O Irão está uma vez mais sob ataque terrorista

Viktor Mikhin
New Eastern Outlook

O líder supremo do Irão, Ayatollah Ali Khamenei, apelou à “punição final” para aqueles por detrás do assassinato do cientista nuclear Mohsen Fakhrizadeh, pelo qual os iranianos acusaram directamente Israel e os Estados Unidos estarem por detrás. Na sua declaração, o líder supremo chamou Mohsen “um homem excepcional e um cientista excepcional nas indústrias nucleares e de defesa do país”. Ali Khamenei disse que a primeira prioridade do Irão após o assassinato foi “a punição final para os culpados e para aqueles que o ordenaram”. A missão iraniana à ONU descreveu o recente trabalho de Mohsen Fakhrizadeh como “o desenvolvimento do primeiro conjunto de testes COVID-19 no local” e a supervisão dos esforços de Teerão no desenvolvimento de uma possível vacina contra o coronavírus.

Telavive, há muito suspeito por muitos de ter assassinado cientistas iranianos há dez anos atrás, no meio das tensões sobre o programa nuclear de Teerão, ainda não comentou o novo assassinato. Contudo, os peritos notaram que o ataque tinha as características de uma emboscada de estilo militar cuidadosamente planeada. É compreensível que um novo assassinato ameace renovar as tensões entre os EUA e o Irão nos últimos dias da presidência de Donald Trump, tal como o presidente eleito Joe Biden sugeriu que a sua administração poderia regressar ao acordo nuclear de Teerão com as potências mundiais. Neste contexto, algumas horas após o ataque, o Pentágono anunciou que tinha ordenado que o USS Nimitz fosse reexpedido para o Médio Oriente. Os militares e políticos concordaram com esta decisão invulgar, uma vez que o porta-aviões já tinha passado vários meses na região e estava a regressar à região da sua localização permanente. O secretário da Defesa citou a retirada das forças norte-americanas no Afeganistão e do Iraque como razão para esta decisão, afirmando que “seria sensato ter capacidades defensivas adicionais na região em caso de quaisquer circunstâncias imprevistas”.

Falando numa reunião da Task Force governamental do Coronavirus, o presidente Hassan Rowhani acusou directamente Israel do assassinato e confirmou que a morte de Mohsen Fakhrizadeh não iria parar o programa nuclear do país. Deve ser mencionado que o programa nuclear civil do Irão continua as suas experiências e enriquece o urânio agora a 4,5%, o que está muito abaixo do nível de armas de 90%. Mas os analistas comparam Mohsen Fakhrizadeh com Robert Oppenheimer, o cientista que liderou o Projecto Manhattan americano na Segunda Guerra Mundial, que criou a bomba atómica.

O ataque ocorreu poucos dias antes do 10º aniversário do assassinato de outro cientista nuclear iraniano Majid Shahriari, do qual Teerão também acusou Israel. Este e outros assassinatos selectivos tiveram lugar numa altura em que o chamado vírus Stuxnet, considerado uma criação israelita e americana, foi lançado por hackers para destruir o programa de lançamento de centrífugas iranianas.

Estes ataques ocorreram no meio de preocupações ocidentais sobre o programa nuclear iraniano, embora, como é habitual, não tenham sido fornecidos quaisquer factos e existam apenas especulações pouco convincentes. Teerão há muito que insiste que o seu programa continua a ser de natureza puramente civil. No entanto, Mohsen Fakhrizadeh liderou o chamado programa AMAD do Irão, que Israel e o Ocidente afirmaram ser uma operação militar concebida para desenvolver armas nucleares. A Agência Internacional de Energia Atómica afirma com autoridade que o “programa estruturado” para a produção da componente militar terminou em 2003. Os inspectores da AIEA estão a monitorizar as instalações nucleares iranianas como parte do acordo nuclear actualmente em colapso com as potências mundiais, ao abrigo do qual Teerão restringiu o enriquecimento de urânio em troca do levantamento das sanções económicas. Após a retirada inesperada e não provocada de Trump do acordo em 2018, o Irão desistiu de todas estas restrições. Os especialistas acreditam agora que o Irão tem urânio pouco enriquecido o suficiente para fabricar pelo menos duas bombas nucleares se decidir seguir o desenvolvimento de armas nucleares.

Aparentemente, alguns cientistas nucleares iranianos têm estado na lista de assassinos da Mossad e da CIA desde o ano passado, quando o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu acusou o Irão de tentar desenvolver armas nucleares. O assassinato de dois grandes comandantes, o antigo comandante da Força Quds, general Qassem Soleimani, e o chefe adjunto de al-Hashd al-Sha’abi no Iraque Abu Mahdi al-Muhandis foi também o resultado da cooperação terrorista conjunta entre os Estados Unidos, Israel, Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos. Por esta razão, parece que Israel está a tentar forçar o Irão a reagir apressadamente no mês que resta da administração Donald Trump, assassinando o cientista, e assegurando uma nova crise para a região. O assassinato, aparentemente há muito previsto, teve lugar no contexto das recentes consultas entre o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu, o príncipe herdeiro da Arábia Saudita Mohammed bin Salman e o secretário de Estado norte-americano Michael Pompeo. Nesta reunião, Netanyahu incluiu algumas das figuras mais influentes do Movimento de Resistência na lista de assassinos da Mossad e recebeu a autorização necessária do presidente dos EUA, Donald Trump, para matar estes indivíduos.

O assassinato de Mohsen Fakhrizadeh é pouco provável que seja o último. Espera-se, como referem os meios de comunicação social mundiais, que outros assassinatos ocorram no Líbano, Síria, Iraque e mesmo no Irão durante o próximo mês. No entanto, Netanyahu está bem ciente de que com a partida de Donald Trump da Casa Branca, ele perderá o apoio incondicional dos Estados Unidos e, consequentemente, o poder em Israel. Por conseguinte, ele pensa que quebrar a paz na região, envolvendo os países do eixo da resistência, incluindo o Irão, no conflito e conduzindo um ataque conjunto com o Ocidente contra estes países, pode criar garantias de continuação do seu poder em Israel. Mohammed bin Salman também acredita que se Joe Biden chegar ao poder, Mohammed bin Naif poderá substituí-lo como príncipe herdeiro da Arábia Saudita e tornar-se o próximo rei saudita.

Um facto marcante que confirma os planos bem organizados e coordenados de Israel e dos EUA sobre o assassinato terrorista do cientista iraniano, é que o Instagram, uma rede que lhes pertence, remove quaisquer cargos que expressem apoio ao assassinado Mohsen Fakhrizadeh.

Segundo a agência Fars News, a Mossad obteve acesso ao nome de Fakhrizadeh através da lista da ONU, onde foi mencionado como investigador sénior no Centro de Investigação Física do Ministério da Defesa iraniano. É bastante sintomático que sem condenar o assassinato de Fakhrizadeh, Farhan Haq, porta-voz adjunto do secretário-geral da ONU, António Guterres, tenha dito: “Registámos as notícias de que um cientista nuclear iraniano foi assassinado hoje perto de Teerão. Instamos à contenção e à necessidade de evitar quaisquer acções que possam conduzir a uma escalada das tensões na região”. E porque é que a ONU não apelou antes a Israel e aos Estados Unidos para contenção e uma política de diplomacia em vez de assassinatos terroristas contra o Irão? E devemos ver a ONU, localizada em solo americano, como um organismo internacional ao serviço de todos os países do mundo ou como uma organização que actua em defesa dos terroristas e dos bandidos internacionais? E como consideramos agora, por exemplo, os actos terroristas individuais na Europa, cujos iniciadores e artistas tomam como exemplo a conduta de Israel e dos Estados Unidos? Afinal de contas, tudo na vida internacional está hoje em dia entrelaçado.

Portanto, a criação de crises é uma política comum dos Estados Unidos, de Israel e de alguns regimes árabes reaccionários. A este respeito, a opinião pública mundial chamou a atenção para a declaração provocadora de Mark Dubovitz, o director da Fundação para a Protecção das Democracias: “Faltam dois meses para a tomada de posse de Joe Biden. Tempo suficiente para que os EUA e Israel causem sérios danos ao regime no Irão e criem uma alavanca para a administração Biden”. Esta é a quintessência das actuais políticas israelitas e norte-americanas, cujos governantes se inclinam para o assassinato de líderes e cientistas estrangeiros, tentando desesperadamente promover os seus próprios interesses por qualquer meio. Meu Deus, que mundo nos é proposto!◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube