai sur les anciennes littératures germaniques. Estes pequenos conhecimentos iniciais, complementados por um pequeno curso escolar sobre as origens da literatura holandesa, colocaram-nos, nos anos 70, como manifestantes inabaláveis contra a desordem oficial que se instalava ao apagar todos os legados da nossa história e cultura.

Também escreveu muito sobre geopolítica, incluindo um livro inglês sobre este assunto. O que nos pode dizer sobre as suas actividades nesta área?

Nunca recebi este livro que escrevi. Não sei como é que é. O tema deste livro, geopolítica, há muito que me vem à cabeça: Sempre me interessei pela história e pelos mapas desde criança. Na versão alemã do seu pequeno trabalho didáctico e programático sobre a “nação europeia”, Jean Thiriart evocou a geopolítica e inseriu alguns mapas sugestivos nas páginas deste pequeno volume de 192 páginas. Mais tarde, descobri o trabalho de Jordis von Lohausen, Mut Zur Macht (1978), que deu um verdadeiro impulso geopolítico ao meu trabalho metapolítico, não à primeira vista, no quadro de qualquer organização política ou metapolítica, mas no quadro dos meus estudos como tradutor-intérprete, onde tivemos, durante os últimos dois anos, um curso muito importante sobre relações internacionais. Do mesmo modo, os cursos de inglês e alemão incluíam uma componente “cultural/histórica”, envolvendo o estudo da literatura mas também e sobretudo as “estruturas políticas, económicas, sociais e culturais” (SPESC) dos países estudados. Esta série de palestras deu-me uma compreensão da história institucional da Alemanha desde Guilherme II até à República Federal com base na Constituição de 1949. Para os países anglo-saxónicos, os cursos eram menos concisos e menos coerentes, uma vez que o Reino Unido e os Estados Unidos, ou mesmo outros países de língua inglesa como o Canadá ou a Austrália, deviam ser tratados no mesmo curso, no mesmo número de períodos. Foi no âmbito deste curso que descobri os atlas históricos de Colin McEvedy, que abordam a história europeia a partir do período proto-histórico e a encaram de uma forma dinâmica, fazendo-a passar pelo choque permanente e/ou recorrente das matrizes civilizacionais indo-europeias com as matrizes de outros grupos étnicos, mais ou menos homogéneos no início da sua emergência no teatro euro-asiático (pois McEvedy não limita a Europa ou a área de expansão das matrizes indo-europeias ao que é hoje acordado ser o nosso continente; McEvedy inclui ambas as margens do Mediterrâneo e uma área da estepe que se estende até ao Pamir). As fases de expansão e recuo da europeísmo sucedem-se face a outras matrizes, em particular, a que irá formar, ao longo da história, o hostil trinómio que agrupa as matrizes Camítica/Asiânica, Árabe-Semítica e Turco-Húngara-Mongólica, cujos territórios iniciais são o vasto espaço norte-africano, o espaço peninsular árabe e o espaço estepe da Ásia Central. A presença Camítica/Asiânica em Espanha a partir de 711, a expansão árabe-semita depois de Maomé, sob os primeiros califados, a longa ocupação dos Balcãs pelo Império Turco-Otomano, são todas fases de retirada, que foram compensadas por uma reconquista a longo prazo; O retrocesso da Europa, o seu colapso demográfico face às outras matrizes, que não estão a viver este fenómeno involutivo de declínio, constituem uma nova e preocupante fase de retirada, acentuada pelo facto de já não existir realmente uma fronteira claramente definida, onde o europeísmo poderia enfrentar a Europa sitiada. A luta pelo domínio final teve lugar no próprio coração das cidades da Europa, até à Escandinávia.

O livro em inglês, e a minha trilogia intitulada Europa, publicada em França pelas Edições Bios, tratam exaustiva e profundamente destes processos de controlo do espaço. A esta influência inicial de Thiriart, von Lohausen e McEvedy, acrescentar-se-á mais tarde a descoberta da obra do geopolitólogo alemão Karl Haushofer, graças a múltiplos impulsos, e da noção de “Grande Espaço” (Großraum) na obra de Carl Schmitt, graças nomeadamente a debates com o advogado de Estrasburgo Jean-Louis Feuerbach que abordara em pormenor este aspecto da obra de Schmitt.

O que acredita ser essencial para que a Europa sobreviva?

Tudo isto implica que a sobrevivência da Europa como uma civilização particular, diferente da do Ocidente inglês, francês e americano, depende das seguintes necessidades:

Pensar conjuntamente na dinâmica imperial presente no continente europeu (ou seja, a dinâmica imperial da Espanha (especialmente no Mediterrâneo), da Alemanha e da Áustria, da Rússia, com vista a restaurá-la para enfrentar qualquer ambiente hostil, orquestrado principalmente pelo hegemon do outro lado do Atlântico. Uma coerência multi-imperial poria rapidamente fim a qualquer desafio em segunda mão, ou seja, qualquer desafio camítico, semiítico, ou turco-otomano. Isto implica que o que em tempos foi defendido e/ou conquistado por um destes impérios, pelo menos na órbita europeia, deve ser mantido/consolidado e nenhuma tentativa de alterar a situação pode ser tolerada, nem nas Ilhas Canárias, nem em Ceuta, nem em Melilla, nem nos Balcãs, nem no Egeu, nem no Mediterrâneo Oriental, nem no Cáucaso (onde o governo arménio errou ao aproximar-se da NATO e o governo azeri errou ao aliar-se à Turquia).

Esta posição “pluri-imperial” deve ser alargada ao espaço iraniano, Índia (como Estado civil), China e Japão, apesar das hostilidades hereditárias que colocam estas entidades umas contra as outras, para maior benefício do hegemon do Novo Mundo.

O que nos pode dizer sobre a situação política geral na Bélgica?

Falar dos problemas institucionais da Bélgica implica a elucidação de mecanismos terrivelmente complicados. Os nossos interlocutores estrangeiros desistem muito rapidamente assim que os esboçamos. A Bélgica tem vários níveis de poder: federal, regional e comunitário. A diferença entre os níveis regional e comunitário é confusa para os nossos parceiros estrangeiros. A região é um conceito geográfico, territorial. A comunidade baseia-se numa base linguística e trata de tudo relacionado com a “pessoa” (educação, trabalho, etc.). A região flamenga e a comunidade fundiram-se. A Valónia é uma região geográfica, mas inclui o território da comunidade germanófona. Isto faz dela uma entidade bilingue (francês/alemão). A comunidade da Valónia-Bruxelas é representada por delegados eleitos da região da Valónia e representantes eleitos francófonos da região de Bruxelas-Capital. Não vou entrar em mais pormenores, caso contrário, os vossos leitores terão de engolir um tubo inteiro de aspirinas.

No passado, houve algumas tendências separatistas presentes na Flandres. Será que estas tendências ainda existem e quais são as principais diferenças políticas entre a Flandres e a Valónia?

As tendências separatistas na Flandres podem ser explicadas sobretudo pela diferença de comportamento eleitoral nas duas comunidades do país. A Flandres vota tradicionalmente mais à direita do que a Valónia ou Bruxelas. Isto não quer dizer que não exista um socialismo flamengo bem perfilado, especialmente nas zonas industriais em torno de Gante. Na Valónia, outrora uma zona densamente industrializada desde a revolução industrial do século XIX, desenvolveu-se um socialismo militante que mantém uma certa resiliência política, apesar da desindustrialização em grande escala que tem estado em curso há quase meio século. Mas o socialismo oficial, o do partido que leva o nome PS (Partido Socialista), mudou profundamente desde a sua fundação em 1885. No início da sua trajectória, este socialismo teve a sua razão de ser e, antes de 1914, foi o portador de uma interessante revolução cultural, cujas produções literárias, artísticas, ou arquitectónicas ainda fascinam. Depois de 1918 e até ao desastre belga de maio de 1940, uma figura intelectual de alto nível deu ao socialismo belga as suas cartas de nobreza na pessoa de Hendrik de Man, um teórico do socialismo personalista que inspirou consideravelmente os teóricos e activistas franceses que estão convenientemente agrupados sob o rótulo de “não-conformista dos anos 30”. Algumas pessoas fazem destes “não-conformistas” os equivalentes dos “revolucionários conservadores” alemães. Depois de 1945, o socialismo, como em toda a Europa Ocidental, serviu de cavalo de Tróia para as estratégias da NATO, com os americanos nos anos 40 e 50 a preferirem apostar nos social-democratas em vez de nos democratas-cristãos ou nos conservadores. Mais tarde, sob a influência das “novas esquerdas” e do espírito dos anos 1968, o socialismo, como em França e noutros lugares, preferiu apostar em novos estratos sociais, apresentou-se como desprivilegiado ou desacreditado, e adoptou os modos que o falecido filósofo Philippe Muray chamou de “festivo”. Abandonou a classe trabalhadora e, ainda mais amplamente, todas as famílias activas em funções sociais concretas. Com a loucura LGBT (etc.), as lutas concretas pela classe trabalhadora foram esquecidas, provocando uma hemorragia eleitoral a favor dos brincalhões que se autodenominam ecologistas e sobretudo de um neo-comunismo mais virulento, o do PTB (“Partido dos Trabalhadores da Bélgica”), que pretende, com razão, defender as conquistas sociais das classes trabalhadoras, conquistas que tinham sido exemplares na Bélgica de outrora. Na Flandres, a classe operária em geral (mas não completamente) preferiu o nacionalismo de direita aos discursos mais populistas.

Como é que estas diferenças políticas afectam o país como um todo?

Nos últimos cerca de 15 anos, os blocos eleitorais têm sido muito diferentes na Flandres e na Valónia, o que dificulta a formação de governos federais (centrais) equilibrados. A mistura eleitoral já não é possível, uma vez que a prática de construir um “cordão sanitário” em torno de formações nacionalistas flamengas permanece. Este ‘cordão sanitário’ aplicou-se pela primeira vez ao partido mais radical (VB – Vlaams Belang) e, desde as últimas eleições federais de 2019, também ao NVA (Nieuwe Vlaamse Alliantie) mais moderado, apesar de este partido, que foi largamente vitorioso nas eleições, ter estado no poder (federalmente) na legislação anterior (2014-19). A prática do duplo ‘cordão sanitário’ significa que entre 45% a 50% dos eleitores flamengos não têm representação a nível federal. Esta discriminação implícita, duramente sentida como tal, acentua evidentemente as tendências separatistas, enquanto que a sua intenção principal era combatê-las ou, pelo menos, contê-las! Isto é, em termos gerais, o que explica as tendências separatistas dos partidos de direita moderados e fortes na Flandres. Se os democratas-cristãos tivessem adoptado uma linha semelhante à de Orban na Hungria e os liberais tivessem optado pelo populismo ao estilo de Haider na Áustria, o separatismo nunca teria sido tão popular. Teria mantido a sua resiliência cultural e meta-política, mas não teria tido uma representação tão forte nas assembleias regionais e federais.

Mencionou o “velho” socialismo da classe trabalhadora e o “novo” socialismo que está mais preocupado com os grupos LGBT e várias minorias, que são supostamente “oprimidos”. É evidente que na esquerda moderna esta nova versão do “socialismo” está a prevalecer. Haverá hoje na Bélgica “contrapesos” metapolíticos para esta nova esquerda?

No panorama político francófono não existe nenhum corpo metapolítico que corrija o discurso dominante de esquerda-festiva. Um tal corpo poderia corrigir as tendências perniciosas adoptadas por um pessoal político geralmente composto por pessoas incultas e desviadas, incapaz, por ignorância grosseira, de apreender as questões em jogo no mundo e todos ocupados com esquemas suculentos, que tecem a reputação bem estabelecida de corrupção francófona no reino (onde a bela cidade de Liège foi apelidada de “Palermo-sobre-o-Mosa”). O eleitorado flamengo já não quer estar dependente desta ignorância e corrupção, o que não exclui, evidentemente, que a ignorância e a corrupção também existam na paisagem política flamenga. Quanto àqueles que são excluídos do poder pelo cordão sanitário, é óbvio que não têm sido capazes de espalhar as suas deficiências como aqueles que têm estado enraizados nos mistérios do poder durante muitas décadas. A minha visão pessimista é corroborada pelos factos: o colapso da cultura clássica, a proliferação de conhecimentos fraudulentos devido a este colapso impedirá qualquer nova descolagem a curto e médio prazo, independentemente dos rótulos que os activistas que se candidatam às eleições para o eleitorado colocam sobre si mesmos. Um exemplo claro e recente: após longos meses de negociações, um governo federal foi capaz de formar um governo à altura do ano 2020. Os parlamentares federais tiveram de prestar juramento de posse em duas línguas da sua escolha, francês, holandês ou alemão. Tiveram de proferir esta simples frase: “Juro observar a constituição”, “Ik zweer de grondwet na te leven”, “Ich schwöre die Verfassung zu befolgen”. Nesta colecção de tristes garanhões e tristes esposas, quase nenhum deles foi capaz de dizer correctamente estas frases simples (assunto, verbo, complemento!), nem na sua língua materna nem na outra língua escolhida. O espectáculo na televisão e no YouTube foi alucinante e angustiante. Isto diz muito para o futuro!

Muitos países da Europa Ocidental enfrentam hoje problemas como as migrações em massa, a islamização, e o aumento da criminalidade ou do terrorismo. Qual é a situação na Bélgica?

A Bélgica está a enfrentar estes problemas como todos os outros países da Europa Ocidental. A islamização da paisagem quotidiana pode ser vista especialmente em Bruxelas, em alguns bairros, enquanto outros estão livres de qualquer vestígio de islamização. Para mim, pessoalmente, e para a minha mulher, o sinal mais evidente da islamização desenfreada é o desaparecimento das lojas de certos produtos alimentares tradicionais, como o pão de açúcar (a “bolacha”) e o pão de passas (a “cramique”), que não são a priori haram. Para ter a certeza de encontrar todos os ingredientes da nossa comida tradicional, é preciso comprar fora da Região de Bruxelas-Capital, em território flamengo ou valão. Caso contrário, estamos condenados a comer as mesmas insídias que os nossos novos concidadãos que vieram de todo o lado e de lugar nenhum, que agora também se deleitam com comida muito gordurosa de sucata salpicada com este infame líquido acastanhado chamado “Coca-Cola”: a factura da “saúde” será muito pesada, já a curto prazo! Para os cidadãos que não têm carro, a frustração é enorme e o ressentimento cresce de dia para dia. O problema da imigração, e das diásporas resultantes, é sobretudo a constituição de economias paralelas e a criminalidade em diáspora, vivendo do tráfico de todo o tipo, especialmente do tráfico de droga. Os organismos oficiais da UE e também da ONU criaram gabinetes para combater estes fenómenos desagradáveis; estes gabinetes produziram uma literatura interessante que faz um balanço correcto da situação. No entanto, tal como com a Frontex, estas descobertas não estão a ser acompanhadas de forma alguma! Palavras, debates, mexericos, mas nenhuma decisão, nenhuma acção. A grande imprensa, incluindo o principal jornal do reino, Het Laatste Nieuws, tinha mapeado com precisão as várias redes mafiosas em funcionamento na Bélgica, na sequência da detenção de uma figura política na cidade de Mechelen que pertencia à máfia aramaica (classificada como “turca”). A sua neutralização tinha sido seguida do desmantelamento de uma rede que abrangia, entre outras coisas, a exploração dos simples cafés da capital (por lavagem de dinheiro), o tráfico de veículos usados, e a aliança com traficantes de droga colombianos graças a um infiltrado nas docas do porto de Antuérpia. O caso tinha demonstrado repetidamente que de cada vez, para cada rede em particular (seja ela aramaica, turca, marroquina, albanesa, nigeriana ou italiana), havia criminalidade política. No entanto, nada está a ser feito para limpar o país. E nada será visto pelos jo-jós que se sentam nas nossas assembleias e que são incapazes sequer de pronunciar as simples frases do seu juramento!

Quanto ao terrorismo, trata-se sobretudo de uma família francesa, a do famoso Abdeslam, co-autor dos atentados em Paris. No final, este terrorismo islâmico é apenas um pequeno fragmento da ponta do iceberg que é a poli-criminalidade em vigor. Este famoso terrorismo jihadista não me alarma para além das medidas: é óbvio, dada a evidente clemência dos nossos tribunais, que estão a fazer tudo o que podem para nos trazer de volta os sobreviventes do Estado islâmico na Síria, os seus companheiros e os seus descendentes, que estas aves de mau presságio foram para fazer a sua guerra suja, lá no Levante, porque os serviços especiais da NATO, do exército americano, das redes “petro-monárquicas” sauditas ou do Qatar os recrutaram para derrubar o regime Baathista sírio, que não dançava ao som das suas flautas nem impunha à sua população um regime do tipo salafista, wahhabita ou da Irmandade Muçulmana.

Como encara as eleições americanas de 2020? Quais serão as consequências geopolíticas da vitória de Biden, e o que pensa sobre as acusações relativas às eleições roubadas?

O principal a retirar destas eleições é que os meios de comunicação social, movidos pela ralé fanática do sistema, querem realizar os seus desejos contra os desejos da maioria da população. Se a população rejeita os dogmas e as ideias rebuscadas da sucata dos meios de comunicação, é considerada como uma massa desprezível de “pessoas deploráveis” cujas opiniões e aspirações não devem ser tidas em conta. Aqui temos um fenómeno relativamente novo desde 1945: a população tinha sido lisonjeada e estragada em nome da “democracia”; já não é este o caso, o que torna possível evocar uma negação da democracia na esfera americana. Trump diz obviamente que a eleição lhe foi roubada: esta acusação é plausível, dado que as manipulações são muito mais fáceis de aperfeiçoar com o voto electrónico. Dito isto, quer Trump ficasse na Casa Branca ou Biden o substitua, a agenda geopolítica e global é determinada antecipadamente por funcionários do Deep State ou militares, que governam para além do jogo democrático. Com Trump, e apesar da crise da Covid-19, as frentes abertas por Bush ou Obama permaneceram no lugar, mesmo que tenham sido um pouco menos “quentes” do que antes. Outras se abriram, nomeadamente no Cáucaso. As tensões com a China aumentaram no Pacífico. A aliança de facto entre Marrocos e Israel permite aos Estados Unidos controlar toda a costa atlântica de África, desde Tânger até às fronteiras da Mauritânia e do Senegal. Em dezembro de 2020, as forças combinadas da Marinha dos EUA publicaram o memorando “Advantage at Sea“, que repete as principais linhas da política marítima e naval dos EUA a partir das teses do almirante Mahan e acrescenta, subrepticiamente, uma nova frente no Árctico, onde a Rússia dispõe de meios sólidos para apoiar a ideia russa e chinesa de uma “Rota da Seda do Árctico”. Esta área, que em tempos foi um espaço ecuménico e desprovido de vias de comunicação marítima, está a tornar-se altamente estratégica. Tornar-se-á assim, no flanco norte/boreal da Europa, uma zona de turbulência geopolítica. A era Trump não acalmou, portanto, os confrontos em curso no mundo de hoje.

Obrigado por nos conceder esta entrevista. Para concluir, diga-nos o que pensa que irá acontecer à Europa no futuro próximo?

Existem actualmente duas Europas: a que é dominada por ideologias liberais (no sentido anglo-saxónico do termo) e a que, infelizmente, uma minoria, que expressa tendências contrárias, castiga na Europa Ocidental como “iliberal”. Os incómodos ideológicos liberais são mortais e irão mergulhar os países que afirmam estar a utilizá-los para moldar o seu modo de governação num caos indescritível, cujas premissas já estamos a viver. Os outros têm uma oportunidade de permanecer no caos e de participar em sinergias geopolíticas positivas. Escusado será dizer que vivo numa parte da Europa que irá experimentar um colapso dramático e um caos abominável.

Traduzido de Demokracija

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube