A Turquia cria a sua versão da NATO?

Vladimir Odintsov
New Eastern Outlook

Além da pandemia do coronavírus, alguns políticos foram hoje infectados por outra pandemia – a da “NATO”.

Tendo encapsulado um número significativo de países em coligações criadas contra os seus opositores, os Estados Unidos, no calor de uma pandemia militante, tentaram nos últimos anos criar primeiro a chamada “NATO árabe”, e depois mesmo uma “NATO asiática”, apesar da relutância óbvia de cada vez mais países não só em seguir a liderança do “hegemon decrépito”, mas também em apoiar as suas ideias para uma divisão ainda maior do mundo em blocos militares.

Mas é bem sabido que qualquer vírus é contagioso. E esta tendência “pandémica” foi retomada pelo líder turco Recep Tayyip Erdogan, que enveredou por uma rota rumo a um colapso intensificado da CSTO (que, recorde-se, para além da Rússia e Arménia, inclui o Cazaquistão, o Quirguistão e o Tajiquistão) e para construir uma “NATO túrquica” com um único “Exército de Turan” sobre as suas ruínas. Entre os membros de tal aliança, vê o Azerbaijão, o Cazaquistão, o Uzbequistão, o Turquemenistão, o Quirguistão e o Tajiquistão, assim como a República Turca do Norte de Chipre, não reconhecida pela comunidade mundial, todos eles sob a liderança militar-política directa da Turquia.

Tais pensamentos começaram a ser especialmente activamente promovidos por Erdogan no contexto da escalada militar em Nagorno-Karabakh, durante a qual Ancara fornece um apoio inequívoco a Baku. A Turquia está a tentar demonstrar aos aliados da Rússia que a Arménia está a recuar perante a união do Azerbaijão e da Turquia, enquanto Ancara “não rende os seus aliados e está a conduzi-los à vitória”.

A razão pela qual Erdogan utiliza precisamente “padrões militares” nas suas francas aspirações neo-otomanas é compreensível, uma vez que os militares sempre tiveram uma posição dominante na sociedade turca e na implementação das ideias otomanas. No entanto, se nos últimos cem anos o corpo de oficiais turcos foi orientado para o Ocidente e subordinado à liderança política, então nos últimos anos Erdogan, com numerosas repressões e detenções, derrubou a antiga elite militar de topo do país, prendeu muitos generais, almirantes e oficiais superiores, desacreditou-os perante a sociedade turca e começou a controlar pessoalmente os militares.

A fim de implementar praticamente os planos de criação de uma “NATO túrquica” e do “Exército turânico”, e também para reforçar e expandir a cooperação militar na região sob os auspícios de Ancara, o Ministro da Defesa turco Hulusi Akar visitou um certo número de países da Ásia Central no final de Outubro. Como disse o chefe do departamento militar turco após as suas visitas ao Cazaquistão e ao Uzbequistão, “as partes concordaram em expandir ainda mais a cooperação militar e técnico-militar”. Ao mesmo tempo, os meios de comunicação turcos sublinham que o trabalho realizado por Ancara para desenvolver a cooperação militar com os estados da Ásia Central é uma etapa importante na via da criação de um exército unificado dos povos turcos, uma proposta de aliança militar liderada por Ancara, que dará o tom em todos os conflitos regionais e globais. “Fizemos sérios progressos”, diz Hulusi Akar.

No entanto, é de notar que a revitalização da política turca na Ásia Central não é algo de novo. Tentativas de criar uma cooperação militar e técnico-militar com os países desta região foram feitas por Ancara imediatamente após o colapso da União Soviética, percebendo o vazio resultante como uma espécie de oportunidade histórica para recriar o Grande Turan. A própria ideia baseou-se em grande parte na representação geográfica na visão da Turquia de Turan como uma entidade supranacional global, unindo tanto os povos túrquicos como outros povos da Ásia Central e da Sibéria. Para estes fins, Ancara aplicou forças e meios consideráveis para tentar arrastar os novos países soberanos da região sob os auspícios da Turquia, realizaram-se e continuam a realizar-se cimeiras dos estados turcos, onde entre outras coisas a ideia de unidade militar é explorada.

Ancara utilizou mesmo os “poderes espirituais supremos” para este fim. Em particular, no início dos anos 90. Numa destas cimeiras foi organizado um “ritual sagrado” enraizado numa das lendas turcas, quando os líderes dos novos Estados soberanos infligiram golpes simbólicos na bigorna, imitando assim a acção de forjar “a arma da unidade dos países turcos”.

Para recriar o Grande Turan, para reforçar a influência otomana perdida na região, há 11 anos em Nakhichevan (Azerbaijão), foi criada uma grande plataforma internacional do Conselho Túrquico (Conselho para a Cooperação dos Estados de Língua Túrquica). Hoje inclui a Turquia, o Azerbaijão, o Cazaquistão, o Quirguistão e o Uzbequistão. Com a sua criação oficial Ancara começou a desenvolver activamente laços com a região, chamando-lhe o seu lar ancestral e considerando os países da Ásia Central como a pátria histórica dos povos túrquicos, encarnando através dela as ambições neo-otomanas. A Turquia utiliza a cultura e a religião como um dos canais da sua influência. Como exemplo, existem dez escolas turcas para uma escola russa no Quirguistão. Aí a ideologia pan-túrquica é amplamente promovida. Além disso, nos anos 90, Ancara propôs a criação de um alfabeto turco unificado, e, embora estes planos não tenham tido sucesso, tornou-se um gerador activo da transição dos antigos estados pós-soviéticos da Ásia Central do alfabeto cirílico para o alfabeto latino com um objectivo muito compreensível de separar a região da Rússia e reforçar a influência turca.

É bastante compreensível que até agora todos estes esforços de Ancara, bem como o desejo de criar uma “NATO túrquica” e um “Exército turânico” sob os seus únicos auspícios, estejam na sua maioria a ter lugar na área da retórica do líder turco e dos membros do seu governo. E há uma série de razões para isso, a principal das quais é que o presidente turco Recep Tayyip Erdogan ainda tem medo de testar a Rússia pela sua força, porque ele compreende como o conflito com Putin pode vir a ser para ele. A memória histórica dos turcos recorda a Erdogan que foram os russos que ganharam repetidamente no seu próprio território, em resultado do qual a Turquia perdeu a maior parte do seu “território otomano”.

A liderança política dos estados da Ásia Central também compreende o perigo de ligar o seu futuro destino apenas à Turquia, recordando perfeitamente a situação quando, nos anos noventa, Ancara acolheu os oposicionistas uzbeques que desenvolveram actos terroristas levados a cabo em algumas cidades do Uzbequistão.

Também não existe “apoio unificado” aos candidatos propostos por Ancara para participarem na ” NATO túrquica” ou no “Exército de Turan”. Em particular, o Tajiquistão é um desses candidatos, habitado principalmente por um grupo étnico não turco, embora uma minoria uzbeque esteja lá presente. Mas não se deve esquecer que os tajiques são uma etnia completamente diferente, de língua iraniana, e o argumento sobre o “mundo túrquico” toca-os em menor medida.

Falando sobre a política moderna da Turquia, hoje em dia os termos “neotomanismo” e “pan-turquismo” são cada vez mais utilizados. Estes são os alicerces da fundação do curso de política externa do líder do Estado turco, Recep Tayyip Erdogan.

Contudo, a ironia do neo-otomanismo moderno reside no facto de que a própria ideia de consolidar os povos do mundo túrquico, que se opõe principalmente ao Irão, sob o lema do Grande Turan, é parte integrante da ideologia dos “Jovens Turcos” que já tinham conduzido o Império Otomano à sua queda.◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube