A guerra contra a electricidade do Iémen

De uma acção militar combinada para retomar a maior central eléctrica do país a esforços para adoptar a energia solar, os iemenitas estão encontrando maneiras de contornar a guerra total da Coligação Saudita contra a rede eléctrica do seu país

Ahmed Abdulkareem
MintPress News

No meio do calor escaldante do deserto, as províncias do sul do Iémen sofrem apagões frequentes. Uma hora e meia de energia seguida por interrupções de 12 horas são a norma e às vezes pode ser fatal. Agora, mal se passa uma semana sem que os cidadãos do Distrito Sul realizem manifestações até que as autoridades cedam e restaurem temporariamente a energia até o próximo blackout e, inevitavelmente, o próximo protesto.

Centenas de iemenitas furiosos começaram a tomar as ruas há quase um mês na maior província de al-Mukalla no país devastado pela guerra, reunindo-se para protestar contra a deterioração dos serviços públicos e os frequentes e longos apagões. Eles incendiaram pneus e entraram em confronto com militantes apoiados pelos Emirados Árabes Unidos (EAU), que usam munição real para dispersá-los. Lojas fechadas enquanto os activistas lançavam uma campanha de desobediência civil contra o que eles chamam de “corrupção sistemática e falha no fornecimento de serviços públicos básicos, em particular as falhas diárias de energia”.

“Os cortes de energia chegam a durar 8 horas por dia, às vezes chegando a 24 horas”, disse Salah Ben Hamel, membro do conselho local em al-Mukalla. Ele acusa as autoridades apoiadas pelos EAU de ignorar o sofrimento dos residentes. “Não conseguimos dormir por causa do calor extremo”, acrescentou.

Assim como em al-Mukalla, as quedas de energia deixaram muitas grandes cidades no escuro desde 2015, quando a guerra começou. Armas ocidentais fornecidas à Arábia Saudita e aliados da coligação destruíram linhas de transmissão, central eléctricas e outras instalações, e um bloqueio quase total proíbe os iemenitas de as reconstruir, deixando os serviços essenciais como saúde, água e saneamento terrivelmente mal servidos.

De acordo com dados idênticos do Ministério da Electricidade do Iémen e de organizações não governamentais, a coligação liderada pelos sauditas tem como alvo mais de 5.000 central eléctricas e outras peças de infraestrutura energética crítica. A maioria deles longe de qualquer local de combate ou militar. Noventa por cento da população total agora vive sem electricidade, especialmente aqueles em áreas remotas e semi-urbanas.

A 26 de agosto de 2016, a Amnistia Internacional relatou que bombas americanas lançadas por aviões de guerra sauditas destruíram duas estações geradoras em Haradh e Midi, na província de Hajjah. Oito bombas também atingiram a principal estação de energia em Amran, destruindo dois transformadores. A 24 de julho de 2015, a Coligação Saudita bombardeou um complexo que abrigava funcionários de uma central eléctrica e suas famílias, matando e ferindo mais de 300. A 13 de abril de 2016, aviões de guerra sauditas destruíram a principal central eléctrica na província de Taiz. De acordo com a Public Electricity Corporation do Iémen, o dano financeiro desses ataques deliberados à infraestrutura chegou a mais de quatro mil milhões de dólares de prejuízo.

Ataques na rede são profundos
Os efeitos desses ataques são muito mais profundos. Socialmente, o colapso da rede eléctrica do país limitou a capacidade das crianças de estudar à noite e forçou algumas famílias a retirarem os seus filhos da escola inteiramente para buscar água, já que as bombas eléctricas não estão mais operacionais. As estações de bombeamento de água foram fechadas, obrigando as pessoas, principalmente mulheres e crianças, a transportar água necessária para o uso diário nas suas cabeças por longas distâncias.

Economicamente, a falta de electricidade levou à deterioração da já vacilante economia local do Iemen. Pequenas instalações industriais que sobreviveram à guerra foram fechadas devido à falta de electricidade e a fabricação foi praticamente interrompida.

Trabalhadores inspecionam danos numa torre de transmissão na linha Sanaa-Safer

Do ponto de vista higiénico, os serviços de saúde pública pioraram significativamente à medida que interrupções de energia de longa duração se tornaram regulares em unidades de saúde com funcionamento parcial. As interrupções também estão contribuindo para a disseminação da Covid-19 e outras epidemias, pois a electricidade é necessária para bombear água limpa, forçando alguns a beber água de superfície contaminada com cólera e outras bactérias.

Ao longo da sua guerra contra o Iémen, a estratégia da Arábia Saudita tem procurado falir e enfraquecer o Estado para tornar uma recuperação impossível pelo menos nos próximos vinte anos. A destruição sistemática torna o país mais dependente de “mãos que ajudem” depois a guerra.

O bloqueio saudita, em particular, impede a entrada de combustível e tem impactado a produção de electricidade, já que os moradores são obrigados a pagar uma assinatura mensal de 1.200 YER (uns 4 euros) para produtores do sector privado, mesmo quando não estão consumindo electricidade. Quando a escassez de combustível se torna particularmente aguda, esse preço aumenta para 350-400 YER por quilowatt; antes da guerra, quando antes era de apenas sete YER por quilowatt.

Sabotagem da rede eléctrica
“Estações eléctricas, linhas de transmissão e torres foram todas alvos de bombas de fragmentação dos EUA”, disse o ministro da Electricidade e Energia, Ateq Hussein Abbar, à MintPress News enquanto estava em estado de choque perto de uma torre de electricidade destruída em Baran. “Tão mau quanto”, disse ele, “toneladas de dispositivos explosivos improvisados, minas terrestres e contra-minas foram plantadas pelas forças da coligação e seus mercenários sob as torres e linhas”.

O repórter da MintPress, Ahmed AbdulKareem, inspeciona munições não detonadas perto da linha Sanaa-Safer

A escala absoluta da campanha saudita, que muitas vezes faz centenas de ataques aéreos separados realizados todos os dias, juntamente com sua natureza indiscriminada, não só deixou o Iémen num dos países mais contaminados do mundo, como transformou as grandes áreas através das quais as linhas de transmissão passam ou onde postes eléctricos estão localizados em campos cheios de minas e bombas não explodidas.

“Temos 490 torres eléctricas na linha Sanaa-Marib que passam por Nehm, a maioria das quais agora estão destruídas ou afectadas pelos ataques, bombardeios e munições não detonadas”, disse Abdul Qadir Mutahar, diretor-geral de transporte da Electricity Corporation.

“A densa quantidade de minas e munições não detonadas que agora estão espalhadas perto das linhas de transmissão eléctrica é enorme. Levará muito tempo até que as equipes sejam capazes de alcançá-los para iniciar o processo de reconstrução”, disse o chefe do Centro Executivo de Acção contra Minas do Iémen (YEMAC), apoiado pela ONU.

Mesmo se a infraestrutura estivesse pronta para começar os reparos na rede, removendo os restos não detonados, IEDs (dispositivos explosivos improvisados) e minas terrestres exigiria o fim da guerra apoiada pelos EUA e do bloqueio económico, já que equipamentos e máquinas especiais, como escavadoras blindadas, precisam ser trazidos, num país incapaz de garantir até mesmo os alimentos básicos da vida.

Todos os olhos na estação de energia de Marib
Apesar do perigo, algumas equipas de engenharia eléctrica seguiram em frente. Há duas semanas, os engenheiros em cooperação com as equipas de remoção de minas começaram a avaliar a extensão dos danos na área de Nihm, um movimento que visa reabilitar a linha Sanaa-Safer. Eles esperam que as linhas estejam prontas quando a central de Marib voltar a funcionar. Em março de 2015, a maior central de energia do país em Marib, responsável por fornecer energia à maior parte do país, ficou offline e representou um ponto de viragem para o sector eléctrico do país.

O repórter da MintPress, Ahmed AbdulKareem junto a restos de uma bomba coletiva fabricada nos Estados Unidos na linha Sanaa-Safer a caminho de Marib

Tribos locais apoiadas por Ansar Allah (houthis) têm avançado em Marib, rica em petróleo, que fica ao lado da capital Sanaa. Mais de 60% da província foi capturada pelos houthis em ferozes combates opondo o grupo desarmado à Arábia Saudita, aos EAU e aos combatentes da Al-Qaeda na Península Arábica e o chamado Estado Islâmico.

O avanço houthi atraiu a atenção de potências mundiais, incluindo os EUA, o Reino Unido e até mesmo a ONU. As negociações sobre a troca de prisioneiros foram activadas, mas toda a atenção renovada está voltada para impedir o avanço dos houthi em Marib, o último reduto da coaligação no norte do país, e não para o fim da guerra.

Taqi al-Din Al-Mutaa, o subsecretário do Ministério da Electricidade, disse que “Simplesmente liberar Marib significa restaurar a electricidade para todas as regiões do Iémen, significa acabar com o sofrimento das pessoas, acabar com o sofrimento dos funcionários”. Ele confirmou que o ministério planeia reactivar a central de Marib o mais rápido possível.

Há temores reais de que a Arábia Saudita possa atacar a central de Marib e as instalações regionais de petróleo caso o avanço houthis seja bem-sucedido. Oficiais de alto escalão em Sanaa disseram à MintPress que qualquer ataque seria recebido com ataques de retaliação contra “as instalações eléctricas e de petróleo mais importantes da Arábia Saudita”. “Não haverá apenas fumo denso subindo no céu de Marib”, prometeu um oficial militar, “haverá fumo subindo nos céus da Península Arábica”.

Os iemenitas olham para o sol
Há vislumbres de luz na escuridão, principalmente nas províncias do norte do Iémen. Em Sanaa, os telhados agora são pontilhados com painéis solares. O sector privado tornou-se a fonte mais competitiva de electricidade do país, importando painéis solares baratos.

Pequenos retalhistas de electrónicos agora vendem sistemas domésticos de energia solar, incentivados pelo aumento da procura e apoiados pelo governo local de Ansar Allah, que recentemente anunciou que o investimento em energia alternativa seria 100% isento de impostos.

O Banco Mundial elogiou o boom no uso de energia solar no Iémen e instou os países que sofrem com as guerras e crises a imitar a experiência iemenita. O Iémen é naturalmente dotado de um enorme potencial solar. Possui altas montanhas no interior, deserto de planalto e uma longa planície costeira semidesértica através do Mar Vermelho e do Mar da Arábia. Além disso, o país é caracterizado pelo clima quente e claro. As temperaturas são geralmente muito altas, principalmente nas áreas costeiras e desérticas. Geograficamente, o Iémen está localizado no cinturão solar do mundo.

A questão importante para muitos iemenitas é se a Arábia Saudita permitirá que eles capitalizem essa riqueza.◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube