RAND e o cerco malévolo à Rússia

Nas últimas semanas, eclodiu uma série de eventos nos estados em torno da Federação Russa que certamente não estão a ser recebidos com alegria no Kremlin. Cada centro de crise em si não é uma viragem de jogo definitiva para a segurança futura da Rússia. Juntos, eles sugerem que algo muito mais sinistro está a acontecer contra Moscovo. Um estudo recente da RAND, preparado para o Exército dos EUA, sugere com notável precisão quem pode estar por trás do que se tornará, sem dúvida, uma grande ameaça à segurança russa nos próximos meses.


Os ataques do Azerbaijão contra o Nagorno-Karabakh apoiados pela Turquia, incendiando um território depois de quase três décadas de relativo impasse e cessar-fogo, a desestabilização em curso contra Lukashenko na Bielorrússia, o comportamento bizarro da UE e do Reino Unido em torno do suposto envenenamento do dissidente russo Navalny e, mais recentemente, os protestos em massa no Quirguistão, uma antiga parte da União Soviética na Ásia Central, trazem as impressões digitais do MI-6 da Grã-Bretanha, da CIA e de uma série de ONGs privadas de mudança de regime.

Nagorno-Karabakh

Em 27 de setembro, as forças militares do Azerbaijão quebraram o cessar-fogo de 1994 com a Arménia sobre o conflito do Nagorno-Karabakh, região de população predominantemente de etnia arménia. Os combates mais pesados durante anos ocorreram em ambos os lados, à medida que o confronto aumentava. Erdogan, da Turquia, saiu abertamente em apoio a Baku contra a Arménia e o Nagorno-Karabakh, povoado por arménios, levando Nikol Pashinyan, o primeiro-ministro da Arménia, a acusar a Turquia de “continuar uma política genocida como uma tarefa pragmática”. Era uma referência clara à acusação arménia de genocídio de mais de um milhão de cristãos arménios pelo Império Otomano em 1915-23. A Turquia até hoje recusa-se a reconhecer a responsabilidade.

Enquanto a Arménia culpa Erdogan de apoiar o Azerbaijão no actual conflito no Cáucaso, o oligarca russo Yevgeny Prigozhin, às vezes chamado de “chef cozinheiro de Putin” pelo seu império de catering e pelos seus laços estreitos com o presidente russo, disse em entrevista a um jornal turco que o conflito arménio-azeri foi provocado pelos “americanos” e que o regime pashinyano está essencialmente ao serviço dos EUA. Aqui a coisa fica interessante.

Em 2018, Pashinyan chegou ao poder por meio de protestos em massa chamados de “Revolução de Veludo”. Ele foi aberta e fortemente apoiado pela Open Society Foundation da Arménia, de Soros, que desde 1997 tem financiado activamente várias ONGs “democráticas” no país. Como primeiro-ministro, Pashinyan nomeou os destinatários do dinheiro de Soros para a maioria dos cargos importantes do seu governo, incluindo a Segurança e a Defesa do Estado.

Ao mesmo tempo, é impensável que a Turquia de Erdogan, ainda na NATO, apoiasse tão abertamente o Azerbaijão num conflito que potencialmente poderia levar a um confronto turco com a Rússia, sem algum tipo de apoio prévio de Washington. A Arménia é membro da da União Económica Eurasiática (UEE) e da Organização do Tratado de Segurança Colectiva (CSTO), juntamente com a Rússia. Isto torna os comentários de Prigozhin especialmente interessantes.

Também é importante notar que a chefe da CIA, Gina Haspel, e o recentemente nomeado chefe do MI-6 britânico, Richard Moore, são ambos veteranos da Turquia. Moore foi embaixador do Reino Unido em Ancara entre 2014 e 2017. Haspel foi chefe da estação da CIA no Azerbaijão no final da década de 1990. Antes disso, em 1990, Haspel foi oficial da CIA na Turquia, e é fluente em turco. Notavelmente, embora tenha sido apagado da sua biografia oficial da CIA, ela também era chefe de estação da CIA em Londres pouco antes de ser nomeada chefe da CIA da Administração Trump. Ela também especializou-se em operações contra a Rússia, quando estava em Langley, na Directoria de Operações da CIA.

Isso levanta a questão de se as mãos negras de uma operação de inteligência anglo-americana estão por trás do actual conflito azeri-arménio no Nagorno-Karabakh. Acrescentando mais pólvora à agitação do Cáucaso, a 5 de outubro o Secretário-Geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que os interesses de segurança da NATO são sinónimos dos da Turquia, apesar da compra turca de sistemas avançados de defesa aérea russos. Washington até agora manteve um silêncio conspícuo sobre o conflito do Cáucaso ou do alegado papel da Turquia.

E a Bielorrússia…

A eclosão latente do conflito do Nagorno-Karabakh perto da fronteira sul da Rússia não é o único Estado onde Washington está promovendo activamente a desestabilização de vizinhos vitais da Rússia na actualidade. Desde as eleições de agosto, a Bielorrússia está repleta de protestos orquestrados acusando o presidente Lukashenko de fraude eleitoral. A oposição tem estado activa no exílio, nos vizinhos países bálticos da NATO.

Em 2019, o National Endowment for Democracy (NED), financiado pelo governo dos EUA, listou no seu site cerca de 34 doações para projectos na Bielorrússia. Todos eles foram dirigidos para nutrir e treinar uma série de grupos de oposição anti-Lukashenko e construir ONGs nacionais. Os subsídios foram para projectos como o “Fortalecimento de ONGs: para aumentar o envolvimento cívico local e regional… para identificar problemas locais e desenvolver estratégias de activismo”. Outra era “expandir um banco publicações online não facilmente acessíveis no país, incluindo obras sobre política, sociedade civil, História, direitos humanos e cultura independente”. Em seguida, outra doação do NED foi, “Para defender e apoiar jornalistas e medias independentes”. E outro, o “Fortalecimento de ONGs: para promover o compromisso cívico dos jovens”. Outra grande doação do NED foi para “treinar partidos e movimentos democráticos em campanhas eficazes de defesa”. Por de trás dos projectos NED aparentemente inocentes está um padrão de criação de uma oposição especialmente treinada nas linhas do modelo “Revoluções Coloridas” no modelo-padrão NED da CIA.

Como se os distúrbios no Cáucaso e na Bielorrússia não fossem suficientes para causar dores de cabeça em Moscovo, no dia 29 de setembro, em Bruxelas, o primeiro-ministro georgiano Giorgi Gakharia reuniu-se com o secretário-geral da NATO. Stoltenberg disse-lhe que “a NATO apoia a integridade territorial e a soberania da Geórgia dentro das suas fronteiras reconhecidas internacionalmente. Instamos a Rússia a encerrar o seu reconhecimento das regiões [separatistas na Geórgia] da Abecásia e da Ossétia do Sul e a retirar as suas forças”. Stoltenberg disse então a Gakharia: “E encorajo-vos a continuar a tirar o máximo partido de todas as oportunidades para se aproximar à NATO. E para preparar-se para a adesão”. É claro que a adesão da vizinha Geórgia à NATO, representaria um desafio estratégico para a Rússia, assim como para a Ucrânia. Os comentários da NATO aumentam as tensões que o Kremlin enfrenta recentemente.

Terceira revolução colorida do Quirguistão?

Então, a antiga república da Ásia Central da União Soviética, o Quirguistão, também irrompeu em protestos em massa que derrubaram o governo pela terceira vez desde 2005, por causa de alegações da oposição de fraude eleitoral. A USAID, uma cobertura conhecida frequentemente para operações da CIA, é activa no país, assim como a Fundação Soros, que criou uma universidade em Bisqueque financia a gama usual de projectos, “para promover justiça, governação democrática e os direitos humanos”. Deve-se observar que o Quirguistão também é membro da União Económica da Eurásia liderada pela Rússia, juntamente à Arménia e à Bielorrússia.

Então, para aumentar a pressão sobre a Rússia, temos as bizarras acusações da inteligência do Bundeswehr alemão e agora também da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), de que o dissidente russo Alexei Navalny foi envenenado na Rússia com “um agente nervoso da era soviética”, que os alemães disseram ser Novichok. Embora Navalny tenha evidentemente saído vivo e bastante bem do hospital, os oficiais alemães, assim como os britânicos, não se preocupam em explicar tal recuperação milagrosa do que é considerado o agente nervoso mais mortal de todos os tempos. Após a declaração da OPAQ de que a substância era Novichok, o Ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha ameaçou aplicar sanções severas contra a Rússia. Muitos pedem que a Alemanha cancele o gasoduto russo Nord Stream 2 como resposta, um golpe que atingiria a Rússia num momento de grave fraqueza económica devido aos baixos preços do petróleo e aos efeitos do confinamento do coronavírus.

A Alemanha também não se preocupou em investigar a misteriosa companheira russa de Navalny, Maria Pevchikh, que afirma ter resgatado a garrafa de água vazia “envenenada por Novichok” do quarto do hotel de Navalny em Tomsk, Rússia antes de ser levado para Berlim a convite pessoal de Angela Merkel. Depois de entregar pessoalmente a garrafa envenenada em Berlim, ela aparentemente voou rapidamente para Londres, onde mora, e nenhuma autoridade alemã ou outra aparentemente tentou entrevistá-la como potencial testemunha material.

Pevchikh tem uma longa associação com Londres, onde trabalha com a Fundação Navalny e mantém contacto próximo com o amigo de Jacob Rothschild, Mikhail Khodorkovsky, o fraudador condenado e inimigo de Putin. Khodorkovsky também é um dos principais financiadores da Navalny Anti-Corruption Foundation (FBK em russo). Há relatos confiáveis de que a misteriosa Pevchikh é um trunfo do MI-6, o mesmo MI-6 que dirigiu outro drama ridículo de Novichok em 2018, alegando que o desertor russo Sergei Skripal e a sua filha Yulia Skripal foram envenenados na Inglaterra pela inteligência russa usando o mortal Novichok. Também lá, ambos os Skripal recuperaram-se milagrosamente do agente nervoso mais mortal e oficialmente receberam alta do hospital, quando “desapareceram”.

Um rasto da RAND?

Embora mais pesquisas indubitavelmente mostrarão mais evidências, o padrão da NATO ou das medidas activas anglo-americanas contra os principais países da periferia russa ou contra os interesses económicos estratégicos da Rússia, tudo no mesmo período, sugerem algum tipo de ataque coordenado.

E acontece que os alvos dos ataques encaixam-se precisamente nas linhas gerais de um importante relatório de um grupo de reflexão militar dos Estados Unidos. Num relatório de pesquisa de 2019 para o Exército dos Estados Unidos, a corporação RAND publicou um conjunto de recomendações de políticas sob o título “Estender a Rússia: competir desde terreno favorável” (Extending Russia: Competing from Advantageous Ground). Eles observam que, por estender a Rússia, eles querem dizer “medidas não violentas que poderiam afectar as forças armadas ou a economia da Rússia ou a posição política do regime interna e externamente”. Todos os pontos de stress acima mencionados certamente preenchem essa descrição. Mais impressionante é a elaboração específica de possíveis pontos de stress para “estender a Rússia”, ou seja, estender a Rússia em excesso.

O relatório discute especificamente o que eles chamam de “Medidas Geopolíticas” para estender a Rússia em excesso. Isso inclui o fornecimento de ajuda letal à Ucrânia; promoção da mudança de regime na Bielorrússia; explorando as tensões no sul do Cáucaso; reduzir a influência russa na Ásia Central. Ele também inclui propostas para enfraquecer a economia russa, desafiando os seus sectores do gás e do petróleo.

Notavelmente, essas são as mesmas áreas de turbulência geopolítica dentro da esfera de influência estratégica da Rússia de hoje. Especificamente, no Cáucaso, a RAND declara: “Geórgia, Azerbaijão e Arménia faziam parte da União Soviética, e a Rússia ainda mantém controle significativo sobre a região hoje…”. Eles observam que, “Hoje, a Rússia reconhece tanto a Ossétia do Sul quanto a Abecásia como países separados (um dos poucos governos a fazê-lo) e está comprometida na sua defesa… Os Estados Unidos também podem renovar os esforços para trazer a Geórgia para a NATO. Há muito que a Geórgia procura aderir à NATO;… “Recorde-se as observações citadas de Stoltenberg para encorajar a adesão da Geórgia à NATO e exigir que a Rússia renuncie ao reconhecimento da Ossétia do Sul e da Abecásia.

O relatório da RAND também destaca as tensões entre a Arménia e o Azerbaijão: “A Rússia também desempenha um papel importante com o Azerbaijão e a Arménia, especialmente sobre o território disputado do Nagorno-Karabakh… os Estados Unidos poderiam pressionar para um relacionamento mais estreito da NATO com a Geórgia e o Azerbaijão, provavelmente levando a Rússia a fortalecer a sua presença militar na Ossétia do Sul, Abecásia, Arménia e sul da Rússia. Alternativamente, os Estados Unidos poderiam tentar induzir a Arménia a romper com a Rússia”.

Em relação aos actuais protestos em massa no Quirguistão na Ásia Central, a RAND observa: “A Rússia faz parte de dois empreendimentos económicos relacionados à Ásia Central: a UEE e a Iniciativa Belt and Road”. Uma mudança de regime pró-NATO poderia lançar uma grande barreira entre a Rússia e a China, bem como dentro da sua UEE. Quanto às pressões económicas, o relatório da RAND cita a possibilidade de pressionar a UE a abandonar o gasoduto Nord Stream 2, da Rússia directo para a Alemanha. O recente incidente com Navalny está criando uma pressão crescente dentro da UE e até mesmo na Alemanha para parar o Nord Stream 2 como sanção para o caso Navalny. A RAND observa, “Em termos de estender a Rússia economicamente, o principal benefício de criar alternativas de fornecimento para o gás russo é que isso reduziria as receitas de exportação da Rússia. O orçamento federal da Rússia já está afectado, levando a cortes planeados nos gastos da Defesa, e a redução das receitas do gás afectaria ainda mais o orçamento”.

Se examinarmos as crescentes pressões sobre a Rússia a partir dos exemplos citados aqui e compararmos com a linguagem do relatório RAND de 2019, fica claro que muitos dos problemas estratégicos atuais da Rússia estão sendo deliberadamente planeados e orquestrados a partir do Ocidente, especificamente de Washington e Londres. A maneira como a Rússia lida com isso, bem como com certa escalada futura das pressões da NATO, apresenta claramente um grande desafio geopolítico.◼

Traduzido de New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube