Sanções contra o Irão em tempos de Coronavírus

Os críticos dizem que as novas sanções contra o Irão foram elaboradas para “sufocar as exportações humanitárias” no meio da pandemia. As novas sanções do governo Trump ao Irão são tão abrangentes que muitos temem que o objectivo seja prejudicar directamente o povo iraniano na sua luta para lidar com a pandemia do coronavírus.


Ontem o Departamento de Estado anunciou o início de mais sanções ao Irão, desta vez visando a indústria financeira do país. O secretário de Estado Mike Pompeo afirmou que a medida era necessária “para privar ainda mais a República Islâmica do Irão de fundos para realizar o seu apoio a actividades terroristas e extorsão nuclear que ameaçam o mundo”, acrescentando que as suas acções faziam parte de uma “campanha de máxima pressão económica” que continuará até que o Irão cesse o seu “comportamento maligno”. Pompeo insistiu que as sanções “não afectam as autorizações e excepções existentes para as exportações humanitárias para o Irão, que permanecem em pleno vigor e efeito”.

No entanto, as sanções existentes já causaram estragos na República Islâmica, matando milhares. No início deste ano, a Human Rights Watch condenou o governo Trump por “restringir drasticamente a capacidade do país de financiar importações humanitárias, incluindo medicamentos e equipamentos médicos”, o seu director executivo Kenneth Roth descreveu Washington como “agravando a miséria dos iranianos, privando-os de acesso aos recursos médicos essenciais de que precisam com urgências”.

O Irão foi um dos primeiros países a ser duramente atingido pela pandemia Covid-19, e os EUA aproveitaram a oportunidade para causar devastação máxima, intimidando outras nações a se recusarem a vender ou doar suprimentos médicos, para que não fossem atingidos com sanções secundárias. Como resultado, o Irão estava terrivelmente mal equipado para lidar com o problema. No final, a Organização Mundial da Saúde interveio, enviando-lhes eles próprios provisões – parte do motivo pelo qual a administração Trump estava tão ansiosa para deixar a organização. Fontes internas em Washington disseram abertamente que se discutiu o uso da pandemia para forçar o governo iraniano a deixar o cargo e implementar um regime mais adequado às suas necessidades.

Embora o governo afirme que as sanções são “dirigidas ao regime e seus funcionários corruptos que usam a riqueza do povo iraniano para alimentar uma causa radical e revolucionária que trouxe sofrimento inaudito a todo o Médio Oriente e além”, é amplamente compreendido que o ataque ao centro bancário afectará a capacidade do Irão de funcionar e até mesmo comprar alimentos do exterior.

O Conselho Nacional Iraniano-Americano (nenhum amante da actual administração em Teerão) condenou a acção como “cruel e sádica”, alegando que as sanções foram explicitamente projectadas para “sufocar as exportações humanitárias para o Irão” e exibiu a crueldade da administração Trump. “É fundamental que o povo americano e os nossos representantes eleitos ponham fim a este sofrimento e humilhação cruel, desumano e estrategicamente catastrófico que está sendo imposto a iranianos inocentes em nossos nomes”, concluíu.

“Não sei quantas vezes li uma manchete sobre o Irão que parte o meu coração. Por que as vidas dos iranianos são descartáveis? Não temos compaixão pela dor, a luta do povo do Irão? Por que é que devemos ser tão insensíveis?” perguntou Leila Gharagozlou, productora da MSNBC.

“Ao contrário do que afirmam os EUA, os bens e serviços humanitários são afectados pelas sanções cruéis. As instituições financeiras temem a vingança dos EUA, razão pela qual os canais criados para facilitar as transacções de mercadorias humanitárias não tiveram resultados tangíveis”, disse Mohammad Zareyian, representante iraniano na Assembleia Geral das Nações Unidas.

As sanções já causaram sérias dificuldades ao Irão, fazendo os preços dos bens de consumo dispararem e o valor de sua moeda, o rial, cair. Como na Venezuela, a produção de petróleo estourou, já que a República Islâmica encontra poucos compradores para o seu principal produto de exportação nacional. O preço dos alimentos também tornou-se um problema sério para muitos. “As sanções visam deliberadamente a iranianos comuns, mulheres e crianças”, disse Seyed Mohammad Marandi, professor de Literatura Inglesa da Universidade de Teerão ao MintPress na semana passada. “Eles são projectados para matar pacientes de hospitais e criar pobreza. Eles tiveram um sucesso parcial”.

Os EUA sonham com uma mudança de governo em Teerão desde que a Revolução Iraniana em 1979 derrubou o xá apoiado pelos americanos e instalou o aiatola Khomeini como líder. Para tanto, apoiou ditadores como o presidente iraquiano Saddam Hussein, fomentou movimentos de protesto, apoiou governos-sombra virtuais, como o MEK e impôs sanções sufocantes à nação.

No início deste ano, Trump assassinou o general Qassem Soleimani enquanto este participava das negociações de paz regionais em Bagdade. No verão, ele impôs novas sanções “snapback” ao Irão pela sua recusa em cumprir o acordo nuclear, apesar do facto de os próprios EUA já terem se afastado do mesmo acordo. Em agosto, Trump nomeou o desonrado falcão do caso Irão-Contras e especialista em mudanças de regime Elliott Abrams como seu conselheiro principal para o Irão, um sinal para todos aqueles que prestam atenção que o aumento das hostilidades estava para acontecer.

Especula-se que Trump tentará aumentar as hostilidades com o Irão antes das eleições, provocando um incidente internacional. Se for esse o caso, essas sanções são apenas um prelúdio para algo maior.

Traduzido de MintPress News

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol